PremiumComissário europeu da economia: “Portugal está muito mais forte do que na crise anterior”

Comissário europeu da Economia Paolo Gentiloni adverte para as consequências de retirar as medidas de apoio demasiado cedo e encoraja os países a usarem os empréstimos previstos no Plano de Recuperação.

Retirar as medidas de apoio à economia e às famílias prematuramente representa riscos, pelo que a Comissão Europeia recomenda que os Estados-membros não avancem com essa decisão sem que a incerteza em torno da pandemia se dissipe mais. O aviso é do comissário europeu para a Economia, Paolo Gentiloni, que em entrevista considera que a banca portuguesa está “muito mais forte” do que estava quando enfrentou a última crise.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

OE2021: Aprovada proposta para pagamento em prestações de IVA e IRC até 15 mil euros

A medida aplica-se apenas a tributos cujo valor no momento do requerimento e a pagar em prestações seja inferior a 15.000 euros.

Aprovada proposta que remete concurso do ‘IVAucher’ para fiscalização à posteriori do TdC

Em causa está um mecanismo, apelidado de ‘IVAucher’, que permite ao consumidor final acumular o valor correspondente à totalidade do IVA suportado em consumos nos setores do alojamento, cultura e restauração, durante um período (12 semanas) e utilizar esse valor, durante as 12 semanas seguintes, em consumos nesses mesmos setores.

Receita fiscal do Estado com quebra homóloga de 2,8 mil milhões até outubro

Esta evolução da receita fiscal líquida acumulada do subsetor Estado, assinala a DGO, reflete de forma evidente os efeitos da pandemia de covid-19.
Comentários