Comissão Europeia multou Qualcomm em 242 milhões de euros

Segundo os responsáveis de Bruxelas, a Qualcomm vendeu a um preço abaixo do custo, com o objetivo de forçar a sua concorrente Icera a sair do mercado, o que é ilegal nos termos das regras de concorrência da UE.

A Comissão Europeia multou a empresa norte-americana Qualcomm em 242 milhões de euros por abuso da sua posição dominante no mercado de circuitos integrados de banda de base 3G.

Segundo os responsáveis de Bruxelas, “a Qualcomm vendeu a um preço abaixo do custo, com o objetivo de forçar a sua concorrente Icera a sair do mercado, o que é ilegal nos termos das regras de concorrência da UE”.

A este propósito, a comissária europeia para a Concorrência, Margrethe Vestager, defendeu que “os circuitos integrados de banda de base são componentes chave para os aparelhos móveis possam ligar-se à internet”.

“A Qualcomm vendeu estes produtos a um preço abaixo do custo para clientes chave com a intenção de eliminar um competidor. O comportamento estratégico da Qualcomm travou a concorrência e a inovação neste mercado, e limitou a escolha disponível aos consumidores num setor com uma grande procura e potencial para tecnologias inovadoras”. Como isto é ilegal de acordo com leis anti-cartel da UE, decidimos hoje multar a Qualcomm 242 milhões de euros”, explicou Margrethe Vestager.

 

Recomendadas

Navigator nomeia dois novos administradores executivos

João Paulo Cabete Lé e Adriano Agusto Silveira são os novos administradores executivos no mandato do quadriénio em curso, com efeitos a 1 de Janeiro de 2020.

Jorge Calvete é o administrador judicial da Orey Antunes que pediu um PER

O prazo para a reclamação de créditos, começa a correr a partir da data da publicação do anúncio no Portal Citius, ou seja, 10 de dezembro de 2019. Os prazos são contínuos, não se suspendendo durante as férias judiciais.

Bankinter e COSEC assinam protocolo de distribuição de seguro de créditos

O objetivo é permitir às empresas a gestão do risco de crédito em condições mais seguras, cobrindo os prejuízos decorrentes do não pagamento das vendas a crédito de bens e serviços em Portugal e no estrangeiro.
Comentários