Como decidir entre duas ofertas de trabalho?

A decisão é particularmente difícil quando todas as oportunidades profissionais à sua disposição são, cada qual à sua maneira, atraentes.

Talvez pareça um sonho, mas ter duas ofertas de emprego em cima da mesa pode ser muito complicado, obrigando a uma decisão difícil. Nestes casos, é importante pensar nas opções que tem e compará-las com a situação do seu emprego atual, tanto a nível de funções e responsabilidades, como a nível de salário, benefícios, cultura e conciliação familiar, para além de avaliar de que forma cada uma das ofertas contribui para alcançar as suas ambições de carreira a longo-prazo.

A Robert Walters, consultora de recrutamento especializado de postos intermédios e diretivos, deixa-lhe 7 conselhos-chave para tomar a melhor decisão:

1 – Pense a longo-prazo
Uma das principais razões que levam as pessoas a mudarem de emprego é a possibilidade de um melhor desenvolvimento profissional, logo, quando estiver a decidir o seu próximo passo, deve ter em conta as suas ambições de carreira a longo-prazo. Cada mudança profissional terá impacto nas suas ambições futuras, pelo que é ainda mais importante fazer as escolhas certas. As ambições a longo-prazo, ainda que possam mudar ao longo da vida, devem funcionar como objetivo final. Independentemente da escolha de função que fizer agora, o seu foco deve ser sempre conseguir ficar mais próximo de atingir esse objetivo final.

2 – Não se precipite
Quando estiver a analisar cada oferta de emprego, pergunte-se em que medida aquela nova oportunidade poderia resolver os motivos que o levaram a querer mudar de trabalho inicialmente. Qualquer candidato pode passar por fases em que tem vontade de se despedir do seu emprego atual de repente, mas, se a nova oferta não solucionar os problemas da anterior, vai acabar por sentir frustração e questionar se valeu a pena a mudança… Não mude de emprego por impulso, pois pode acabar por escolher uma oportunidade errada para si. Se tiver duas ofertas, ainda tem mais razões para pensar bem antes de escolher uma de forma precipitada.

3 – Analise o work-life balance
A conciliação laboral/familiar de qualquer trabalho significa coisas diferentes para pessoas diferentes, pelo que deve considerar o impacto que cada nova função teria nas suas próprias necessidades e requisitos. Se tiver uma família com filhos pequenos ou outras responsabilidades, então a possibilidade de trabalhar a partir de casa ou com horários flexíveis pode ser um fator importante. Além disso, vale a pena ter em conta a localização de cada empresa e como fará a deslocação para lá desde sua casa, pois isso pode ter um grande impacto no seu dia-a-dia, ainda que algumas empresas possam oferecer alguns benefícios como creche para os filhos dos trabalhadores ou ginásio. Assim, se as duas ofertas forem interessantes, mas uma delas for claramente melhor em termos de work-life balance ou uma delas estiver localizada na ponta oposta da cidade, isto podem ser fatores a ter em conta antes de tomar uma decisão.

4 – Considere o encaixe com a cultura corporativa em questão
A cultura corporativa de uma empresa é de importância crítica para decidir que oferta aceitar, pois precisa de ter a certeza de que vai gostar do ambiente de trabalho todos os dias. O que constitui um bom encaixe cultural depende em larga escala do indivíduo, e, durante as entrevistas, deve-se sempre tentar procurar pistas e informações sobre a cultura e ambiente de trabalho, podendo também perguntar a amigos ou antigos empregados que tenham trabalhado na empresa ou que a conheçam bem, não deixando de pesquisar críticas nas redes sociais e sites como o Glassdoor para ficar com uma visão mais abrangente. Pense também no tipo de funções de que gostou no passado, e quais das posições ofertadas parecem aproximar-se mais dessa realidade e ambiente.

5 – Faça uma reflexão sobre a entrevista
O processo de entrevistas é onde se tem mais oportunidades de perceber como a empresa opera a nível pessoal. No entanto, ainda que um candidato possa não conseguir ter uma noção totalmente realista do trabalho pela entrevista, pode ficar com uma ideia geral sobre o que esperar. De uma boa entrevista, poderá imaginar como seria um dia normal de trabalho, e perceber melhor como é a cultura e ambiente da empresa, o que será uma grande ajuda na sua tomada de decisão. Talvez a cultura de uma das empresas seja totalmente indicada para si, e a outra não encaixe tão bem com a sua personalidade.

6 – Não se deixe convencer apenas pelo salário
Ainda que o salário seja uma consideração importante em qualquer oferta de emprego e deva refletir o nível de trabalho esperado, não deve ser o único fator determinante no momento de decidir aceitar ou rejeitar uma oferta. Uma função pode oferecer outros benefícios de carreira não-salariais, por exemplo mais responsabilidade ou maior exposição. Se quiser tomar uma decisão imparcial no que diz respeito ao salário, ignore o pacote financeiro e foque-se no que lhe causa mais entusiasmo em cada uma das ofertas – no final, as funções que realiza são um dos aspetos que mais podem influenciar a sua felicidade no dia-a-dia do seu emprego, juntamente com um bom ambiente de trabalho e outros benefícios que possam fazer parte das ofertas.

7 – Confie no seu instinto
Se tiver feito as perguntas certas na entrevista e realizado uma pesquisa aprofundada sobre as duas empresas que lhe fizeram uma oferta de emprego, bem como as posições em questão, deveria ser capaz de tomar uma decisão informada e sensível quanto à oferta que vai aceitar. Siga sempre o seu instinto quando já tiver pesado bem todas as opções.

Tenha sempre todos os elementos da oferta em conta, analise de que forma estes contrastam com o seu emprego atual, e considere todos os cenários possíveis:

“Por exemplo, vive em Lisboa e uma das ofertas que lhe fizeram é para uma empresa em Oeiras. Se ambas forem interessantes, mas a outra oferta for para uma empresa nas Amoreiras, talvez esta seja a melhor escolha neste sentido. Mas isto não deve ser a única coisa a ter em conta. Gostava de trabalhar de casa e uma das ofertas oferece a possibilidade de o fazer dois dias por semana? Vai de carro trabalhar e a empresa tem um parque de estacionamento gratuito? Oferece seguro de saúde para toda a sua família, ou carro e gasolina? Tem uma cultura corporativa demasiado intensa para o seu feitio? Pense no pacote completo e de que forma este se encaixa com a sua personalidade, bem como nas funções que vai realizar. Tente perceber também quem serão os seus chefes diretos e colegas de equipa, que benefícios inclui, qual é o salário líquido no final do mês, se existe prémio, se os horários são mais ou menos exigentes, a localização… tudo isto são fatores a ter em conta quando estiver a decidir entre duas ofertas, mas também para perceber se as novas oportunidades oferecem uma melhoria real face ao seu emprego atual. Se não for esse o caso, o melhor é continuar a procurar”,aconselha António Costa, Senior Manager Sales & Marketing Division na Robert Walters Portugal.

Aceitar uma nova oportunidade acarreta sempre riscos, independentemente do quanto se pensou sobre a mudança. Ser avesso ao risco não é uma má qualidade quando procura uma mudança de emprego, mas, a certa altura, vai ter de confiar no seu instinto e acreditar na escolha que fez.

Ler mais
Recomendadas

PremiumConsumidores estão a mudar a produção

Cerealis, Grupo Primor, Novarroz e Tété faturam em conjunto cerca de 380 milhões de euros por ano e têm uma presença diversificada em mercados externos. Mas o segredo do negócio passa pela inovação.

Usa a FaceApp? Deco alerta para riscos

Acresce que a utilização desta aplicação é simples e intuitiva, sendo apenas necessário carregar uma fotografia e selecionar a opção que pretende modificar. Mas, se nos questionarmos sobre o que é que a empresa russa, Wireless lab OOO, faz com as fotos, que ficam no armazenamento da aplicação por tempo indeterminado e com os dados dos utilizadores, surgem dúvidas que não são explicadas de forma evidente.

Euribor a três, seis e 12 meses atingem novos mínimos

O valor mais alto desde julho de 2018 da Euribor a três meses, de -0,306%, foi registado pela primeira vez em 24 de janeiro.
Comentários