Combate à fraude requer estrutura, ferramentas e aposta na formação para a cidadania

Esta é a síntese das intervenções na “conferência sobre prevenção da fraude”, promovida pela Observatório Português de Compliance e Regulatório, que se realizou em Lisboa e que contou com o apoio do “Jornal Económico”.

Cristina Bernardo
Ler mais

O combate à fraude em Portugal necessita de estrutura e de mecanismos para ser mais eficaz, assim como de um reforço da formação para a cidadania, segundo as intervenções dos intervenientes na “conferência sobre prevenção da fraude”, promovida pelo Observatório Português de Compliance e Regulatório (OPCR), que se realizou esta quinta-feira, 24 de Junho, em Lisboa.

Esta iniciativa, que contou com o apoio do Jornal Económico, como media partner, teve como principais oradores Pedro Subtil, partner da consultora EY; Rute Serra, vice-presidente do Observatório de Economia e Gestão de Fraude; e Leonor Furtado, inspetora-geral das Atividades em Saúde.

Leonor Furtado insistiu na necessidade de uma mudança cultural, para que os cidadãos não pactuem com comportamentos fraudulentos, e definiu como necessidades para o combate antifraude a informação – análise de dados – e o reforço de comportamentos éticos.

A necessidade de formação foi também apontada por Pedro Subtil, que referiu, no entanto, que só este aspecto é insuficiente, defendendo, também, que as organizações se devem dotar de ferramentas de prevenção e combate antifraude e adotar boas práticas.

Rute Serra defendeu que, para se gerirem eficazmente problemas éticos, especialmente no setor público, é necessário atuar nas perspetivas da prevenção, monitorização e sanção.

“A primeira preocupação de um país que pugne por um serviço público íntegro e transparente deve ser criar uma infraestrutura ética no serviço público, robusta e eficaz”, disse.

Seguros e saúde em debate

A conferência incluiu a realização de três mesas redondas, uma sobre a fraude nos seguros, outra sobre a fraude na saúde e uma terceira sobre prevenção da fraude.

O OPCR foi constituído no ano passado, sob a liderança de Nuno Moraes Bastos (presidente) e Miguel Trindade Rocha (presidente executivo), com o objetivo de promover o conhecimento e a valorização social das atividades de compliance e regulatório, procurando definir padrões de qualidade para o exercício profissional dessas áreas. Junta especialistas do mundo do direito, da finança e das empresas.

Além da realização de conferências e outros eventos, a associação vai elaborar códigos de ética, recomendações e manuais de procedimentos, entre outras iniciativas previstas nos seus estatutos.

Relacionadas

Observatório promove conferência sobre prevenção da fraude

A conferência terá três mesas redondas, uma sobre a fraude nos seguros, outra sobre a fraude na saúde e uma terceira sobre prevenção da fraude. Iniciativa conta com o apoio do Jornal Económico.

“É difícil” analisar eficácia dos custos do combate à lavagem de dinheiro, alerta investigadora

Hanna Deleanu, da Universidade de Utrecht, esteve na 2ª conferência internacional sobre prevenção e deteção do branqueamento de capitais promovida pelo Observatório Português de Compliance e Regulatório. As estatísticas “não nos dizem se o dinheiro está a ser bem gasto ou não”, defende.
Recomendadas

“Ilegalidades” e “erros de facto”: Multa sobre controlo da PT gera acusações da Altice a Bruxelas

No final de abril, a Comissão Europeia decidiu aplicar uma multa de 125 milhões de euros à multinacional Altice por esta ter concretizado a compra da operadora PT Portugal antes da notificação ou do aval de Bruxelas, violando assim as regras comunitárias.

Ministro da Economia pela primeira vez no Modtissimo

Manuel Caldeira Cabral vai estar no mais antigo certame ibérico do setor, que este ano espera mais de 400 compradores internacionais.

Autoestradas nacionais: uma rede a funcionar ao contrário

Um estudo da Associação Comercial do Porto afirma que a rede é ineficiente, cara e não serve os propósitos da sua criação. O Governo parece estar de acordo.
Comentários