CMVM aplica multas de 1,175 milhões entre julho e setembro

No terceiro trimestre de 2020, a CMVM proferiu decisão em seis processos de contraordenação, dos quais quatro por violação dos deveres de atuação dos auditores, dois referentes a deveres de intermediação financeira.

A Comissão de Mercado de Valores Mobiliários publicou as estatísticas periódicas dos processos de contraordenação. No terceiro trimestre de 2020, a CMVM proferiu decisão em seis processos de contraordenação, dos quais quatro por violação dos deveres de atuação dos auditores, dois referentes a deveres de intermediação financeira.

As decisões tomadas entre julho e setembro respeitam a um processo de contraordenação muito grave e a cinco processos de contraordenação graves, tendo sido aplicadas coimas no total de 1.175.000 euros (1,175 milhões de euros) e cinco admoestações.

No mesmo período foram instaurados sete processos de contraordenação, quatro por violação dos deveres de atuação dos auditores, dois relativos a violações de deveres de intermediação financeira e um por violação dos deveres referentes à atividade dos organismos de investimento coletivo.

A CMVM revela ainda que em setembro estavam em curso 73 processos de contraordenação. Destes, 24 respeitam a violações de deveres de intermediação financeira, 18 são referentes à atuação dos auditores, 11 são referentes à atividade dos organismos de investimento coletivo, oito respeitam a violação de deveres de negociação em mercado, sete relativos a violações de deveres de informação ao mercado, e cinco referentes a deveres de combate ao branqueamento de capitais e financiamento do terrorismo.

No terceiro trimestre foi também decidido um processo em tribunal relativo à violação de deveres de informação ao mercado. No final de setembro, encontrava-se um processo pendente de decisão nos tribunais.

Foi já em outubro que o supervisor do mercado português de valores mobiliários condenou a KPMG a uma coima de um milhão de euros por falhas na auditoria no caso BES/BESA. A CMVM aplicou uma coima de um milhão de euros na condenação definitiva que foi colocada no site do regulador. Mas “foi requerida a impugnação judicial desta decisão”.

As coimas aplicadas pela CMVM não são receita própria – com exceção das decorrentes de violações ao regime jurídico da supervisão de auditoria -, mas sim receita do Sistema de Indemnização aos Investidores, nos termos da legislação em vigor.

Ler mais

Recomendadas

Parlamento anula transferência de 476,6 milhões do Fundo de Resolução para Novo Banco

O Orçamento de Estado acaba de aprovar a bandeira do Bloco de Esquerda de impedir a injeção do Fundo de Resolução dos 476,6 milhões de euros para o Novo Banco. Esta medida deixa o banco numa situação delicada para cumprir os compromissos de limpeza do balanço assumidos com Bruxelas.

AHRESP diz que Programa Apoiar pode não ser acessível a 58% do setor da restauração

A condição obrigatória que as entidades disponham de contabilidade organizada, é um requisito que pode impedir o acesso a 58% das empresas da restauração e bebidas, que são Empresários em Nome Individual (ENI), na sua esmagadora maioria inscritos no Regime Simplificado”, diz a Associação.

Mário Ferreira lança OPA sobre 70% da Media Capital. Paga 0,67 euros por ação

Na sequência de uma deliberação da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários, a Pluris Investments, de Mário Ferreira, lançou uma OPA obrigatória sobre a totalidade do capital que não controla na dona da TVI.
Comentários