Comissão de trabalhadores da CP exige reintegração da EMEF

A comissão de trabalhadores da CP escreveu uma carta aberta ao ministro das Infraestruturas, Pedro Nuno Santos, alertando para a possibilidade de “um acidente com consequências trágicas”.

A comissão de trabalhadores da CP escreveu uma carta aberta ao ministro das Infraestruturas, Pedro Nuno Santos, a integração da EMEF na transportadora ferroviária nacional.

“Não podemos esperar Sr. Ministro, por um acidente com consequências trágicas. Nem o senhor, nem nós, ferroviários. O diagnóstico está há muito feito: são necessários mais trabalhadores, são necessárias mais peças e equipamentos nos armazéns da EMEF; é necessária a reintegração imediata da EMEF na CP e na sequência desta última, é igualmente urgente a reconstrução da Direção de Engenharia da CP”, defende a referida carta aberta da comissão de trabalhadores da CP.

A comissão de trabalhadores da CP entende que existe uma “crescente degradação do serviço ferroviário que prestamos”, pelo que “insistimos que só a reintegração da EMEF na CP, aligeirando a cadeia de comendo que vai do saber técnico aqui sedimentado ao saber oficinal e de produção da EMEF, poderá garantir à CP a disponibilidade , fiabilidade e segurança do seu material circulante e com isto assegurar o cumprimento do Serviço Público Ferroviário que almejamos, o Senhor Ministro e nós”.

“Mais acrescentamos que esta solução representaria ainda um enorme ganho económico, mesmo atendendo aos ajustamentos salariais decorrentes desta integração. É que duas empresas umbilicalmente ligadas não podem funcionar como se tratassem de ‘cliente’ e ‘fornecedor’ num mercado aberto e concorrencial. Como está  hoje patente, o crescente lucro da EMEF não se faz só à conta do ‘prejuízo’ da CP. Muito mais grave do que isso, faz-se à conta da crescente indisponibilidade  do material circulante da CP, da degradação das condições de segurança e da qualidade do serviço”.

Sobre esta questão, a comissão pedia ainda ao ministro das Infraestruturas, Pedro Nuno Santos que “actue com celeridade”.

Recomendadas

Constâncio volta à mira dos deputados com omissões sobre créditos a Berardo debaixo de fogo

Ex-governador do Banco de Portugal volta a ser inquirido pelos deputados esta terça-feira, depois de notícias de que teve conhecimento prévio do financiamento da Caixa Geral de Depósitos a Joe Berardo para comprar ações do BCP, informação que terá omitido na primeira audição. Vítor Constâncio já negou que tenha tido um papel preponderante neste crédito, que se revelaria ruinoso para o banco público.

Respostas Rápidas: Como o Novo Banco registou perdas de 1.869 milhões em 2018 com os ativos do mecanismo

O Fundo de Resolução explica as dúvidas sobre o Mecanismo de Capitalização Contingente usado para recapitalizar o Novo Banco. O valor a pagar ao abrigo do CCA em 2019 e referente ao ano 2018, de 1.149 milhões, resulta da comparação entre o valor acumulado das perdas nos ativos CCA e o valor da insuficiência de capital do banco face aos níveis acordados. O valor acumulado das perdas era maior: 1.870 milhões depois do pagamento de 792 milhões pelo Fundo em 2018.

Prazo para subscrever às “Obrigações TAP 2019-2023” termina esta terça-feira

Com este empréstimo obrigacionista lançado no dia 3 de junho, a TAP pretende levantar 200 milhões de euros. As obrigações têm uma maturidade de quatros anos e oferecem uma rentabilidade de 4,375% por ano. Os resultados da operação serão conhecidos esta quarta-feira, dia 19.
Comentários