Cinco restaurantes vegan para experimentar em Lisboa e no Porto este fim de semana

O Jornal Económico descobriu cinco spots para experimentar uma refeição à base de plantas este fim de semana.

D.R. Arkhe/Facebook

A dieta vegana está a tomar de assalto as redes sociais. Há cada vez mais adeptos deste tipo de alimentação que começa na cozinha mas emerge rapidamente para os ecrãs e influencia milhares de utilizadores – no Instagram, por exemplo, o hashtag #vegan tem mais de 73 milhões de entradas. Para responder a esta tendência, que registou o maior pico no ano passado, as empresas reformularam os seus produtos e começaram a apostar em opções vegan: a Danone, por exemplo, investiu 60 milhões de dólares na produção de leite vegetal e as marcas de gelados Ben & Jerry’s e Magnum lançaram produtos sem ingredientes animais. Outra exemplo é o McDonald’s que criou um Happy Meal à base de plantas.

Arkhe em Lisboa

Abriu no início deste ano na zona de Santos, em Lisboa, e é o novo spot vegan da capital. A cozinha está a cargo de João Ricardo Alves que, antes de atracar no número 46 da rua lisboeta, foi chef do Fiveelements, em Bali, um dos restaurantes vegan mais conhecidos da Indonésia. De lá, trouxe o mote: fazer pratos saborosos à base de vegetais e que respeitem a sazonalidade dos ingredientes. Ao sábado abre às 19h e fecha às 23h e ao domingo começa a servir às 12h30 e fecha a cozinha às 17h30.

DUH! no Porto

A marca de donuts vegan já existe desde 2018 mas, no passado dia 1, inaugurou um conceito diferente: uma loja pop-up aberta apenas durante este mês e só às sexta e aos sábados até à uma da manha. Por isso, se lhe apetecer petiscar a meio da tarde ou no final da noite, passe pela Rua Doutor Barbosa de Castro no centro da cidade do Porto. Lá, além das especialidades da marca (todas vegan), como os donuts clássicos só com açúcar ou os especiais com diferentes recheios e coberturas, poderá provar as novas apostas salgadas da DUH!.

Vendetta Café em Lisboa

Se acha que um kebab não faz sentido sem carne, este novo espaço lisboeta quer provar-lhe o contrário. Abriu durante o primeiro mês do ano na Calçada da Tapada, em Alcântara, e lá só se servem refeições animal-free, muitas delas de origem turca, país de onde são os proprietários. Há um menu de almoço (ou jantar) por €4,5 e é composto por sopa, sanduíche ou wrap, batatas fritas e bebida. Para terminar a refeição, o crepe de kinder bueno (€2) é um sucesso de vendas.

Green Beans Café em Lisboa 

Era uma mercearia vegana e ganhou um espaço de refeições ligeiras à base de plantas. Fica no Chiado e as empadas homónimas são as grandes vencedoras da ementa: custam dois euros e há de tofu e alho francês, de jaca e cogumelos e de ‘alheira’ com cogumelos. Outra das especialidades são as pizzas feitas com queijo vegan, cuja receita junta óleo de coco, batata e cenoura. Nas bebidas quentes, como o cappucino ou o galão, são usadas bebidas vegetais à escolha do cliente: aveia, arroz ou soja são as opções.

O Botanista em Lisboa 

O nome diz tudo: é verde e é vegetal. No Botanista não entram ovos, leite ou manteiga nem qualquer tipo de proteína animal. Esta aberto todos os dias do meio dia à meia noite, menos ao domingo. Por isso, aproveite este sábado e experimente qualquer uma das sugestões da ementa, adaptadas a qualquer hora do dia – os muffins de framboesa e quinoa, o pão de banana e morangos e a papa de aveia com cardamomo, limão e damasco são excelentes opções para começar o dia. Caso prefira almoçar, experimente o salteado botanista ou os noddles de arroz com caril de manga. Para rematar, arrisque na tarte de limão com tomilho.

Ler mais
Recomendadas

Jorge Alves foi eleito o melhor enólogo ano em Portugal em 2018

O prémio de Jorge Alves, o enólogo principal da casa desde 2012, atribuído pela revista ‘Vinho Grandes Escolhas’, ficou reforçado pelo destaque aos Mirabilis, dois grandes reservas tinto e branco entre os melhores vinhos do ano.

Dona do Minipreço pode vender lojas fora de Espanha para salvar grupo

O Grupo DÍA, dono das lojas Minipreço e Clarel em Portugal, está a atravessar um período conturbado e que ameaçar a sua sobrevivência. Após ter sido lançada uma OPA, e depois da apresentação de resultados anuais desastrosos, a retalhista estuda todas as vias alternativas para salvar as suas operações. Uma reunião de acionistas está prevista dentro de um mês, onde a administração do grupo espera conseguir um balão de oxigénio. Caso isso não aconteça, as operações fora de Espanha não são imprescindíveis.

Donos da Herdade das Servas investem nos vinhos verdes

Irmãos Serrano Mira adquirem solar erguido em 1540 pelo poeta e humanista Francisco Sá de Miranda.
Comentários