Comissão Europeia aprova criação de ‘joint venture’ entre EDP Renováveis e Engie para projetos eólicos

A criação da joint-venture entre as duas energéticas foi anunciada em janeiro. Nessa altura, a empresa liderada por João Manso Neto firmou um acordo com a Engie para criar “uma joint venture comparticipada a 50/50”, isto é, de forma equitativa, para “energia eólica offshore fixa e flutuante”. Esta quarta-feira, recebeu o aval de Bruxelas.

Cristina Bernardo

A criação de uma joint venture entre a EDP Renováveis e a francesa Engie foi aprovada esta quarta-feira pela Comissão Europeia. Em comunicado, o executivo comunitário deu ‘luz verde’ à parceria para projetos de energia eólica offshore entre ambas as empresa.

“A Comissão concluiu que a concentração proposta não suscita preocupações em matéria de concorrência devido ao seu impacto limitado no mercado”, lê-se no comunicado. A concentração a que a Comissão Europeia se refere é a aquisição da empresa EDPR Offshore España, “uma filial do grupo EDP ativa em atividades de parques eólicos offshore em todo o mundo”, pela EDP Renováveis e pela francesa Engie.

“A operação foi examinada no âmbito do procedimento normal de controlo das operações de concentração de empresas”, isto é, ao abrigo do regulamento das concentrações da União Europeia, garantiu Bruxelas.

A criação da joint-venture entre as duas energéticas foi anunciada em janeiro. Nessa altura, a empresa liderada por João Manso Neto firmou um acordo com a Engie para criar “uma joint venture comparticipada a 50/50”, isto é, de forma equitativa, para “energia eólica offshore fixa e flutuante”.

“A EDP Renováveis e a Engie vão combinar os seus ativos eólicos offshore e o pipeline [orientação] de projetos nesta nova entidade, começando com 1,5 GW [gigawatt] em construção e 3,7 GW em desenvolvimento”, garantira a subsidiária do grupo EDP em janeiro.

Recomendadas

Volkswagen rejeita mais estímulos para a indústria automóvel

Presidente executivo do grupo Volkswagen rejeita mais estímulos ou apoios dos países à indústria automóvel, depois de ter registado uma recuperação acima do esperado em setembro. Volkswagen exerceu um “forte lobby” na Alemanha para garantir apoios do Estado no início da pandemia, segundo o “Financial Times”.

Lucros do banco polaco do BCP afundam 70% no terceiro trimestre

O banco realizou provisões relacionadas com os riscos da Covid-19 de 15,7 milhões de euros.

Topo da agenda: o que vai marcar a atualidade esta terça-feira

O Banco de Portugal publica o inquérito aos bancos sobre o mercado de crédito, indicando dados sobre a oferta e a procura de empréstimos a empresas e a particulares sobre o terceiro trimestre deste ano.
Comentários