CITEVE: “As máscaras FFP2 são muito boas no que diz respeito à filtração, mas têm problemas no campo da respirabilidade”

Numa altura em que alguns países estão a impor a obrigatoriedade de uso de máscaras FFP2, Braz Costa pede “sensatez” às autoridades de saúde portuguesas, sublinhando que há soluções têxteis para conferir às máscaras sociais um maior nível de proteção.

Getty Images

O diretor-geral do Centro Tecnológico das Indústrias Têxtil e do Vestuário de Portugal (CITEVE) afirmou hoje que as máscaras FFP2 “são muito boas” ao nível da filtração, mas comportam “um conjunto de problemas”, designadamente no campo da respirabilidade.

Em declarações à agência Lusa, Braz Costa acrescentou que “há soluções têxteis” para o caso de ser necessário aumentar o nível de proteção das máscaras sociais e que o CITEVE, entidade certificadora de máscaras, já está a trabalhar nesse sentido.

“As máscaras FFP2 são muito boas no que diz respeito à filtração, mas têm um conjunto de outros problemas. Têm problemas no campo da respirabilidade, podem ter problemas no campo da acumulação de CO2”, referiu.

Segundo Braz Costa, a maior parte das máscaras FFP2 usadas em Portugal são importadas e o CITEVE já testou algumas delas, detetando “problemas graves”.

Por isso, e numa altura em que alguns países estão a impor a obrigatoriedade de uso de máscaras FFP2, Braz Costa pede “sensatez” às autoridades de saúde portuguesas, sublinhando que há soluções têxteis para conferir às máscaras sociais um maior nível de proteção.

“Haja sensatez em vez de se impor, de uma forma quadrada, o uso de máscaras FFP2, que têm vários problemas. Há soluções têxteis que podem conferir às máscaras sociais um muito maior nível de proteção. Já estamos a trabalhar a pensar nisso. Se for preciso dar mais um salto, dá-lo-emos”, enfatizou.

Disse ainda que essa será “mais uma oportunidade” para o setor têxtil.

Para o diretor-geral do CITEVE, os países que estão a equacionar o uso obrigatório das FFP2 “foram relativamente descuidados” em relação à regulamentação e ao controlo de qualidade das máscaras comunitárias.

“Neste momento de aperto, acabam por tomar a decisão mais fácil, que é pôr toda a gente com uma FFP2”, criticou.

Na segunda-feira, a ministra da Saúde, Marta Temido, disse que o ministério questionou a Direção-Geral da Saúde sobre a necessidade de revisão das medidas de prevenção contra a covid-19, face à proliferação de novas variantes do vírus SARS-CoV-2 em Portugal.

“Não há ainda recomendações adicionais concretamente sobre a questão das máscaras ao nível do Centro Europeu de Controlo de Doenças e temos sempre alinhado as nossas posições com as recomendações internacionais. Estamos muito atentos e logo que haja alguma informação que coloque alguma necessidade de adaptação, fá-lo-emos”, afirmou Marta Temido.

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 2.140.687 mortos resultantes de mais de 99,6 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 10.469 pessoas dos 636.190 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Recomendadas

Estados Unidos vão enviar mais 500 milhões de doses de vacinas da Pfizer para países desfavorecidos

O negócio amplia um acordo anterior de 500 milhões de doses que as empresas fizeram com os EUA em junho e eleva o número total de doses para mil milhões.

Peritos apostam na vacinação, testagem, medidas sanitárias e gestão de risco

A testagem foi igualmente defendida pela especialista do Instituto de Saúde Pública da Universidade do Porto. Neste aspeto, sobressaiu a defesa de um ajuste nas estratégias de testagem, através da “identificação de populações de maior risco e promoção dos testes gratuitos” em locais validados e incluindo grupos vacinados.

Ministro brasileiro obrigado a fazer quarentena nos Estados Unidos

Marcelo Queiroga, responsável pela pasta da Saúde no Brasil, esteve em contacto com pelo menos 30 pessoas no debate na ONU e testou positivo para a Covid-19, apesar de, ao contrário de Jair Bolsonaro, não estar vacinado.
Comentários