CIP e Nova SBE lançam esta quinta-feira programa que prepara mulheres para CEO

Carla Sequeira, secretária-geral da CIP, explicou ao Jornal Económico que a confederação abraçou este projeto com a ideia de acelerar o processo de diversidade e de mudança nas empresas.

A CIP e a Nova SBE lançam esta quinta-feira, 29 de outubro, a segunda edição do Programa Promova, uma formação executiva dirigida a aspirantes a CEO e líderes de empresas único no país. A formação arrancará no primeiro trimestre de 2021, terminando no final de 2022. As participantes têm até ao final deste ano para se inscreverem.

“A CIP abraçou este projeto com a ideia de acelerar o processo de diversidade e de mudança nas empresas e, em particular, nas lideranças que está com indicadores mais baixos do que aqueles que  gostaríamos”, afirmou Carla Sequeira, secretária-geral da CIP, ao Jornal Económico.

Promova resulta de uma parceria entre a Confederação Empresarial de Portugal e a escola de negócios da Universidade Nova de Lisboa em que o parceiro social desenhou o projeto mas a pedagogia é da universidade. “A CIP está neste projeto para ser um driver de mudança”, salienta a secretária geral da instituição. Pretende-se “identificar e desenvolver talentos femininos com potencial de liderança” e “fomentar a sua promoção a funções de direção e gestão”. Meta? Contribuir “para diminuir o gap da igualdade de género na gestão de topo das empresas”.

Não é o género o que se pretende promover, é, isso, sim, a competência e o talento – afirma Carla Sequeira. “Temos a perspetiva que as empresas comecem a olhar com olhos diferentes para o mercado de talentos, que comecem a escolher as melhores e a ter também em atenção as vantagens competitivas que as mulheres oferecem. Nesta fase em que precisamos de líderes esperamos que os líderes atuais vejam nas mulheres o potencial de liderança que têm e que muitas vezes por questões culturais se esquecem de ver. Por outro lado, também, queremos incentivar as mulheres e aumentar a sua autoconfiança e que vejam, de facto, que podem ter essa função de lugares de ‘C-Level'”.

A formação executiva desenvolve-se ao longo de um ano, num total de 96 horas, e assenta em quatro pilares: formação e atividades de ‘coaching’, ‘mentoring’ e ‘networking’.

“A atividade de ‘networking’ é um dos principais fatores para alavancar as redes de mulheres profissionais e este projeto integra um conjunto de ações dessa natureza que são extremamente importantes”, salienta Carla Sequeira. A responsável da CIP destaca igualmente a “mentoria cruzada”, que oferece grandes vantagens e cumpre um duplo objetivo. Se, por um lado, permite às participantes contactar mais diretamente e mais proximamente com alguém de fora da organização e que possa apoiá-la nas suas dificuldades, pelo outro lado, é uma porta aberta para que a cultura de diversidade se vá introduzindo nas próprias empresas através (seus) líderes que desempenharão o papel de mentores.

A primeira edição do programa foi lançada no início da Covid-19, o que obrigou a reformular as sessões de ‘coaching’, outro elemento diferenciador do programa. As sessões estavam pensadas para ser fisicamente e passaram a online. Apesar do senão, o programa já vai em metade e cumprindo com as expectativas e as metas traçadas. “Até agora cumprimos todos os objetivos programados”, diz Carla Sequeira. Um dos mais importantes era despertar o interesse em 50 empresas – foi alcançado, permitindo selecionar 30 participantes vindas de empresas muito diversas, entre as quais algumas do PSI 20 como a EDP e a Galp.

Esta quinta-feira, Rosa Monteiro, secretária de Estado para a Cidadania e a Igualdade, participa, ao lado do presidente da CIP,  António Saraiva, e do dean da Nova SBE, Daniel Traça, na sessão de apresentação da segunda edição do Promova. Na sessão participam também gestoras da Sonae e da EDP que dão testemunho das suas experiências.

 

 

Ler mais
Recomendadas

Torres Vedras vai ter ensino superior em saúde. Polo abre no próximo ano com mestrado em Enfermagem Médico-cirúrgica

O antigo edifício dos Serviços Municipalizados de Água e Saneamento da cidade torreense vai albergar o novo polo do IPLeiria, considerado de grande importância para a escolha da localização do futuro Hospital do Oeste.

Colégios privados reservam-se ao direito de darem aulas online durante pontes dos feriados

A Associação de Estabelecimentos de Ensino Particular e Cooperativo (AEEP) emitiu um comunicado a esclarecer que os colégios privados estão no seu direito de darem aulas online nos dias que antecedem os feriados, apesar da proibição das escolas abrirem fisicamente.

UAveiro impulsiona mudança de hábitos e distribui 239 bicicletas a alunos, professores e funcionários

O projeto, pioneiro em Portugal, é lançado esta segunda-feira, 23 de novembro, e, segundo o reitor Paulo Jorge Ferreira, permite que se façam menos 16 mil quilómetros de carro. Um contributo para um ar mais limpo.
Comentários