Como é que os regimes de casamento afetam o crédito habitação?

Na hora de comprar uma casa ou um carro, por exemplo, se for necessário financiamento, há que envolver os dois titulares e os regimes de casamento que se podem escolher possuem implicações diferentes nas finanças do casal.

Quando se tem uma vida a dois, também o orçamento financeiro tem de ser gerido a dois. Na hora de comprar uma casa ou um carro, por exemplo, se for necessário financiamento, há que envolver os dois titulares e os regimes de casamento que se podem escolher possuem implicações diferentes nas finanças do casal. Também em situação de divórcio há consequências distintas no crédito à habitação consoante o regime de bens adotado.

 

Que regimes de casamento existem?

Existem fundamentalmente três regimes de casamento previstos na lei.

  1. Comunhão geral

Este é um dos regimes de casamento existentes e pressupõe que os bens de ambos (tanto os que têm no presente como os que adquirirem no futuro) se tornem património comum do casal aquando da celebração do matrimónio.

Note-se que se algum dos membros do casal já tiver filhos de outro casamento anterior, então não se pode escolher este regime de casamento.

  1. Comunhão de adquiridos

Por sua vez, esta modalidade estipula que todos os bens que forem adquiridos após o matrimónio se tornem comuns ao casal. Porém, todos os bens que tiverem sido adquiridos antes do casamento são considerados bens próprios de cada um dos cônjuges.

  1. Separação de bens

Este regime é formado por uma convenção pré-nupcial que estipula que cada um dos cônjuges mantém a única e exclusiva titularidade dos seus bens, tanto os futuros como os existentes à data do casamento. É obrigatório por lei adotar esta modalidade se um dos cônjuges, à data do matrimónio, já tiver completado 60 anos de idade.

Tenha atenção:
Se nada for estabelecido entre o casal no âmbito do casamento, então automaticamente vigora o regime da comunhão de adquiridos. É possível ainda realizar alterações aos regimes de casamento previstos pela lei, podendo o casal combinar outras particularidades que melhor se adaptem à sua situação.

Além destes regimes de casamento, é preciso considerar ainda a união de facto através da qual os membros de um casal adquirem alguns direitos como se estivessem casados. Para legitimar a união de facto, o casal tem de se encontrar a viver junto há mais do que dois anos e solicitar, à Junta de Freguesia da sua residência, uma declaração que comprove esta situação.

 

Como é que os regimes de casamento afetam o crédito habitação?

Se o regime escolhido para o matrimónio tiver sido o da comunhão geral de bens, não há grandes dúvidas: ao pedirem um empréstimo ao banco, ambos os membros do casal tornam-se titulares e, consequentemente, devedores do crédito.

Se a modalidade adotada tiver sido a da comunhão de adquiridos, a situação não difere muito da acima descrita: ambos os cônjuges têm de ser proponentes do empréstimo e, por consequência, proprietários do imóvel.

Já se o casal tiver contraído matrimónio com separação de bens, então, se forem comprar casa podem decidir, de livre e espontânea vontade, se o crédito habitação será pedido por apenas um dos membros ou se ambos se tornam titulares e partilham o património.

Se, por sua vez, um casal decidir comprar uma habitação estando em união de facto, então ambos têm de solicitar o crédito em conjunto, ficando os dois registados como proprietários do imóvel (tal como aconteceria se estivessem casados com comunhão geral ou de adquiridos).

 

O que acontece em caso de posterior transferência do financiamento?

Supondo-se que um dos cônjuges adquiriu uma casa com recurso a crédito à habitação quando ainda era solteiro e agora pretende transferir o empréstimo para outro banco, mas entretanto já se casou com um regime de comunhão de bens, então o outro cônjuge tem de passar a fazer parte do empréstimo.

Se ambos optarem, assim, por ser proprietários do imóvel em conjunto, então, à semelhança do que sucedeu na compra da casa, o cônjuge que é adicionado ao contrato terá de pagar o IMT que incide sobre a parte da habitação que agora também pertence ao outro cônjuge.

Se o regime de casamento for a separação de bens, não é obrigatório que os membros do casal se tornem ambos proprietários, podendo essa ser uma opção que tomam livremente, se assim o desejarem.

 

Impacto do divórcio no crédito à habitação

Os efeitos de uma separação também variam conforme os regimes de casamento. Imediatamente, a partir do momento em que se inicia um processo de divórcio é necessário proceder à partilha dos bens entre os membros do casal e este procedimento varia conforme os regimes de casamento.

Se o casal que se vai separar contraiu o crédito para a compra de casa em conjunto, então, na eventualidade de divórcio, terá de se optar por uma de duas soluções:

  • Um dos cônjuges dispõe-se a ficar com a casa e a pagar sozinho o crédito à habitação;
  • Procedem à venda da casa e partilham o dinheiro resultante.

Se escolherem a primeira opção das acima enunciadas, então a titularidade do empréstimo tem de ser alterada por forma a que quem não fica com a casa deixe de constar do contrato de crédito à habitação e de ter responsabilidade pela liquidação das prestações mensais. Porém, esta modificação dependerá da análise de risco a que o banco vai proceder e da consequente decisão sobre se essa pessoa tem ou não capacidade para suportar este encargo financeiro sozinha.

Note-se ainda que a alteração da titularidade do crédito pode provocar mudanças nas condições contratuais do mesmo (a instituição financeira pode, por exemplo, aumentar o spread).

No fundo, o casamento envolve decisões que podem fazer muita diferença na vida de um casal ou mesmo na vida de cada uma das partes individualmente. Atendendo aos três regimes de casamento existentes, é sempre necessário ponderar o antes, o agora e o depois, para que as finanças nunca sejam um ponto de discórdia entre o casal.

Ler mais
Relacionadas

Respostas Rápidas: Numa união de facto, quais os direitos em caso de falecimento?

Ouviu dizer que, hoje em dia, as uniões de facto produzem os mesmos direitos que os casamentos? Não é inteiramente verdade.

Sabe quanto pode custar, em média, um casamento?

Um casamento não tem necessariamente de ser algo caro, a menos que se prepare uma festa memorável, como costuma ser o caso. Por isso, fizemos as contas e damos-lhe uma ideia de quanto custa casar em Portugal.

Pensão de alimentos: o que acontece quando o progenitor não cumpre?

Em caso de divórcio, a Lei portuguesa obriga a que o progenitor a quem não é concedida a guarda do filho menor pague uma pensão de alimentos. Mas o que acontece quando este não cumpre a sua obrigação? Saiba tudo neste artigo.

Doação de bens: conhece as 6 situações em que é considerada nula?

A doações de bens em vida podem ser uma forma de evitar conflitos futuros entre herdeiros. Porém, muitas questões normalmente se levantam: pode doar-se todo o tipo de bens? As doações pagam impostos? Como se faz uma doação? Em que situações pode ser considerada nula? Saiba tudo neste artigo.

Habilitação de herdeiros: como fazer em 3 simples passos

Receber uma herança pode ser algo bom mas, por outro lado, pode significar que os herdeiros fiquem embrenhados numa autêntica teia burocrática. Neste artigo explicamos como deve fazer a habilitação de herdeiros e como proceder se herdar dívidas.

Heranças: qual a diferença entre renúncia e repúdio?

Sabia que existem duas formas para não aceitar uma herança? Conheça as diferenças entre a renúncia e repúdio de herança neste artigo.
Recomendadas

Que fatores deve considerar se contratar um seguro contra sismos

As seguradoras para estabelecerem o valor concreto do contrato calculam os dados através da utilização de uma tabela que classifica cada concelho do país e regiões e que as organiza por cinco escalões. Perante um risco elevado, muitas seguradoras recusam até mesmo efetuar um contrato deste calibre, pois apresentam fortes indícios de perda financeira.

Incerteza leva famílias portuguesas a poupar mais

A taxa de poupança das famílias deverá continuar em rota ascendente este ano. Por outro lado, a pandemia não altera o perfil de investidor tipicamente conservador das famílias portuguesas.

Aprovada proposta do Governo para mora no pagamento de renda dos contratos não habitacionais até 31 de dezembro

A nova lei define que os donos de estabelecimentos, forçados a encerrar devido à pandemia, possam usufruir de moratória até 31 de dezembro
Comentários