Coligações só com a população…

Temos plena consciência de que, com isenção e com independência perante os grupos de pressão já conhecidos, estamos a defender o interesse público. E, assim, será ainda mais intensificamente.

A estratégia de coligações para as autarquias nasceu de uma simbiose mútua, que interligou as comissões políticas municipais (a funcionar ad hoc) e os órgãos nacionais. Regra geral, foi feita a “ponte” pelo desejo de opção das diretrizes dos órgãos municipais, caso a caso.

Quando o projeto não resulta, sobretudo pelo desrespeito das mais elementares regras de que todos os partidos têm direito à democracidade e pluralidade dentro de um projeto coligativo, abandona-se o percurso inicial. O que é, perfeitamente, natural e espontâneo. Pior, seria manter as aparências e cultivar a hipocrisia (como se já não existisse a suficiente para as roupagens externas) e dizer muito simplesmente: adeus.

A independência não tem preço, mas tem perdão. Sobretudo, porque o interesse público deve ser valorizado e preservado como questão de ética e de respeito pelo prometido.

Como reação nefasta à saída, a nova conclave que lida muito mal com o pluralismo, alimenta e apregoa deliberadamente o “boato” de que o JPP está aliado com o outro partido da maioria. Tal como afirmou Winston Churchill: “uma mentira dá uma volta inteira ao mundo antes mesmo de a verdade ter oportunidade de se vestir.”

Suponho que seja uma reação negativa à saída. O trabalho e a ação do JPP estão a incomodar os interesses instalados. Ainda bem…

Temos plena consciência de que, com isenção e com independência perante os grupos de pressão já conhecidos, estamos a defender o interesse público. E, assim, será ainda mais intensificamente.

Estamos a construir crítica e alternativas em várias frentes, sem lobys consagrados, tais como na saúde, nos transportes, na agricultura, na necessidade de estabilidade fiscal para as empresas, nas questões ambientais e nos valores sociais.

Coligações, apenas, com a população.

 

Recomendadas

Centro Internacional de Negócios da Madeira – mais um ataque?

Continuarmos em Portugal a não perceber a importância do nosso Centro Internacional, poderá significar acabar com o próprio a breve trecho, sem perceber as reais consequências deste cenário, que diria catastrófico do ponto de vista económico para a região autónoma.

O Risco é componente essencial de uma infância equilibrada

Defendo que as crianças sofrem, nos dias de hoje, de transtorno de deficit de risco e de contacto com o meio exterior, desenvolvendo assim problemas na avaliação do risco, fraca consciência espacial, tornando-se excessivamente dependentes, tímidas, com falta de autoconfiança. São estas crianças que não deslocam os ombros nem arranham os joelhos, mas que desenvolvem atraso sensorial motor, obesidade e doenças crónicas típicas da idade adulta.

Porque é que é tão difícil?

Esta “ubiquidade” de sentimentos e seu reflexo em variadíssimos aspectos da nossa comunidade tem, na minha opinião, bloqueado muito do desenvolvimento do nosso País, das suas empresas e da sua governabilidade.
Comentários