CMS e PLMJ assessoram primeira emissão de ‘green bonds’ da REN

A PLMJ e a Clifford Chance, através dos escritórios de Madrid e Amesterdão, apoiaram a energética e a CMS Rui Pena & Arnaut os bancos na perspetiva portuguesa.

As sociedades de advogados PLMJ, CMS e Clifford Chance assessoraram juridicamente a primeira emissão de green bonds da REN – Redes Energéticas Nacionais no valor de 300 milhões de euros.

A dívida ‘verde’ emitida tem maturidade de oito anos e insere-se na estratégia de financiamento de longo prazo da empresa, que está assente na sustentabilidade, sendo que o financiamento destina-se a ativos sustentáveis, em conformidade com o “Green Finance Framework” divulgado em fevereiro.

Já a CMS Rui Pena & Arnaut (CMS RPA) assessorou os bancos na perspetiva portuguesa, numa equipa encabeçada pelo sócio Francisco Xavier de Almeida, responsável da área de Mercado de Capitais, e constituída ainda pelo associado sénior David Luzia Apolónia, o associado Pedro Fernandes Nunes e o advogado estagiário Francisco Verdelho.

“Participar nesta transação, que representa mais um passo do nosso mercado de capitais rumo a um modelo mais sustentável, é um prazer. Estamos muito satisfeitos por termos assessorado nesta operação, em linha com o posicionamento da CMS, a nível nacional e internacional”, disse Francisco Xavier de Almeida.

Do lado da PLMJ, a operação foi liderada pelo sócio André Figueiredo, do departamento de Bancário e Financeiro e Mercado de Capitais. No trabalho de assessoria participou ainda a sócia Raquel Azevedo, o associado sénior Alexandre Norinho de Oliveira e os associados Pedro Roque Coelho e Sara Asseiceiro.

“O foco na sustentabilidade é hoje incontornável no mercado de capitais, e o acompanhamento deste tema é algo em que a PLMJ tem sido pioneira. Foi por isso um enorme prazer acompanhar a REN no caminho – que na verdade vem sendo trilhado há bastante tempo – que permitiu atingir este extraordinário resultado na sua primeira emissão de green bonds, diversificando a sua base de investidores e dando um sinal claro de comprometimento com a sustentabilidade ambiental”, afirmou André Figueiredo.

Na Clifford Chance, a operação foi chefiada a partir de Madrid pelo sócio Antonio Henriquez, de Mercado de Capitais, que trabalhou em estreita colaboração com o sócio Jurgen van der Meer, do escritório de Amsterdão. A equipa foi ainda apoiada por por Stacey Zverev, associada sénior de Mercado de Capitais (Madrid), os associados Tom Smeele e Nolan Groenland e o advogado estagiário Onur Danismant (Amsterdão).

REN paga 0,5% para emitir 300 milhões na primeira emissão de dívida verde

Ler mais
Relacionadas

“A partir de agora as nossas emissões de obrigações vão ser sempre verdes”, diz CFO da REN

“Somos uma empresa que está no coração do processo de transição energética, a possibilitar a modificação da nossa matriz de geração para uma matriz mais renovável e todo estes investimentos que fazemos são os que beneficiam deste refinanciamento”, disse Gonçalo Morais Soares, em entrevista telefónica.
Recomendadas

“Falar Direito”. “Vistos Gold vieram para ficar e Portugal tem uma posição simpática a nível mundial”

“Na minha opinião, os Vistos Gold vieram para ficar. Acho que Portugal tem uma posição muito simpática a nível mundial. O nosso passaporte, que também alicia muitos investidores a optarem por Portugal, alicia muitos a investir via Portugal”, realçou a advogada da CRS, Raquel Galinha Roque.

“Falar Direito”. “Investimento estrangeiro? Lisboa e Porto estão na pole position”

“Lisboa e Portugal no geral têm-se vindo a colocar numa pole position em termos de investimento estrangeiro nomeadamente ao nível dos Vistos Gold. O Porto também tem vindo a ganhar muito com esta política”, realçou a advogada da CRS, Raquel Galinha Roque.

Regime dos vistos gold vai mudar em janeiro de 2022. Quais as implicações para os investidores? Veja o “Falar Direito”

Acompanhe o “Falar Direito” na plataforma multimédia JE TV, através do site e das redes sociais do Jornal Económico.
Comentários