Cláudia Monteiro de Aguiar reforça importância de fundos europeus para acessibilidades

A social-democrata deu como exemplo a via rápida que liga Câmara de Lobos ao Estreito, “obra que veio reforçar a acessibilidade a esta freguesia, dando-lhe uma nova centralidade”.

A candidata do PSD-Madeira às eleições europeias, Cláudia Monteiro de Aguiar, reforçou, no passado domingo, a importância dos fundos europeus, nomeadamente na área das acessibilidades. Cláudia Monteiro de Aguiar deu como exemplo a via rápida que liga Câmara de Lobos ao Estreito, “obra que veio reforçar a acessibilidade a esta freguesia, dando-lhe uma nova centralidade”.

A social-democrata assumiu que vai continuar a trabalhar no Parlamento Europeu para que os programas e o financiamento europeu sejam mantidos e, se possível reforçados, “de modo a corresponder às necessidades da Região, nos seus onze concelhos”.

Cláudia Monteiro de Aguiar visitou alguns pontos da freguesia do Estreito de Câmara de Lobos, lembrando. que 50% da produção de vinho Madeira é proveniente desta localidade. A candidata do PSD garantiu “continuar a lutar” para que os apoios destinados à agricultura e aos caminhos agrícolas sejam reforçados, assim como que o seu âmbito seja alargado, para que mais pessoas e mais projetos possam ser contemplados.

“As pessoas da freguesia do Estreito de Câmara de Lobos contribuíram, muito na construção civil, para o desenvolvimento da Madeira e é com elas que também queremos continuar a afirmar mais Madeira na Europa”, rematou.

Recomendadas

Albuquerque confirma ciclo de diálogo após PS ter deixado de “tentar prejudicar” Madeira

O governante destacou que já se registaram avanços no Orçamento do Estado para 2020 em matéria da clarificação do financiamento do novo hospital da Madeira e da introdução de uma taxa variável que permitiu a redução de sete milhões de euros por ano no serviço da dívida da região.

Albuquerque garante que governo PSD/CDS vai cumprir legislatura até ao fim

Para Miguel Albuquerque, este primeiro período de governação conjunta tem “corrido muito bem”, porque o executivo, “acima dos interesses partidários, põe os da população que serve”.
Comentários