Coimbra recebe encontro ibero-americano sobre impacto da tecnologia no Direito

A segurança informática vai ser um dos maiores desafios do século XXI em todas as áreas, da Saúde à Justiça, considerou hoje o presidente da Coimbra Business School, que recebe o II Encontro Ibero-Americano de Direito e Desenvolvimento.

A segurança informática vai ser um dos maiores desafios do século XXI em todas as áreas, da Saúde à Justiça, considerou hoje o presidente da Coimbra Business School, que recebe o II Encontro Ibero-Americano de Direito e Desenvolvimento.

O encontro, que se realiza na sexta-feira, sob o tema “Direito para o Desenvolvimento Digital”, vai discutir as adaptações que o Direito deverá sofrer para se adaptar à transformação digital e às sociedades modernas.

À agência Lusa, Pedro Costa, presidente da Coimbra Business School e especialista em segurança informática, disse que vai ser “absolutamente incontornável o foco na importância desta área para a segurança das pessoas, das empresas e do próprio Estado”.

“Os sistemas foram crescendo, na maior parte sem qualquer requisito de segurança, que não era algo a ter em conta, e, num momento em que são tão complexos e a sociedade tão dependente deles, é fundamental que se garanta segurança no acesso, nos procedimentos, nos documentos, na informação e em tudo o que é pilar do Estado de Direito”, frisou.

Para o presidente da Coimbra Business School, doutorado em Engenharia Informática pela Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra, “ninguém imagina um sistema judicial baseado em sistemas informáticos que não sejam seguros”.

Pedro Costa chama a atenção para “o grau de ingerência que as empresas e os sistemas financeiros podem sofrer com o tratamento dos seus dados pelos sistemas de informação atuais e futuros, sendo absolutamente determinante acautelar a privacidade, a intimidade e a segurança dos cidadãos”.

No encontro de sexta-feira, vão ser apresentadas e discutidas algumas mudanças nas leis e práticas judiciais, como a atribuição de responsabilidades e de investigação e de produção de prova, “que jamais será como antigamente e até, porventura, a própria forma como os tribunais se encontram organizados, com inerente desmaterialização de processos e procedimentos”.

“A confidencialidade dos sistemas, a confiança entre pessoas e utilizadores é fundamental que seja aferida, testada e analisada e, obviamente, esse é um desafio seguramente enorme”, sublinha Pedro Costa.

Com a participação de especialistas nacionais e internacionais, o II Encontro Ibero-Americano de Direito e Desenvolvimento vai debater a forma de “combater os perigos, manter a eficácia do Estado e respeitar a privacidade”.

Em cima da mesa, vão estar em discussão o “Direito das Tecnologias e Desenvolvimento”, a “Ética e Direitos Humanos como Proteção ao Desenvolvimento”, o “Património Cultural, Ambiente e Desenvolvimento Sustentável”, o “Direito Fiscal e Para-Fiscal como Mecanismo de Desenvolvimento” e a “Responsabilidade da Empresa e Ética Empresarial como Instrumento ao Desenvolvimento Económico”.

“Hoje, a responsabilidade criminal e civil está centrada nas pessoas, mas no futuro muito próximo estará cada vez mais centrada em fornecedores difusos de bens e serviços e, sobretudo, nos fornecedores de ‘software’ à indústria”, antecipa o presidente da Coimbra Business School.

O II Encontro Ibero-Americano de Direito e Desenvolvimento é organizado pela Coimbra Business School, em parceria com o Instituto Iberoamericano de Estudos Jurídicos, a Universidade Católica e a FAF Advogados.

Ler mais
Recomendadas

CCA Ontier tem nova coordenadora de Contencioso

A CCA Ontier anuncia a nomeação da advogada Catarina Limpo Serra como associada coordenadora do departamento de Contencioso.

Bloco de Esquerda avança com projeto de regulação das relações laborais na advocacia

Projeto de lei entregue hoje na Assembleia da República visa garantir que “as relações laborais no âmbito da advocacia são desenvolvidas dentro da legalidade, através de um contrato de trabalho reduzido a escrito, aplicando-se o Código do Trabalho ao início, ao conteúdo e à cessação dessas relações laborais”.

Quem pode auditar os créditos do Novo Banco? PwC auditou em 2017, EY em 2018 e KPMG tem legado do BES

Qual é a auditora que tem independência para avaliar os créditos do Novo Banco? Depois da KPMG, da PwC e da EY, só resta a Deloitte das “Big Four” para fazer a grande auditoria aos créditos do banco desde os tempos do BES que os políticos pediram.
Comentários