Com todos os indicadores-chave abaixo das linhas vermelhas, DGS considera situação epidemiológica com tendência decrescente

A evolução pandémica no território português permite ao país ter agora uma transmissão comunitária moderada com uma baixa pressão nos serviços de saúde e uma tendência decrescente a nível nacional.

Circulação entre concelhos do Porto e Matosinhos fiscalizada pelas forças policiais. Operação policial para controle das medidas de restrição e de circulação entre concelhos impostas estado de emergência, na sequencia da pandemia de Covid-19. Porto, 27 de março de 2021. MANUEL FERNANDO ARAUJO/LUSA

A Direção Geral da Saúde (DGS) considera a situação epidemiológica em Portugal com transmissão comunitária de moderada intensidade e tendência ligeiramente decrescente a nível nacional. No relatório de monitorização das linhas vermelhas da gestão pandémica divulgado esta sexta-feira, as autoridades sanitárias destacam ainda a baixa pressão nos serviços de saúde.

Portugal regista uma média de novos casos de infeção por 100 000 habitantes de 50, numa análise considerando o acumulado nos últimos 14 dias, o que aponta para um cenário relativamente controlado. Já o índice de transmissibilidade, vulgarmente referido como R(t), encontra-se nos 0,95 para a totalidade do território nacional, abaixo, portanto, da linha vermelha definida quando o indicador atinge 1.

Já no que respeita ao valor crítico definido para as unidades de cuidados intensivos, que se situa nas 245 camas ocupadas, os internados atuais representam 29% desta capacidade. Adicionalmente, a tendência atual é decrescente, pelo que a DGS considera a situação de baixa pressão nos serviços de saúde.

Relativamente à testagem e isolamento, a proporção de testes positivos encontra-se atualmente nos 1,1%, o que também fica bem abaixo do limite definido de 4%. Ainda assim, o número de testes tem vindo a diminuir nos últimos dias. Estes positivos foram isolados, em 97% dos casos, em menos de 24 horas após a notificação do resultado, sendo que foram identificados e isolados 76% dos contactos destes infetados.

Permanecem, no entanto, 6,2% dos casos confirmados numa situação de atraso na notificação, o que ainda fica abaixo do máximo de 10% decretado pelo Governo.

No que respeita à prevalência das diferentes variantes em Portugal, a britânica é responsável por 91,2% dos contágios identificados. Foram também reportados 114 casos da variante brasileira, bem como 88 da variante sul-africana, havendo transmissão comunitária ativa destas estirpes. Já a variante indiana, apesar dos nove casos confirmados, não parece ter, para já, transmissão comunitária no território nacional.

Recomendadas

Portugal com 707 novos casos e duas mortes por Covid-19. Internamentos voltam a aumentar

Em linha com o aumento de casos e da incidência no país, também o número de internamentos cresceu. Nas últimas 24 horas, foram admitidas mais 25 pessoas em enfermaria e mais 5 nas unidades de cuidados intensivos.

Secretário regional de Saúde antecipa imunização até “final de julho” nos Açores

Clélio Meneses, que falava como convidado de honra, na noite de sábado, na sessão solene do 19.º aniversário da elevação das Lajes a vila, no concelho da Praia da Vitória, na ilha Terceira, reiterou que “o tempo presente é de esperança”.

FMI quer vacinação nos países carenciados paga por países ricos e farmacêuticas

Georgieva, que falou por videoconferência no plenário do encontro em Carbis Bay, no sudoeste de Inglaterra, no sábado, e vai voltar a intervir hoje, no último dia do encontro, manifestou-se “impressionada com a seriedade com que [os dirigentes do G7] têm abordado a questão de acabar com a pandemia em todo o mundo”.
Comentários