Comércio eletrónico vale mais de 600 mil milhões de euros na Europa

O e-commerce tem maior expressão na Europa Ocidental “com aproximadamente 68% do total do volume de negócios”, refere ainda o estudo, que adianta que “isto pode ser explicado por diversos fatores como a elevada penetração da Internet, o elevado nível de confiança dos consumidores e a familiaridade com as compras online”.

O comércio eletrónico europeu vale 602 mil milhões de euros e deverá crescer 13% este ano, face a 2017, segundo o relatório European B2C Ecommerce Report 2018, citado por uma análise do Porto Business School (PBS), que avaliou as tendências do e-commerce. Neste setor, os três principais players são o Aliexpress, a Amazon e o eBay.

O e-commerce tem maior expressão na Europa Ocidental “com aproximadamente 68% do total do volume de negócios”, refere ainda o estudo, que adianta que “isto pode ser explicado por diversos fatores como a elevada penetração da Internet, o elevado nível de confiança dos consumidores e a familiaridade com as compras online”.

O sul, o norte e o leste da Europa têm uma participação menor de 12%, 8% e 6%, respetivamente; no entanto, são regiões que registam o crescimento mais rápido – só no ano passado, a Roménia cresceu 37%.

O Reino Unido continua a ser o maior mercado de e-commerce (representa 178 mil milhões de euros e regista também o valor mais elevado no que diz respeito ao volume de negócios do e-commerce/PIB, com uma taxa prevista de 8% para 2018), seguido da França ( 93,2 mil milhões de euros) e da Alemanha (93 mil milhões de euros), revela o relatório europeu que avaliou as tendências do e-commerce.

“A Alemanha, o Luxemburgo, a Holanda e a Suécia destacam-se entre os países europeus com melhor desempenho na logística e integração do e-commerce, de acordo com o Índice de Desempenho Logístico do Banco Mundial”, citado pela PBS.

A maioria dos consumidores gasta, em média, entre 100 e 499 euros em compras online. “Os produtos mais comprados são roupas e artigos desportivos, seguidos de produtos relacionados com media e software de computadores, viagens e alojamento de férias.

Cerca de 38% dos consumidores compraram fora do país em 2017, “com os portugueses e os macedónios a apresentarem uma maior propensão para a compra online com uma taxa de 85%, contrastando com outros países como a Turquia (2%), a Roménia (3%) e a Polónia (6%). Entre as principais reclamações dos consumidores estão a velocidade de entrega (17%) e as falhas técnicas (13%)”.

Na opinião de Christian Verschueren, diretor-geral da EuroCommerce, citado pelo estudo da PBS, os dados mostram como o crescimento das vendas online está a impulsionar e a responder às mudanças de comportamento de compra do consumidor. “Nos mercados em que essa tendência ainda é lenta, podem ser feitos progressos se houver um maior investimento na infraestrutura logística e de comunicações, para que o e-commerce possa funcionar efetivamente e prosperar. Continuaremos a fazer pressão para que exista um regime regulatório que crie as condições adequadas para o crescimento em todos os canais de vendas e ajude a União Europeia a competir globalmente na inovação no retalho”, pode ler-se no relatório.

A EuroCommerce é a principal organização europeia do setor, que representa mais de seis milhões de empresas de retalho, vendas e outras empresas de comércio, incluindo federações nacionais de comércio em 31 países e as 27 principais empresas de retalho da Europa.

Ler mais

Recomendadas

Presidente da República exige maior controlo da legalidade na contratação pública

“É naturalmente compreensível – e até desejável – a necessidade de simplificação e de aperfeiçoamento de procedimentos em matéria de contratação pública que possam, com rigor, implicar a melhoria das condições de vida dos portugueses e permitir flexibilizar a atribuição e a alocação dos referidos fundos”, salientou Marcelo Rebelo de Sousa.

Presidente da República veta diploma que altera regras de contratação pública

Este veto do chefe de Estado foi divulgado no portal da Presidência da República.

Natal e passagem de ano: estas são as 14 regras que vão vigorar

Restaurantes abertos até à uma da manhã nas noites de natal e de passagem de ano, e natal sem interdição de circulação entre concelhos são algumas da medidas que vão vigorar durante a época festiva. Governo avalia medidas a 18 de dezembro à luz da evolução da pandemia da Covid-19.
Comentários