CML escolhe Quadrante para realizar o projeto de infraestruturas do Parque da futura Feira Popular

O Grupo Quadrante vai desenvolver os sistema de abastecimento e saneamento de água do Parque Verde da futura Feira Popular de Lisboa.

A consultora portuguesa de engenharia e arquitetura, Quadrante foi a empresa escolhida pela Câmara Municipal de Lisboa para realizar o projeto de infraestruturas do Parque da futura Feira Popular e que inclui o Parque Verde e o Jardim dos Professores, tendo o projecto de arquitetura paisagista sido desenvolvido pela Topiaris, diz a empresa em comunicado.

A Quadrante é a empresa responsável pela elaboração de estudos e projetos de execução das redes de abastecimento de água, rega, drenagem de águas residuais domésticas e drenagem de águas pluviais do futuro Parque Verde.

“Os parques localizam-se nos atuais terrenos ocupados, localizados entre o interface multimodal da Pontinha, PMO do Metropolitano de Lisboa, bairro da Padre Cruz e o Regimento de Engenharia nº 1 e abrangem uma área de aproximadamente 20 hectares, área igual a vinte campos de futebol”, lê-se no comunicado.

Carlos Fernandes Jorge, Responsável pela área de Water Utilities do Grupo Quadrante diz na nota que “a feira popular foi desde sempre um espaço icónico na cidade de Lisboa e recordado por todos aqueles que tiveram a oportunidade de a visitar no passado. O novo Parque Verde projeta uma nova centralidade, com grande potencial de atração de público, que aqui encontrarão um novo espaço verde com usos diversificados. Foi ainda contemplada a questão da otimização dos recursos de forma a tornar este projeto ambientalmente sustentável”.

A Quadrante foi fundada em 1998, por João Silveira Costa, Nuno País Costa, Nuno Batista Martins e Tiago Pais Costa.

Recomendadas

Mercadona procura quota de vendas superior a 10% em Portugal

Se replicar o êxito de Espanha, onde garante 25% das receitas com 17% da área comercial, grupo de Juan Roig vai chegar ao topo do mercado interno.

Farfetch: “Vamos reinvestir as margens do crescimento agressivo da empresa”

José Neves, fundador da Farfetch, está satisfeito com os resultados obtidos pela empresa, tal como foi como foi prometido ao mercado. O foco está em continuar a crescer e não na rentabilidade imediata.

Corte de 462 mil euros no orçamento da Agência Lusa pode provocar despedimentos

Em causa está a decisão do Governo, que controla a participação maioritária da agência detida em 50,14% pelo Estado, de cortar na rúbrica Fornecimentos e Serviços Externos do orçamento da Agência Lusa
Comentários