Como fazer com que o meu filho participe nas tarefas domésticas?

Os filhos, como parte integrante da família, devem também participar em todas as rotinas e atividades da casa que sejam possíveis de adaptar à sua idade.

Os filhos, como parte integrante da família, devem também participar em todas as rotinas e atividades da casa que sejam possíveis de adaptar à sua idade. Esta participação permitirá desenvolver o sentido de responsabilidade, incentivar a autonomia e até possibilitar de uma forma lúdica uma significância para as aprendizagens escolares. São inúmeras as tarefas e atividades domésticas onde pudemos utilizar conceitos matemáticos (ex. contar os talheres, os pratos e os copos necessários para colocar na mesa) e outras até que poderão facilmente envolver conteúdos de língua portuguesa ou de estudo do meio (ex. ser capaz de se vestir sozinho, saber os diferentes dias da semana, ser capaz de ler as tarefas que tem de fazer) – conteúdos académicos que se juntam a outras vantagens que observamos na promoção da participação da criança nas rotinas diárias da casa, como por exemplo, o aumento da qualidade e quantidade de interações que se estabelecem entre pais e filhos.

Contudo, antes de se planear as atividades que se podem solicitar aos filhos, é fundamental que se preveja o seu sucesso ou insucesso no desempenho dessa mesma tarefa, para que se antecipem as devidas estratégias facilitadoras dessa execução. Não se trata de facilitar ou fazer por eles, trata-se de adequar e ter a certeza de que têm todas as ferramentas para desempenhar aquela função.

Em termos práticos, para conseguir implementar algumas destas rotinas no dia-a-dia dos seus filhos poderá, mediante uma reunião de família onde todos estão presentes, fazer a atribuição de tarefas a cada um dos elementos. Este encontro dar-lhe-á mais significância e aumentará o seu grau de envolvimento e responsabilidade. Posteriormente, depois de todos estarem de acordo com cada tarefa atribuída, organize num quadro as tarefas de cada um e coloque-o num local visível e de fácil acesso. No final da semana, se o seu filho cumprir as tarefas propostas poderá recompensá-lo de forma especial, caso esta gratificação lhe faça sentido. Contudo, importa referir que as recompensas devem ser simbólicas (e.g. ver um episódio extra da série preferida, jogar futebol no parque no domingo à tarde, ficar mais tempo acordado à noite numa sexta feira).

O quadro de tarefas deve estar organizado pelos dias da semana (em colunas) e as tarefas (em linhas). Cada vez que o seu filho completar uma tarefa deverá pedir-lhe que cole na tabela um autocolante de modo a demonstrar que já completou a mesma. No final do dia, numa hora definida, deverá verificar se as tarefas diárias foram executadas com sucesso e analisar o que correu bem e o que não correu tão bem, ajudando-o a pensar em estratégias de melhoria. No caso de algumas das tarefas não terem sido realizadas é preciso ter em atenção os motivos pelos quais as mesmas não foram executadas, pensando em conjunto com o seu filho através de uma atitude positiva e promotora da sua motivação.

Nunca é demais referir que as tarefas contribuem para o desenvolvimento dos nossos filhos, nomeadamente na autonomia, responsabilidade, cumprimento de regras, entre outras.

De seguida partilhamos um conjunto de tarefas organizado por idades:

 

Tarefas adequadas à idade do seu filho

2-3 anos
– arrumar os brinquedos numa caixa/baú

– ajudar a pôr a roupa na máquina de lavar: agora só as peças brancas, agora as pretas;

– deitar o lixo no caixote;

– dobrar os panos da loiça;

– ajudar a carregar fraldas e toalhitas

– ir à despensa buscar leite ou bolachas;

4-5 anos
– atar os sapatos;

– ajudar a pôr e a levantar a mesa;

– vestir-se sozinho;

– comer com garfo e faca;

– preparar um lanche simples: uma sanduiche de manteiga ou um iogurte;

– ajudar a arrumar as compras do supermercado

6-7 anos
– fazer a cama;

– tratar dos animais com vigilância (dar-lhes comida ou passeá-los)

– descascar batatas e cenouras com um descascador

– tirar a loiça da máquina

– limpar o pó e lavar o chão (passar com a esfregona);

8-9 anos
– passar a ferro, peças pequenas e simples;

– descascar uma peça de fruta com a faca;

– lavar a loiça à mão, se for necessário;

– estender e dobrar a roupa;

– começar a cozinhar, com supervisão, pratos simples (exemplo: ovos mexidos):

– ajudar a lavar o carro.

10-11 anos
– aspirar a casa;

– ficar responsável pelo animal de estimação – passeá-lo, alimentá-lo e dar-lhe banho;

– ajudar a cuidar do jardim;

– limpar a cozinha, incluindo o fogão e o forno;

– gerir o dinheiro da mesada;

+  12 anos
– Tomar conta dos irmãos mais novos;

– Fazer um bolo

– Fazer compras com uma lista;

– Cozinhar uma refeição completa;

– Assumir tarefas em casa (exemplos: lavar a loiça e deitar o lixo fora)

– Ir de autocarro sozinho para a escola
 

 

 

Ler mais
Recomendadas

E se o meu filho tiver dificuldades de aprendizagem e de atenção?

Não desespere, nem fique apreensivo. Más notas na escola não significam necessariamente falta de inteligência ou qualquer perturbação intelectual.

Mitos e perguntas frequentes sobre a dislexia

A dislexia é sinónimo de baixa inteligência? Quando se avalia a dislexia? Devo esperar até ao final do 2º ano? Só os rapazes têm dislexia? A dislexia é um problema visual? Tem cura? Quem faz o diagnóstico da dislexia? Neste artigo clarificamos os mitos e as perguntas mais frequentes sobre a dislexia.

Os depósitos estruturados e os produtos estruturados poderão ser a solução?

Aplicar dinheiro num depósito ou num produto estruturado obriga a perceber o funcionamento do mercado de capitais.
Comentários