Comissão parlamentar pede à ministra da Cultura auditoria à RTP sobre alienação de terrenos

A comissão parlamentar de Cultura e Comunicação deliberou por unanimidade requerer à ministra da tutela uma auditoria ao processo de alienação de terrenos por parte da RTP, bem como solicitar documentação sobre as operações imobiliárias.

De acordo com a deliberação da comissão sobre operações imobiliárias da RTP no âmbito do Centro de Produção do Norte (CPN), a que a Lusa teve hoje acesso, após as audições realizadas ao Conselho de Administração (CA) da RTP e respetiva Comissão dos Trabalhadores, “é entendimento unânime que as matérias identificadas não foram cabalmente esclarecidas”.

A comissão parlamentar requer ao “XXII Governo Constitucional, através da ministra da Cultura, no âmbito das competências que lhe são próprias, a realização de uma auditoria ao processo de alienação dos terrenos do antigo posto emissor da RDP em Miramar, Vila Nova de Gaia, bem como à avaliação realizada para a RTP por entidade externa”.

A deliberação foi enviada para a ministra da Cultura esta semana.

Os deputados da comissão têm dúvidas, no que respeita ao CPN, quer sobre a operação já realizada com a venda da parcela de Miramar, iniciada em 2015, quer nos estudos em curso para o Monte da Virgem.

“Na alienação da parcela de Miramar é necessário fazer uma clarificação e um cabal esclarecimento da diferença significativa entre o valor da avaliação (590 mil euros), o da alienação (1,75 milhões de euros) e o do alegado valor de mercado (14,7 milhões de euros), bem como dos procedimentos seguidos pelo CA da RTP”, lê-se no documento.

“No processo relativo aos terrenos do Monte da Virgem, urge uma clarificação do que está previsto para a sua ocupação funcional, fundamentada na estratégia futura para o CPN, bem como um esclarecimento quanto ao ponto de situação do processo e das entidades já envolvidas”, refere a comissão.

Perante isto, a comissão de Cultura e Comunicação deliberou “por unanimidade” solicitar o “envio urgente” para este órgão de atas do Conselho de Administração da RTP desde 2015, atas das assembleias-gerais também desde aquela data, como também planos estratégicos e operacionais que fundamentam as diversas decisões ou opções em análise com implicações patrimoniais.

A comissão solicita também o envio do inventário do património imobiliário da RTP, identificando edifícios e terrenos no norte do país, troca de correspondência entre o Conselho de Administração e a Direção-Geral do Tesouro e Finanças sobre alienações de património, bem como eventuais autorizações, desde 2015, documentação de suporte à decisão aos processos de alienação total ou parcial de imobiliário, referentes ao CPN, concluídos ou em curso, incluindo financeira, técnica e estratégica e procedimentos de contratação de empresas avaliadoras para os diversos processos de alienação de património concluídos ou em curso desde há cinco anos.

A lista de documentação pedida inclui também a de suporte à avaliação de cada terreno ou imóvel, a descrição e documentação dos processos de venda, nomeadamente os procedimentos de venda, propostas recebidas, suporte à decisão de venda e fundamentação de decisão de todos os processos de decisão, e pedidos de informação, e respetivas respostas, à Câmara Municipal de Vila Nova de Gaia ou entidades administrativas com competências urbanísticas ou de ordenamento do território, respeitantes ao processo de alienação parcial do Centro de Produção do Norte, desde 2015.

Ler mais
Relacionadas

Presidente da RTP diz que terreno em Gaia foi vendido pelo triplo do valor e com conhecimento do Estado

“Isto foi em 2016”, frisou Gonçalo Reis no Parlamento, esta terça-feira. O gestor afirmou que todas as contas da RTP foram auditadas e são conhecidas pelo Governo. A RTP vendeu em 2016 um terreno em Gaia, alegadamente, por 600 mil euros, recolocado à venda por mais de 12 milhões, no início deste ano. Administrador mantém confiança na empresa que avaliou o terreno.

Governo espera avançar com a revisão do contrato de concessão da RTP antes de setembro

“Contamos ter em curso, se possível ainda antes de setembro, a revisão do contrato de concessão da RTP, que a primeira revisão deste contrato”, afirmou Nuno Artur Silva.

Primeiro-ministro rejeita que Nuno Artur Silva interfira nos contratos firmados pela RTP

Atual secretário de Estado do Cinema, Audiovisual e dos Media vendeu a sua participação na Produções Fictícias ao sobrinho, através de um contrato de cedência de quotas, cujo valor da operação dependerá do lucro da empresa. Acresce que a Produções Fictícias detém contratos de fornecimento de conteúdos com a RTP, estação pública tutelada pelo Governante. No debate quinzenal desta quarta-feira, Rui Rio indicou ao primeiro-ministro que existe “manifesta incompatibilidade”.
Recomendadas

Responsabilidades do BES para com o Fundo de Pensões dos administradores vão ser extintas

A ASF autorizou a extinção das responsabilidades com pensões do ex-administradores executivos do BES.

Vendas do dono do Minipreço cresceram 6,3% no segundo trimestre de 2020

As vendas comparáveis (‘like-for-like’) do grupo de distribuição que opera em Portugal, Espanha, Brasil e Argentina registou um aumento de 14,9% no período em análise face ao segundo trimestre de 2019, “com todos os mercados positivos pela primeira vez desde o 4º trimestre de 2016”.

BES e ESFG em disputa judicial pela ES Health Care Investment

A ESFG e o BES arrastam um processo judicial de disputa pela participação de 17,74% na Espírito Santo Health Care Investment e os dividendos que esta distribuiu ao BES no valor de 9,23 milhões. Mais recentemente a ESFG impugnou a lista de credores reconhecidos pelo BES, junto do Tribunal do Comércio, por não estar lá reconhecido o seu direito a esses ativos, o que o BES ainda vai contestar.
Comentários