CMS reforça área de Fiscal

Susana Estêvão Gonçalves era associada principal da Uría Menéndez – Proença de Carvalho.

A sociedade de advogados CMS anunciou recentemente que contratou Susana Estêvão Gonçalves, ex-associada principal da Uría Menéndez – Proença de Carvalho, para o departamento de Direito Fiscal.

A área de Fiscal deste escritório conta com 10 advogados em Portugal, dos quais dois são sócios: Patrick Dewerbe e Nuno Figueirôa Santos. Já a nível internacional, são mais de 400 advogados, em 42 jurisdições na Europa, Ásia, África, Médio Oriente e América Latina.

“A integração da Susana Estevão Gonçalves insere-se numa política de crescimento e reforço das equipas da CMS não só integrando jovens advogadas e advogados em início de carreira, mas também recrutando advogadas e advogados com reconhecida experiência profissional”, refere a firma.

Licenciada em Direito pela Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa, Susana Estêvão Gonçalves fez também uma pós-graduação em Fiscalidade na Faculdade de Direito da Universidade Católica de Lisboa. Na Uría Menéndez – Proença de Carvalho esteve desde setembro de 2008 até agosto deste ano, trabalhando sobretudo em planeamento fiscal internacional, fusões e aquisições, operações imobiliárias, project finance e gestão de patrimónios.

Recomendadas

PremiumAbreu, Miranda e VdA assessoram projeto de GNL em Moçambique

O trio de escritórios esteve envolvido no processo de financiamento ao projeto de gás natural liquefeito, com firmas das suas redes em África.

Conselho Regional de Lisboa da Ordem dos Advogados lança campanha de sensibilização para a importância da profissão

A iniciativa entra agora numa nova fase que permite que os advogados comuniquem as situações onde, durante o exercício do mandato conferido pelos seus clientes, os seus direitos e dignidade foram alvo de ataques ao livre exercício da sua atividade.

PremiumLíderes das maiores sociedades de advogados revelam previsões para reforma

Líderes das principais sociedades de advogados antecipam um aumento da atividade em áreas como reestruturações, insolvências, contencioso e M&A, entre outras, apesar da queda das receitas. E admitem fusões entre firmas.
Comentários