Comissão Europeia quer acabar com moedas de um e de dois cêntimos de euro

Bruxelas prevê poupar assim 1,4 mil milhões de euros. Moedas de um e de dois cêntimos pesam 48% no total das moedas de euro em circulação. Comissão quer criar regras para impedir retalhistas de puxarem os preços para cima à boleia desta alteração.

A Comissão Europeia quer acabar com as moedas de um e de dois cêntimos de euro. A proposta vai ser apresentada e adotada pela comissão liderada por Ursula von der Leyen na quarta-feira , revelam o Süddeutsche Zeitung e o Politico que tiveram acesso a esta proposta.

A medida consta no plano entre as iniciativas com o objetivo de reduzir a burocracia: “Proposta para regras de arredondamento uniforme”, cujo objetivo é eliminar as moedas de um e de dois cêntimos.

Bruxelas prevê poupar assim 1,4 mil milhões de euros, segundo contas feitas em 2013, ao deixar de cunhar estas moedas para os agora 19 países que pertencem à zona euro (em 2013 eram 17).

No total existem 126 mil milhões de moedas de euro em circulação na União Europeia, com as moedas de um e de dois cêntimos pesam 48% no total, correspondendo a 61 mil milhões de moedas com este valor. Em média, cada cidadão da União Europeia detém 181 destas moedas.

De forma a mitigar o fim destas moedas, uma das possibilidades poderá ser o arredondamento, para cima ou para baixo, para o múltiplo de cinco. A Bélgica, por exemplo, introduziu esta regra desde o início deste ano.

A Comissão quer também criar regras para impedir que os retalhistas aumentem os seus preços quando a medida for introduzida, aponta o Politico.

Um eurodeputado alemão já veio a público criticar a medida. “O que a Comissão está a planear sob o nome inocente de ‘regras de arrendondamento uniforme’ devem fazer soar os alarmes”, disse o deputado Markus Ferber do CSU, partido de Angela Merkel no estado da Baviera, ao Süddeutsche Zeitung.

Ler mais

Recomendadas

Covid-19. 50 ventiladores e mais material médico encomandados pela EDP devem chegar esta semana

“Conseguir o material mais crítico nesta luta de todos contra a pandemia foi possível pelo nosso compromisso e pelo apoio decisivo da China Three Gorges e da embaixada portuguesa na China”, disse António Mexia, CEO da EDP, em comunicado.

Oxford Economics estima recessão de 2,2% na zona euro e estagnação mundial

“A pandemia do novo coronavírus vai infligir uma profunda recessão na economia mundial, e em muitas das principais economias, durante a primeira metade deste ano”, lê-se numa nota enviada aos investidores, e a que a Lusa teve acesso, na qual se prevê que a zona euro caia 2,2%, os Estados Unidos 0,2% e a China cresça apenas 1%.

Pais apoiam solução da escola por TV Cabo mas querem mais medidas

“Este pode ser um instrumento que ajuda a minimizar as diferenças e desigualdades entre escolas e famílias, mas não vale o problema de interação entre o professor e o aluno, que precisa de ‘feedback’ para assuntos que não percebeu ou para problemas que resolveu”, disse à Lusa Jorge Ascenção, presidente da Federação Nacional das Associações de Pais (Confap).
Comentários