Comercialização de vinho generoso ‘Madeira’ aumentou em quantidade e valor

Em termos homólogos, as exportações para os países da União Europeia aumentaram 41% em volume e 38,8% em valor, a mesma tendência verificou-se nos países terceiros para os quais as vendas cresceram 47,5% em quantidade e 88,7% em receitas de primeira venda.

Os dados provenientes do Instituto do Vinho, do Bordado e do Artesanato da Madeira (IVBAM) e publicados na Direção Regional de Estatística da Madeira (DREM), mostram que a comercialização de vinho generoso “Madeira” rondou os 776 mil litros no terceiro trimestre de 2021. Isto traduz-se em receitas de primeira venda de 5,4 milhões de euros. Comparativamente ao período homólogo, registou-se um aumento de 46,2% na quantidade e de 69,9% no valor.

Em termos homólogos, as exportações para os países da União Europeia aumentaram 41% em volume e 38,8% em valor, a mesma tendência verificou-se nos países terceiros para os quais as vendas cresceram 47,5% em quantidade e 88,7% em receitas de primeira venda.

Da mesma forma, as vendas de vinho “Madeira” realizadas no conjunto do território nacional aumentaram tanto em volume, representando um crescimento de 69,1%, como em valor, crescendo 97,2%.

Por sua vez, as vendas no mercado regional, cresceram 381,4% em volume e 219,3% em valor.

Contrariamente, o mercado continental registou um desempenho negativo, com decréscimos em volume e em valor, de 68,5% e 51,4% respetivamente.

Analisando a informação dos primeiros nove meses de 2021, observa-se que tanto a quantidade comercializada como o valor de primeira venda apresentaram variações homólogas positivas de 15,1% e de 29,9% respetivamente.

Este aumento nas quantidades foi transversal a todos os mercados: o comunitário cresceu 11%, o extracomunitário 25,1% e o nacional 8,3%. Quanto ao valor de primeira venda, registaram-se igualmente aumentos em todos os mercados: no comunitário, de 19,1%, no extracomunitário, de 42,4%, e no nacional, de 23,7%.

Nos primeiros nove meses do ano, e por comparação com o mesmo período de 2020, é de realçar o crescimento nas vendas para a Holanda, com mais 68,2% nas quantidades e mais 42,6% em valor, para a Dinamarca, com mais 62,2% em volume e mais 66,2% em receitas de primeira venda, e para os Estados Unidos da América, com mais 54,2% nas quantidades e mais 77,1% em valor.

Em sentido contrário, destacam-se as reduções de vendas verificadas no mercados chinês, com menos 10,1% em quantidade e menos 17,3% em valor, e no mercado sueco, com menos 9,4% em quantidade e menos 11,7% em valor.

Apesar do crescimento face a 2020 em termos acumulados, ou seja, de janeiro a setembro, a comparação com o mesmo período de 2019 mostra que se está ligeiramente aquém dos valores deste ano em termos de quantidades comercializadas, com menos 4,7%, mas já acima no que respeita ao valor, com um aumento de 3,3%.

Recomendadas
Pedro Calado

Pedro Calado participa em corrida em prol dos direitos das crianças

O sociólogo e atleta português João Félix já realizou várias corridas este ano por todo o país com o intuito de sensibilizar para os direitos das crianças.

Madeira: Câmara da Ponta do Sol aprova Orçamento para 2022 de 7,5 milhões de euros

Após ser aprovado com maioria em reunião de Câmara, com votos favoráveis do PS e abstenção do PSD, o documento segue agora para votação na Assembleia Municipal, a realizar- se no dia 9 de dezembro. 

Idade da reforma poderá baixar para 66 anos em 2024

Aumento da mortalidade provocado pela pandemia de Covid-19 está a reduzir a esperança média de vida em Portugal, pelo que a idade média da reforma vai baixar para 66 anos e quatro meses em 2023. No ano seguinte, em 2024, deverá baixar ainda mais, para 66 anos, interrompendo uma trajetória de subida que se verificava desde 2014.
Comentários