Comissão de trabalhadores da CP exige reintegração da EMEF

A comissão de trabalhadores da CP escreveu uma carta aberta ao ministro das Infraestruturas, Pedro Nuno Santos, alertando para a possibilidade de “um acidente com consequências trágicas”.

A comissão de trabalhadores da CP escreveu uma carta aberta ao ministro das Infraestruturas, Pedro Nuno Santos, a integração da EMEF na transportadora ferroviária nacional.

“Não podemos esperar Sr. Ministro, por um acidente com consequências trágicas. Nem o senhor, nem nós, ferroviários. O diagnóstico está há muito feito: são necessários mais trabalhadores, são necessárias mais peças e equipamentos nos armazéns da EMEF; é necessária a reintegração imediata da EMEF na CP e na sequência desta última, é igualmente urgente a reconstrução da Direção de Engenharia da CP”, defende a referida carta aberta da comissão de trabalhadores da CP.

A comissão de trabalhadores da CP entende que existe uma “crescente degradação do serviço ferroviário que prestamos”, pelo que “insistimos que só a reintegração da EMEF na CP, aligeirando a cadeia de comendo que vai do saber técnico aqui sedimentado ao saber oficinal e de produção da EMEF, poderá garantir à CP a disponibilidade , fiabilidade e segurança do seu material circulante e com isto assegurar o cumprimento do Serviço Público Ferroviário que almejamos, o Senhor Ministro e nós”.

“Mais acrescentamos que esta solução representaria ainda um enorme ganho económico, mesmo atendendo aos ajustamentos salariais decorrentes desta integração. É que duas empresas umbilicalmente ligadas não podem funcionar como se tratassem de ‘cliente’ e ‘fornecedor’ num mercado aberto e concorrencial. Como está  hoje patente, o crescente lucro da EMEF não se faz só à conta do ‘prejuízo’ da CP. Muito mais grave do que isso, faz-se à conta da crescente indisponibilidade  do material circulante da CP, da degradação das condições de segurança e da qualidade do serviço”.

Sobre esta questão, a comissão pedia ainda ao ministro das Infraestruturas, Pedro Nuno Santos que “actue com celeridade”.

Recomendadas

Luságua aposta na telegestão para aumentar eficiência

Com esta tecnologia de permanente monitorização que visa “a possibilidade de prever futuros problemas”, a Luságua assume um papel de salvaguarda das empresas que têm como objetivo “otimizar gastos de exploração”.

“Garra Vimaranense” guia estratégia de captação de turismo

A estratégia apresentada pela Câmara Municipal de Guimarães concretiza-se através de três programas principais, 12 projetos e 48 subprojetos que envolverão toda a população vimaranense.

UTAO: Novo Banco atira défice para 0,8% do PIB no 1.º semestre

O valor estimado pela UTAO para o semestre fica aquém da meta do Governo para o conjunto do ano, de 0,2% do PIB, “sem, contudo, colocar em causa o seu cumprimento”, consideram os técnicos do parlamento.
Comentários