CITIFLAT®: novo conceito de (con)viver em Lisboa para jovens profissionais

A empresa de capitais chineses Level Constellation apresenta o primeiro empreendimento CITIFLAT®. Um novo conceito de viver em Lisboa de cariz humanista, será o primeiro edifício que disponibiliza uma bicicleta elétrica por apartamento com elevador exclusivo.

A empresa de capitais chineses Level Constellation apresentou durante o recente Salão Imobiliário de Portugal – SIL o seu primeiro empreendimento CITIFLAT® em Lisboa. É o primeiro de outros que se lhe seguirão.

De acordo com a promotora a operar no mercado nacional desde 2014 o CITIFLAT® é uma “linha de produtos imobiliários de vanguarda, com marca registada, dirigidos a ‘young professionals’, que se caracteriza e distingue pelas áreas de ‘coliving’ e pelo apoio à mobilidade verde”.

A primeira unidade apresentada ao mercado o CITIFLAT Centro® é um edifício com 4.000 m2, 38 unidades residenciais de tipologias T0 e T1 (alguns são duplex), todas com varandas ou pátios e terraços. O empreendimento, projetado pelo arquiteto Miguel Saraiva, do ateliê Saraiva & Associados, localiza-se no edifício que em tempos foi a Clínica de Todos os Santos, na Rua Gonçalves Crespo, em Lisboa.

Os oito T0  têm áreas privativas entre os 37 e os 43 m2, com preços de comercialização entre os 263 mil e os 310 mil euros. Já os 30 T1, dispõe de áreas privativas entre os 49 e os 81 m2 e estão a ser vendidos com preços-base dos 320mil aos 552 mil euros.

Um conceito humanista

Correspondendo à matriz do produto, o CITIFLAT Centro® dispõe de uma área de coliving desenvolvida em parceria com a SPORT TV. Pedro Vicente, Diretor Geral da Level Constellation em Portugal, afirma que “o Coliving pensado para o CITIFLAT Centro® é de cariz humanista, orientado, como tal, para a partilha e para a promoção da proximidade entre residentes”.

“São apartamentos Inovadores para mentes jovens, espaços amplos para vidas exigentes e modernas, onde a tecnologia está ao serviço do morador para lhe simplificar a vida”, argumenta.

“O Edifício acrescenta o gestor é uma ‘comunidade’, uma rede social viva onde o átrio é um ponto de encontro, de convívio, de antecipação e fruição da vida em Lisboa: a ocasião para ver uma partida de futebol ou um bom filme, talvez até o começo da saída à noite. O isolamento e a solidão são estados de alma contrários a este conceito…”.

 

38 bicicletas elétricas !

Outra das características do produto é o facto de todas as unidades residenciais serem equipadas com uma bicicleta elétrica e respetivo ponto de carregamento de energia próprios. O CITIFLAT Centro® será o primeiro edifício de Lisboa a dispor de um elevador exclusivo para bicicletas; estando o estacionamento automóvel igualmente dotado de pontos de carregamento elétrico.

Quanto à opção pela bicicleta, Pedro Vicente  elucida: “A bicicleta é considerada pela ONU o símbolo mundial da mobilidade sustentável nos centros urbanos. Portugal conta já com 299 ciclovias. Até 2030, o País disporá de mais 110 ciclovias, com 1000 km no seu total.”

O CITIFLAT Centro® é o primeiro edifício em Portugal, segundo sabemos, a disponibilizar uma bicicleta elétrica por apartamento, e de um elevador dedicado a bicicletas, facilitando a sua movimentação no interior do edifício.

 

Segurança e privacidade

Porém, o conforto e a privacidade são garantidos, seja através de cartões de acesso personalizado, sistemas de segurança permanente e muitas outras soluções cujo único desígnio é tornar vida dos moradores mais simples e funcional. A arquitetura é sóbria e elegante, os espaços de lazer sofisticados, amplos e cosmopolitas. A racionalização dos recursos energéticos pensada ao pormenor.

Os materiais e acabamentos estão de acordo com a sustentabilidade em que assenta o conceito CITIFLAT®.

A frota de bicicletas elétricas do CitiFlat vão fazer furor naquela zona da cidade, bem perto da Praça José Fontana e do Liceu Camões, fazendo gala de mobilidades mais saudáveis e amigas do ambiente.

Ler mais
Recomendadas

PremiumCadeia de Lisboa fecha até 2020, abrindo a porta a negócio de milhões

Cadeia de Lisboa será encerrada até 2020, apurou o JE. Terreno situado em pleno coração da capital vale mais de 200 milhões de euros e deverá acolher o novo Campus da Justiça. Parte do terreno ficará para a CML e poderá ter lugar a venda a privados.

Tribunal declara ilegais serviços mínimos na greve dos professores

O Tribunal da Relação de Lisboa declarou ilegais os serviços mínimos que foram decretados em julho, pelo colégio arbitral, no âmbito da greve às reuniões de avaliações.

Ordem dos Advogados quer esclarecimentos sobre o “algoritmo da Justiça”

O Conselho Regional de Lisboa da Ordem quer que o Instituto de Gestão Financeira e dos Equipamentos da Justiça preste todos os esclarecimentos sobre matéria de aleatoriedade do sistema.
Comentários