Como é que a subida da Euribor afeta a prestação da sua casa?

A EURIBOR continua em terreno negativo mas, nas últimas semanas, tem vindo a sofrer ligeiros aumentos em consequência do impacto da pandemia na economia. Descubra, neste artigo, quais as consequência da subida deste indexante no crédito à habitação.

Se tem um contrato de crédito habitação com taxa variável, certamente já ouviu falar da Euribor, pois é frequente utilizar-se este indexante nos empréstimos para comprar casa em Portugal. Esta taxa existe desde 1999, tendo sido criada com a introdução do Euro como moeda única. Por ser tão usada no crédito hipotecário e por este representar grande parte dos encargos mensais dos Portugueses, vale a pena saber em que medida é que este indexante influencia a sua prestação.

A Euribor continua em terreno negativo, apesar de ter vindo a sofrer ligeiros aumentos em consequência do impacto da pandemia na economia. Isto significa que todos os consumidores que tenham o seu crédito da casa indexado a esta taxa poderão ver a sua prestação mensal a subir aquando da renovação deste indexante (a 6 ou a 12 meses).

 

O que é a EURIBOR (e porque é que estão sempre a sair notícias sobre isto)?

EURIBOR é, desde logo, um acrónimo para Euro Interbank Offered Rate, baseando-se na média das taxas de juro praticadas nos empréstimos a curto prazo realizados entre um painel de bancos europeus.

Esta taxa é calculada diariamente e varia em função do prazo, que pode ser a uma semana, um mês, três meses, seis meses ou um ano. No caso do crédito à habitação em Portugal, é comum aplicar-se a EURIBOR a seis ou a 12 meses.

 

Como é que a EURIBOR afeta a prestação mensal do seu crédito habitação?

A EURIBOR é a taxa de referência dos empréstimos à habitação e, em Portugal, a taxa variável de um crédito hipotecário é formada por uma junção do spread (que é a margem de lucro que o banco arrecada para si e que define com base no risco do cliente) com a EURIBOR.

Portanto, se contratar um crédito habitação com taxa variável, a taxa de juro aplicada à sua prestação mensal será formada por estes dois elementos.

Enquanto que o spread é uma componente fixa (o que está estabelecido entre o cliente e o banco no contrato de crédito não se altera, salvo algumas exceções), já a EURIBOR não. Se esta aumentar, o valor da prestação mensal da casa aumenta também. Se descer, a mensalidade também sofre uma redução, tornando-se mais acessível para o devedor.

Se contratar um empréstimo com taxa fixa, então a prestação mensal não se alterará durante esse período, que poderá ser durante todo o crédito ou apenas em parte. Porém, num cenário em que a EURIBOR se encontra abaixo de zero, normalmente compensa contratar com taxa variável, dado que a mensalidade será mais baixa.

Alguns bancos também oferecem uma espécie de taxa mista: um contrato de crédito habitação em que os primeiros cinco, 10, 15 ou mais anos são com taxa fixa, passando depois para variável a partir de uma dada altura.

 

A EURIBOR tem igualmente impacto nas suas poupanças

Uma pessoa que abra uma conta-poupança num banco está, de facto, a emprestar dinheiro a esse banco.

Os valores da EURIBOR e das taxas de juro que geram retorno nas poupanças estão interligadas nos países europeus. De cada vez que a EURIBOR baixa, a margem de lucro do banco reduz-se. Consequentemente, os bancos podem acabar por decidir baixar a taxa de juro das contas-poupança (ou aumentar quando a EURIBOR sobe).

 

O que fazer se a EURIBOR aumentar entretanto?

Enquanto a EURIBOR estiver negativa, os consumidores portugueses que tiverem contratos com taxa variável pagarão menos pela sua casa. Porém, numa situação em que esta taxa sobe, o aumento dos encargos financeiros com a casa pode colocar alguma pressão na taxa de esforço das famílias.

Neste sentido, é importante que não se foque tanto na prestação mensal que vai pagar ao banco, mas também no chamado MTIC (Montante Total Imputado ao Consumidor), que é o custo total do empréstimo, englobando o capital, os juros, o valor dos seguros de vida e multirriscos e ainda eventuais comissões.

Num cenário de ascensão da EURIBOR para valores positivos, será que continua a conseguir pagar a sua casa? É uma questão de fazer as contas a uma possível subida da prestação, pressupondo um cenário em que os seus rendimentos não aumentaram proporcionalmente.

Ler mais
Relacionadas

Quatro razões para refinanciar um crédito habitação

Refinanciar o crédito habitação permite reduzir a prestação mensal, alargar os prazos de pagamento e diminuir as taxas de juro através da concessão do seu imóvel como garantia de pagamento. Saiba tudo sobre o tema neste artigo.

Quer baixar a taxa de juro do seu cartão de crédito? Veja como

As taxas de juro associadas aos cartões de crédito caíram para metade nos últimos quatro anos, pelo que pode estar a pagar muito mais do que devia pelo seu cartão. Saiba como poderá baixar a TAEG junto do seu banco.

Respostas Rápidas: Ainda é possível obter crédito habitação com 100% de financiamento?

Descubra se os bancos ainda concedem financiamento sem exigirem qualquer entrada inicial ao consumidor.
Recomendadas

Créditos: sabe o que influencia os bancos a emprestar dinheiro?

Quando um consumidor solicita um financiamento, qualquer instituição financeira faz uma análise de crédito ao perfil desse indivíduo. Esta avaliação irá determinar se o banco concederá, ou não, o empréstimo solicitado consoante o risco que o cliente representa.

Ficou com o cartão multibanco retido no ATM? Saiba o que fazer

São muitos os portugueses que já viram o seu cartão multibanco retido no ATM e instintivamente ligaram para o seu banco para cancelá-lo. No entanto, nem sempre existe necessidade de anular o cartão, havendo algumas situações que deve conhecer para saber como proceder. Descubra quais são.

Covid põe cheques e levantamentos em dinheiro em mínimo de 20 anos. Compras com cartões em mínimo de 11 anos

Em abril, a redução do uso de cheques rondou os 45% em número e 48% em montante, face ao período homólogo, e as operações com cartões recuaram  42,9% em número e 28,8% em valor. A pandemia trouxe ainda o aumento dos pagamentos contactless e uma quebra dos levantamentos em dinheiro.
Comentários