Comissão Europeia aprova criação de ‘joint venture’ entre EDP Renováveis e Engie para projetos eólicos

A criação da joint-venture entre as duas energéticas foi anunciada em janeiro. Nessa altura, a empresa liderada por João Manso Neto firmou um acordo com a Engie para criar “uma joint venture comparticipada a 50/50”, isto é, de forma equitativa, para “energia eólica offshore fixa e flutuante”. Esta quarta-feira, recebeu o aval de Bruxelas.

Cristina Bernardo

A criação de uma joint venture entre a EDP Renováveis e a francesa Engie foi aprovada esta quarta-feira pela Comissão Europeia. Em comunicado, o executivo comunitário deu ‘luz verde’ à parceria para projetos de energia eólica offshore entre ambas as empresa.

“A Comissão concluiu que a concentração proposta não suscita preocupações em matéria de concorrência devido ao seu impacto limitado no mercado”, lê-se no comunicado. A concentração a que a Comissão Europeia se refere é a aquisição da empresa EDPR Offshore España, “uma filial do grupo EDP ativa em atividades de parques eólicos offshore em todo o mundo”, pela EDP Renováveis e pela francesa Engie.

“A operação foi examinada no âmbito do procedimento normal de controlo das operações de concentração de empresas”, isto é, ao abrigo do regulamento das concentrações da União Europeia, garantiu Bruxelas.

A criação da joint-venture entre as duas energéticas foi anunciada em janeiro. Nessa altura, a empresa liderada por João Manso Neto firmou um acordo com a Engie para criar “uma joint venture comparticipada a 50/50”, isto é, de forma equitativa, para “energia eólica offshore fixa e flutuante”.

“A EDP Renováveis e a Engie vão combinar os seus ativos eólicos offshore e o pipeline [orientação] de projetos nesta nova entidade, começando com 1,5 GW [gigawatt] em construção e 3,7 GW em desenvolvimento”, garantira a subsidiária do grupo EDP em janeiro.

Recomendadas

Crédito às empresas recua em outubro

Em setembro, stock de empréstimos às empresas tinha atingido o máximo desde junho de 2018, ao situar-se perto dos 72.149 milhões de euros.

Nearshoring vai crescer acima dos 10% em 2021

A exportação de serviços nos contact centers deverá crescer acima dos 10% em 2021 e por isso bem acima da média nacional, segundo conclui a Associação Portuguesa de Contact Centers (APCC).

DBRS alerta: Impasse político em Portugal cria incerteza no capital do Novo Banco

“Esta notícia foi inesperada e representa desafios para o Novo Banco, pois cria incerteza para o capital do banco e o plano de redução de riscos em andamento, além de aumentar o potencial de litígio”, refere a agência de rating.
Comentários