Cleverti está a recrutar 50 colaboradores para teletrabalho

As posições em aberto estão relacionadas com ‘.NET Core’, ‘DevOps’, ‘Node.js’ e ‘React’. Só nesta última, a tecnológica está a contratar 20 programadores ‘front-end’ com mais de três anos de experiência para um projeto ‘nearshore’ com base no Reino Unido.

Até ao final do ano, empresa portuguesa de desenvolvimento e testes de software Cleverti quer contratar 50 colaboradores em regime 100% remoto, que afirmem ser para “dar continuidade à aposta no mercado europeu”. As posições em aberto visam diversas tecnologias em maior tendência, nomeadamente ‘.NET Core’, ‘DevOps’, ‘Node.js’ e ‘React’. Só nesta última, a Cleverti está a contratar 20 programadores front-end com mais de três anos de experiência para um projeto nearshore com base no Reino Unido.

Após um aumento da faturação na ordem dos 100% em 2019, cujo valor não foi revelado, a empresa portuguesa alega que terminou o ano transato com um crescimento das receitas, do número de pessoas e do número de clientes e de projetos.

Para 2021, a Cleverti afirma que o cenário é para manter, com dados a “apontarem para um incremento da faturação na ordem dos 30%”, e diz estar focada na dimensão humana, e exemplifica o crescimento na ordem dos 20% desde o início do ano e a perspetiva de contratação de mais cerca de 50 profissionais especializados na área da tecnologia até ao final do ano.

“Desde sempre atenta à dimensão global dos seus colaboradores, além de um pacote salarial atrativo que inclui remuneração fixa e variável, a Cleverti oferece um conjunto de benefícios abrangente, incluindo um programa de bem-estar multifacetado e a opção de trabalhar 100% remoto”, afirma a organização, em comunicado divulgado à imprensa.

Recomendadas

“AgentTesla”. Conheça o vírus mais perigoso para as empresas em Portugal

Este trojan de acesso remoto atingiu 6% das organizações nacionais no mês passado.

Saiba o que fazer quando o credor avança para cobrança judicial

É importante que esteja ciente que, enquanto devedor, todos os seus bens respondem pelo pagamento das suas dívidas.

Greenpeace pede à UE que proiba voos de curta distância e os substitua por comboios

A organização ambientalista Greenpeace pediu hoje à União Europeia para proibir voos de curta distância no seu território quando seja possível substituí-los por viagens de comboio com menos de seis horas, para reduzir as emissões de CO2.
Comentários