Comissão Europeia avalia livre circulação no espaço Schengen devido ao coronavírus

A hipótese de levantar restrições à livre circulação no espaço Schengen surgiu depois de o número de infeções por coronavírus ter disparado em Itália. A Itália é o país da Europa com mais infeções e o quarto a nível mundial, contando já com 130 casos confirmados e quatro mortos.

O número de casos confirmados com coronavírus já subiu para 79.360 pessoas infetadas, sendo que o número de mortos ascende já a 2.619  e, por isso, a comissária europeia para a saúde, Stella Kyriakides, admitiu esta segunda-feira restrições à livre circulação no espaço Schengen, mas esse cenário teria de ser proporcional à realidade e teria de ser coordenado entre todos os Estados-membros da União Europeia (UE).

A hipótese de levantar restrições à livre circulação no espaço Schengen surgiu depois de o número de infeções por coronavírus ter disparado em Itália. A Itália é o país da Europa com mais infeções e o quarto a nível mundial, contando já com 130 casos confirmados e quatro mortos.

“Atualmente, a Organização Mundial de Saúde [OMS] não aconselhou restrições a viagens ou comércio”, disse Kyriakides, contudo, citada pela Reuters. Segundo a comissária europeia para a saúde, uma delegação da OMS vai para Itália na terça-feira para avaliar a situação.

Os casos em Itália estão para já circunscritos a regiões do norte do país: Lombardia, Veneto, Emília, Romanha, Piemonte e Lácio. A situação transalpina está a ser acompanhada com atenção pelos países limítrofes, designadamente Áustria, Suíça e França, tendo já sido tomadas por estes medidas de vigilância.

Nada está decidido sobre limitar a livre circulação entre os países da União Europeia que constituem o espaço Schengen, sendo que para a UE possíveis restrições devem ser proporcionais à situação real e coordenadas entre todos os estados-membros.

A situação relativa ao coronavírus é preocupante, apesar de se contarem 25.077 casos de pessoas que estavam infetadas e recuperaram. O número de casos de contágio por coronavírus fora da China aumentou durante o fim-de-semana, em particular no Japão, Coreia do Sul, Irão e Itália. Além da situação vivida em Itália, na Coreia do Sul o número de casos confirmados é de 763.

Ler mais
Relacionadas

Coronavírus: confirmada quinta vítima mortal em Itália

Foi confirmada a quinta vítima mortal em território italiano. Trata-se de um homem de 88 anos da região da Lombardia, a sul de milão, onde já foram confirmados mais de 200 casos de infeção.

Refúgio em tempo de coronavírus: preço do ouro atinge máximos de sete anos

O preço de uma onça de ouro, para entrega em abril, sobe 2,12% para 1.683 dólares, um nível tocado pela última vez em fevereiro de 2013.

Estado de saúde de português retido em navio piorou: “tem mais febre, frio, dor e está mais abatido”

“A situação dele é pior. Tem mais febre, frio, dor e está mais abatido”, disse a mulher, Emmanuelle Maranhão, em declarações à Lusa.
Recomendadas

União Europeia apela aos Estados Unidos que “reconsiderem” decisão de sair da OMS

“A cooperação global e a solidariedade, através de esforços multilaterais, são as únicas vias eficazes e viáveis ​​para vencer esta batalha que o mundo está a enfrentar”, garantem Ursula von der Leyen e o vice-presidente da Comissão Europeia Josep Borrell.

Merkel rejeita convite de Trump para comparecer na cimeira do G7

Depois de ter cancelado a cimeira do G7, marcada para 11 e 12 de junho, em Camp David, o Presidente norte-americano disse há uma semana que estava a considerar organizar uma reunião de líderes, porque seria “um excelente sinal para todos” para um regresso ao normal durante a pandemia.

Construtoras portuguesas limitam empresas chinesas em Angola, diz Fitch

Entre as empresas portuguesas e brasileiras analisadas pela Fitch, a Mota Engil e a Odebrecht destacam-se, com a empresa portuguesa “a ter seis das sete principais obras no país, enquanto a Odebrecht representa 60% das maiores construções brasileiras em Angola”.
Comentários