Comércio eletrónico em Portugal cresce 17%. Mulheres de centros urbanos, com idades entre os 25 e 44 anos são quem mais compra online

Mulheres de centros urbanos, com idades compreendidas entre os 25 e 44 anos, provenientes da classe social média alta. Este é o perfil do maior consumidor de bens online em Portugal.

O e-commerce, ou comércio eletrónico, em Portugal tem crescido rapidamente. Só no ano passado verificou-se um crescimento de 17%, alcançando um valor total de cinco mil milhões de euros, indica o relatório ‘CTT e-Commerce 2019’, divulgado esta sexta-feira, 8 de novembro.

Uma das principais conclusões do estudo é que existem cada vez mais portugueses a realizar compras online. Segundo o relatório, 46% dos portugueses realizaram uma compra na internet durante o ano passado, observando-se um aumento de 10% em comparação com 2017. Assim, Portugal aproxima-se da média dos países do sul da Europa, que se situa em 47%, embora o mercado espanhol seja o que se destaca mais em termos de crescimento.

Além do número de portugueses a realizar compras online, também o número de compras de produtos aumentou. Em 2018 verificaram-se 13,8 compras anuais, um aumento de 14% em relação ao ano anterior, sendo que também se verificou um aumento da frequência com que se realizam compras.

“As conclusões do relatório mostram bem o crescimento do comércio eletrónico em Portugal, que assume um papel cada vez mais relevante nos hábitos de compra dos portugueses”, explicou Alberto Pimenta, diretor de e-commerce dos CTT. “Os CTT querem continuar a liderar o crescimento deste segmento, em colaboração com startups e outras empresas e lançando soluções inovadoras que propiciem uma excelente experiência de compra”, rematou.

Mas qual o perfil do consumidor online?

O relatório indica que o perfil do consumidor português se caracteriza por ser predominante feminino, com uma presença de compras de 51,5%, concentrando-se entre os 25 e 44 anos, com uma percentagem de 66%, seguido pelos mais jovens, com uma percentagem de 23%.

Sabe-se ainda que este perfil de consumidor online se concentra nos centro urbanos como Lisboa e Porto, sendo oriundos da classe social média alta, com 81%, e de classe média, com 77%. Relativamente à origem das compras, os portugueses continuam a preferir que as suas encomendas cheguem da China, com 70% de preferência, seguindo-se Espanha e o Reino Unido.

smartphone é o canal preferido onde ocorre o pedido da encomenda, com 86% dos inquiridos a realizar pesquisa de artigos que mais tarde encomendam e 80% preferem realizar o pagamento por smartphone. Assim, o relatório sustenta ainda que o preço é um dos maiores atrativos que leva à compra online, face às promoções que se realizam nas lojas físicas.

Como as rotinas podem ser facilmente alteradas devido a imprevistos, a maioria dos entrevistados privilegia a previsibilidade da entrega em termos de horário (52% em dia e 47% em hora), do que o tempo em que a encomenda demora a chegar ao destino (39%).

Ler mais
Relacionadas

CTT duplicam lucros nos primeiros nove meses do ano para 22,9 milhões de euros

“Os resultados agora revelados mostram que as apostas estratégicas da empresa estão a dar frutos, levando ao crescimento dos principais indicadores económico-financeiros”, afirma o presidente executivo dos Correios de Portugal, João Bento.

PremiumA vida das cartas e encomendas até chegarem às suas mãos

Em julho deste ano, o correio ainda representava 68% dos rendimentos dos CTT. Cabo Ruivo é um dos principais centros de comando desta unidade de negócio. Por ali passam diariamente mais de dois milhões de objetos, trabalham 580 colaboradores e acolhe 100 veículos que percorrem 13 mil quilómetros.
Recomendadas

PremiumDeloitte vai quase duplicar soluções na “App Store fiscal”

Os programadores da consultora irão, até ao final do ano, desenvolver mais aplicações móveis para automatizar os processos fiscais das empresas.

Estado teria que comprar participação dos privados na TAP para alterar remunerações

Uma auditoria do Tribunal de Contas refere que se a Parpública exercer a opção de compra, “comprará as ações da Atlantic Gateway pelo preço resultante de uma avaliação independente acrescido de 20%”.

PremiumVenda do BNI Europa aguarda fecho das contas de 2019

Negócio deverá ficar fechado no primeiro trimestre de 2020. O banco apesenta contas anuais em março.
Comentários