Comissão Europeia recusa explicar venda do Banco Popular

Expansión noticia que Bruxelas justifica recusa de informação aos investidores do banco espanhol com a necessidade de “proteger o comprador e o sistema financeiro da UE”.

A Comissão Europeia recusou explicar aos investidores do Banco Popular a medida de resolução que levou á venda do banco, alegando que a decisão protege o banco comprador e o sistema financeiro da União Europeia, noticia o jornal Expansión.

O jornal espanhol afirma que teve a acesso a um documento em que Bruxelas se recusa a fornecer a informação solicitada pelas pessoas afectadas, com a justificação de  “não prejudicar os interesses comerciais do Santander” e “proteger a estabilidade financeira da zona do euro”.

Os investidores pediram acesso a um relatório da Deloitte, ao relatório completo do Banco Central Europeu (BCE), à decisão do conselho de resolução único (JUR) e de um relatório sobre os ativos da JUR, adianta o jornal.

“A publicação desses documentos pode prejudicar os interesses comerciais do Santander e os seus acionistas. Os dados financeiros acima mencionados, em particular, a informação sobre a posição do Popular no mercado, bem como informações sobre seus ativos e passivos, constituem informações financeiras cuja divulgação é sensível. A divulgação desta informação neste momento poderia prejudicar a proteção dos legítimos interesses comerciais do Santander em relação à sua posição competitiva no mercado bancário”, diz um documento da Direção Geral de Estabilidade Financeira, Serviços Financeiros e Mercados de Capitais da União Europeia, assinado por Olivier Guersent.

Além disso, “a publicação destes textos completos no presente momento pode prejudicar a proteção do interesse público no que diz respeito à política financeira e económica da UE. Os documentos em causa contêm dados financeiros muito sensíveis e a sua divulgação poderia conduzir a reacções adversas do mercado, comprometendo a estabilidade financeira da União”.

“A sua divulgação pública poderia ter efeitos indirectos que afectariam a situação financeira de outras instituições de crédito da União”, considera.

A sociedade de advogados que viu negado o pedido de informações sobre a resolução do banco, vai pedir a reconsideração de decisão da Comissão Europeia e, se necessário, afirma que apelará da decisão Tribunal de Justiça da UE.

 

Ler mais
Recomendadas

Isabel dos Santos deve mais de 500 milhões de euros à banca

O regulador bancário já terá pedido a todas as instituições uma atualização sobre os financiamentos, assim como aos auditores externos para verificarem a adequação dos níveis de imparidades, noticia o “Expresso”. “Correio da Manhã” revela que CGD e BCP concentram os valores mais elevados dos empréstimos.

‘Rebranding’ ao fim de 293 anos. Royal Bank of Scotland muda de nome

Alison Rose afirmou que este é o momento certo para fazer uma mudança e alterar o nome do RBS, que já data 293 anos. No entanto, as agências bancárias, como o Ulster Bank, na Irlanda do Norte, do RBS vão manter o nome.
Revolut

Revolut passa a estar disponível na aplicação Dabox

Os utilizadores – independentemente de serem ou não clientes da Caixa Geral de Depósitos – conseguem agora agregar a sua conta na fintech britânica à ‘app’ da CGD.
Comentários