CIP admite que empresas suportem custo dos testes rápidos para se voltar “a trabalhar em condições”

Para o vice presidente da Confederação Empresarial de Portugal, primeiro é preciso avaliar “qual é que é a prática por esse mundo fora e em particular num mercado em que nos inserimos, que é o da União Europeia”.

Armindo Monteiro, vice presidente da Confederação Empresarial de Portugal (CIP), admitiu esta segunda-feira que as empresas possam pagar o preço dos testes rápidos, em vez de ser o Estado, de forma a que as organizações possam voltar a “trabalhar em condições”.

Quando questionado sobre se o preço dos testes rápidos para entrada nos eventos deveria ficar a cargo das empresas, Armindo Monteiro referiu que existiam “duas formas de responder à pergunta”. Para o vice presidente da CIP, primeiro é preciso avaliar “qual é que é a prática por esse mundo fora e em particular num mercado em que nos inserimos, que é o da União Europeia”. “Aquilo que nós achamos é que as condições deveriam ser uniformes”, completou.

“Independentemente da bondade da medida entendemos que se estamos a competir num mercado único essas medidas deviam ser uniformes”, sublinhou Armindo Monteiro.

No entanto, a perspetiva muda quando se fala “concretamente em relação a Portugal e isolando-nos das práticas uniformes”. Neste cenário, o representante da CIP assume que “se tivermos também de suportar esse custo a bem de um objetivo, que é a recuperação económica o mais rápido possível e de voltarmos a trabalhar em condições, o mais normal possível naturalmente a CIP entende que também esse sacrifício teremos de fazer”.

No último Conselho de Ministros, o Governo anunciou que os eventos culturais, desportivos e familiares (como casamentos e batizados) estariam sujeitos à realização de testes a partir de um determinado número de convidados – a definir pelas autoridades de saúde. Tudo aponta para que os custos fiquem a cargo das empresas, por esse motivo, a AEAPP – Associação Espetáculo, Agentes e Produtores Portugueses pediu que os testes fossem gratuitos pela sua obrigatoriedade.

Relacionadas

Maioria das empresas acredita que PRR não terá impacto na sua atividade

Segundo um estudo do ISCTE, realizado para a Confederação Empresarial de Portugal, só 14% das empresas consideram que o Plano de Recuperação e Resiliência poderá ter algum significado.
Recomendadas

Os caminhos da recuperação empresarial

Com a perspetiva do aumento das insolvências, vários mecanismos visam a celeridade e eficiência na recuperação de empresas.

Via extrajudicial continua sem ter interessados

O RERE foi criado como alternativa à vida judicial, mas não tem tido a adesão empresas. Associação de mediadores diz que falta informação.

BES: Pareceres atribuem prejuízos da recompra de obrigações à administração que sucedeu a Salgado

Dois pareceres juntos pela defesa de Ricardo Salgado no processo do Eurofin atribuem à gestão que lhe sucedeu a responsabilidade pelos prejuízos gerados pela recompra das obrigações BES e que levaram à sua condenação pelo supervisor.
Comentários