Com ou sem acordo, pouco importa. Brexit vai mesmo empurrar o Reino Unido para uma recessão, estima ‘think tank’

O Instituto Nacional de Investigação Económica e Social britânico revelou que o Brexit terá consequências nocivas para a economia britânica, independentemente de ser um Brexit duro ou um Brexit suave. Mas, o PIB britânico será 5% mais baixo no caso de um Brexit duro.

O Instituto Nacional de Investigação Económica e Social (da sigla inglesa, Niesr) elencou algumas consequências para a economia britânica devido ao Brexit. Segundo este think tank – que diz ser o mais antigo centro de investigação independente do Reino Unido, fundado em 1938 – a saída do Reino Unido da União Europeia (UE) marcada para outubro poderá empurrar o país para uma recessão. Mas não só.

O instituto aponta que existe 25% de probabilidades que a economia do Reino Unido já esteja a contrair, noticia o jornal espanhol, El Economista. Mas, no caso de um Brexit sem acordo se tornar numa realidade, o Niesr alerta para a possibilidade de uma recessão “severa”.

Independentemente de uma saída sem acordo, o think tank britânico refere que, até no caso de uma saída da UE ordenada, a economia britânica deverá estagnar, com um crescimento anémico de 1%, em 2019 e em 2020. Ao mesmo tempo, os preços deverão subir, uma vez que o Niesr antecipa uma inflação em torno dos 4,1%, enquanto a libra deprecia à volta de 10%.

Assim, no curto-prazo, o Niesr espera uma reação por parte do Banco de Inglaterra e um pacote de incentivos fiscais no caso de um Brexit duro. No longo-prazo, o think tank antecipa que um Brexit duro terá consequências económicas mais graves do que um Brexit mais suave. O PIB britânico deverá ser 5% mais baixo no caso de um Brexit duro por comparação com um Brexit suave.

Esta terça-feira, dia 23 de julho, será conhecido o sucessor de Theresa May, que se demitiu do cargo de primeira-ministra. Em disputa estão os dois conservadores Boris Johnson e o ex-ministro dos Negócios Estrangeiros, Jeremy Hunt.

Durante a campanha para o referendo sobre o Brexit, em 2016, Boris Johnson foi um dos rostos para o ‘sair’, que acabou por singrar no escrutínio público, dando início ao processo de saída do Reino Unido da UE. Boris Johnson é visto como o favorito para se tornar no novo primeiro-ministro britânico e já se comprometeu a retirar o Reino Unido da UE em outubro, com ou sem acordo.

Ler mais

Relacionadas

Dois ministros britânicos vão demitir-se se Boris Johnson suceder a Theresa May

Os ministros britânicos das Finanças e Justiça, Philip Hammond e David Gouke, respetivamente, já pré-anunciaram renunciarem aos cargos se Boris Johnson for eleito o novo líder do Partido Conservador e, consequentemente, primeiro-ministro. Em causa estão as pretensões de Boris Johnson sobre o Brexit.

Resultados, Fed e ‘hard Brexit’. Hoje há “Mercados em Ação”, em direto às 17h00

Veja no JE TV a análise dos acontecimentos mais importantes nos mercados financeiros, com a participação de analistas de topo no estúdio e via Skype.

80.900 portugueses já pediram estatuto de residente no Reino Unido

“Em poucos meses, centenas de milhares de cidadãos da UE e as suas famílias garantiram os seus direitos. Os cidadãos da UE e as suas famílias têm até 31 de dezembro de 2020 para se candidatarem e não queremos que ninguém seja deixado para trás”, afirmou o ministro do Interior do Reino Unido
Recomendadas

Emprego norte-americano dá ânimo a Wall Street

Em novembro, foram criados 266 mil novos postos de trabalho nos Estados Unidos, 47% acima das estimativas, que apontavam para a criação de 180 mil novos empregos. A taxa de desemprego caiu mais do que o era esperado, para os 3,5% – previsa-se que ficasse nos 3,6%, idêntica à taxa registada no mês de outubro.

Wall Street sem gás à espera de dados económicos

Um número que a ser alcançado não belisca a ideia bem estabelecida nos analistas de que é a força do mercado de trabalho que está a sustentar o crescimento económico.

China quer dominar reconhecimento facial

Os temas mais sensíveis entre os EUA e a China têm mais relação com supremacia tecnológica do que com tarifas. O objetivo é desenvolver e dominar o setor da Inteligência Artificial a nível global.
Comentários