Claude Berda quer investir 450 milhões de euros no imobiliário em Portugal

O francês Claude Berda, que vendeu a rádio francesa AB Groupe, tenciona investir 450 milhões de euros na compra e desenvolvimento de propriedades em Portugal para depois as vender, refere a agência Bloomberg.

Segundo a agência de notícias norte-americana, Bloomberg, Berda está à procura de financiamento da banca para alguns dos projetos e nos últimos dois anos já comprou dez edifícios em Lisboa, um ‘resort’ no Algarve e uma propriedade de 350 hectares na Comporta.

“Portugal é definitivamente o meu próximo grande projeto”, disse Berda à agência, numa entrevista em Lisboa.

Berda adianta ainda na entrevista que “já estive algum tempo com mediadores imobiliários e estão há procura de propriedades para vender. Não têm produto suficiente. O mercado é muito bom e forte”.

A Bloomberg escreve que o mercado imobiliário em Portugal está a gerar crescente interesse nos cidadãos franceses, que no ano passado ultrapassaram os britânicos e passaram a ser os maiores compradores estrangeiros de imobiliário, segundo dados da associação portuguesa de profissionais e mediadores imobiliários.

O programa de residente não habitual, que permite aos pensionistas estrangeiros que vivam no país não pagar impostos desde que o rendimento provenha do estrangeiro, e o programa dos ‘Vistos Gold’, que oferece vistos de residência para quem investir mais de 500 mil euros em imobiliário, adiantando que os dois têm sido ‘magnéticos’ para compradores estrangeiros, incluindo cidadãos franceses à procura de impostos mais baixos e chineses à procura de casa na Europa, são também mencionados no artigo.

Berda, de 70 anos, que viaja para Portugal duas vezes por mês para acompanhar a sua empresa de imobiliário Vanguard Properties, gerida pelo filho Rolland, afirma que “Lisboa ainda é relativamente barata quando comparada com outras cidades europeias” e que “conhece bem os portugueses”, refere a Bloomberg.

 

Recomendadas

Fundos ESG ainda têm muito espaço para crescer em Portugal

No ano passado, a maioria das subscrições de fundos ESG foram feitas por pessoas singulares (99,2%), segundo os dados da CMVM, que mostram que as subscrições líquidas se revelaram nos quatro últimos anos, apesar de 2020 ter apresentado uma diminuição de 75% face a 2019.

Eletricidade. Desde 2009 que o valor da dívida tarifária não era tão baixo

A dívida vai afundar mil milhões em 2022, a maior descida registada desde 2008.

“Apoios de nove milhões foram cruciais para minimizar prejuízos”, revela presidente do Instituto dos Vinhos do Douro e Porto

“Esses apoios foram cruciais para, de alguma forma, minimizar aquilo que poderiam ser os prejuízos dos agricultores na venda das suas uvas”, revela Gilberto Igrejas. “Foram nove milhões de euros, na Região Demarcada do Douro, muito importantes para que o tecido produtivo não tivesse quebras superiores”, assegura o presidente do Instituto dos Vinhos do Douro e Porto (IVDP), na edição do podcast “Conversas com Norte” que irá para o ar na próxima segunda-feira.
Comentários