Comércio eletrónico poderá representar 12% das vendas de bens de grande consumo em 2022

Novo estudo revela que Portugal poderá alcançar 430 milhões de dólares em receita através do comércio electrónico, sendo assim responsável por 1,6% das vendas de bens de grande consumo.

O comércio eletróncio deverá representar entre 10% a 12% das vendas de bens de grande consumo – artigos de consumo doméstico mais vendidos – em 2022, segundo o estudo “Future Opportunities in FMCG E-Commerce”, da empresa de pesquisa de informação Nielsen, divulgado esta quarta-feira, 7 de novembro.

Estima-se que as vendas globais de e-commerce atinjam os 400 mil milhões de dólares (cerca de 458.085 mil milhões de euros) em 2022, sendo responsáveis por 10% a 12% das vendas deste setor. A China e os Estados-Unidos serão as duas grandes referências globais, agregando 60% do total.

Em Portugal, antecipa-se que o comércio eletrónico alcance aproximadamente os 430 milhões de dólares (cerca de 492.442 milhões de euros) no mesmo período e que represente cerca de 1,6% das vendas.

“Mesmo passando grande parte do seu dia conectados à Internet, a atividade virtual dos portugueses não inclui ainda de forma significativa um ato tão quotidiano como o de fazer compras. Atualmente, menos de 1% das vendas de produtos de grande consumo são online”, refere Mafalda Silva Ferreira, Client Development Senior, da Nielsen.

No entanto, segundo este relatório, 66% dos portugueses afirmam estar dispostos a fazer mais encomendas online com entregas ao domicílio e 63% mostram-se disponíveis para experimentar a opção de encomendar online e fazer a recolha em loja, o que demonstra que o consumidor está, preparado para fazer mais compras.

Através do estudo realizado em 34 países, a Nielsen prevê que, entre 2017 e 2022, o comércio eletrónico dos bens de grande consumo apresente um crescimento mundial quatro vezes superior ao verificado, tanto nos canais offline como no PIB.

Ler mais
Recomendadas

Vendas da Jerónimo Martins crescem para 17,3 mil milhões e quase três quartos vêm lá de fora

Em 2018, as receitas conseguidas com os mercados internacionais pesaram cerca de 72% no total da faturação da Jerónimo Martins e totalizaram cerca de 12.500 milhões de euros.

CTT respondem à Anacom e garantem ter um posto em cada concelho

“Os CTT reafirmam que estão presentes em todos os concelhos do país”, indicam em comunicado”, especificando que “mantêm pelo menos um Ponto CTT (Loja ou posto de correio) em todos os concelhos do País”, lê-se em comunicado.

Quem na distribuição já se converteu à Inteligência Artificial?

O estudo da Capgemini examinou 400 empresas do sector da distribuição que têm casos de utilização de IA em vários estágios de maturidade.
Comentários