Como fazer um pedido de crédito corretamente?

Com tantos requisitos, burocracias e papelada, por vezes é difícil saber como fazer um pedido de crédito corretamente, tornando-se num processo moroso e complicado. Para o ajudar a tornar o seu pedido de crédito mais simples e rápido, bem como para que seja aprovado sem problemas, explicamos ao pormenor como proceder.

1. Quais os requisitos exigidos pelas instituições para conceder crédito?

Existem algumas condições essenciais que o cliente deve cumprir para que o seu pedido de crédito seja aprovado.

Idade do cliente

O fator eliminatório passa não ser maior de idade. Se não tiver, no mínimo, 18 anos, não é possível ser-lhe concedido um empréstimo.

No entanto, não é só essa questão que importa em termos de idade. A verdade é que, quanto mais novo o cliente for, menor será a probabilidade de ter estabilidade profissional e um salário elevado, assim como um historial de crédito.

Mas o contrário também pode acontecer. Ter uma idade já avançada poderá não ser visto com bons olhos por algumas instituições financeiras, uma vez que o cliente poderá não conseguir pagar o empréstimo na sua totalidade.

Situação profissional

A sua situação profissional é um fator-chave. Ter estabilidade profissional, ser efetivo e ter um bom salário é a situação perfeita para os bancos aceitarem conceder crédito, uma vez que será quase certo que conseguirá pagar as prestações mensais sem dificuldades.

Para perceber a sua disponibilidade financeira para amortizar o empréstimo, os bancos calculam a sua taxa de esforço. Esta, que não deverá ser superior a 33%, é um fator importante para o cliente, ajudando-o a perceber a sua capacidade financeira. Se tiver uma taxa de esforço reduzida, o seu pedido de crédito será mais facilmente aprovado.

Caso detenha já alguns empréstimos em seu nome, como é o caso, por exemplo, de um crédito automóvel ou do financiamento que pediu para pagar despesas médicas avultadas, e se a sua taxa de esforço já está um pouco elevada, poderá considerar a consolidação das suas dívidas. Assim, conseguirá fazer face a todas as despesas, pagando apenas uma prestação mensal mais reduzida.

Consolidação de créditos

Historial de crédito

Se alguma vez já pediu um financiamento no passado e se foi um cliente cumpridor, pagando as prestações mensais sempre na data prevista, então o seu pedido de crédito terá uma elevada probabilidade de ser aceite.

Para esta análise, os bancos recorrem ao seu Mapa de Responsabilidades de Crédito disponibilizado pelo Banco de Portugal. Neste poderá encontrar os financiamentos já pedidos por si ou ainda por liquidar. Caso o cliente tenha já entrado em incumprimento, então terá o seu nome presente na “Lista Negra” do Banco de Portugal.

Património do cliente e garantias

As entidades bancárias também analisam o património do cliente, por forma a perceberem se este tem algo que possa ser utilizado como eventual garantia bancária. Estas garantias são normalmente exigidas no crédito à habitação, podendo ser requisitadas num empréstimo bancário caso o cliente apresente algum risco de incumprimento.

Relação com a instituição

A relação que detém com a instituição financeira também é um aspeto considerado pelos bancos. Se já tem um empréstimo ou um cartão de crédito numa dada instituição, por exemplo, poderá ser uma mais-valia para si. No entanto, se o seu historial de crédito não for bom, esta relação não será positiva e este não será um ponto a seu favor.

2. Qual a documentação necessária para o pedido de crédito?

Existem seis documentos diferentes solicitados pelas instituições financeiras aquando do pedido de crédito:

  • Documento de Identificação (Bilhete de Identidade e Cartão de Contribuinte ou somente o Cartão de Cidadão);
  • Comprovativo de Residência (pode ser uma fatura da água, eletricidade ou até do pacote de telecomunicações);
  • Comprovativo de IBAN para o pagamento das prestações mensais;
  • Extratos bancários (por norma, são pedidos os últimos três extratos bancários);
  • Declaração da entidade patronal que comprova o vínculo laboral (apenas solicitado para trabalhadores por conta de outrem);
  • Comprovativo de rendimentos, que varia consoante a situação profissional do cliente:
    • Trabalhadores por conta de outrem: apresentação de, pelo menos, um recibo de vencimento;
    • Trabalhadores por conta própria: apresentação de, pelo menos, uma Declaração de IRS e Nota de Liquidação do IRS;
    • Reformado: entrega da Declaração Anual de Rendimentos de Pensões.

Para além destes documentos, poderão ser pedidas outras informações para que o pedido de crédito seja aceite. Estes documentos variam entre instituições financeiras, mas também entre tipos de crédito: por exemplo, num crédito formação é ainda solicitado o comprovativo de inscrição no curso a frequentar.

Poderão também ser pedidos outros documentos para que a entidade bancária possa fazer uma análise de créditomais profunda, nomeadamente sobre o seu historial de crédito, rendimentos, entre outros.

3. Proposta no banco versus comparar o mercado

Se tem uma boa relação com o seu banco, poderá fazer um pedido de crédito para obter uma proposta. Provavelmente irá conseguir obter taxas de juro mais atrativas e outras vantagens associadas devido ao seu bom comportamento financeiro.

No entanto, não perde nada em comparar todo o mercado, uma vez que pode conseguir outros benefícios e vantagens não disponibilizadas pelo seu banco (tais como isenção no pagamento de comissões bancárias ou um período de carência de capital), ou até mesmo taxas de juro mais competitivas.

Através da plataforma de comparação do ComparaJá.pt, o cliente pode simular um financiamento, de forma simples e em pouco tempo, comparando todas as ofertas disponíveis no mercado.

Para tal, basta que indique o montante que deseja e o prazo de pagamento, assim como a finalidade do empréstimo. Consoante o seu perfil, ser-lhe-ão apresentadas soluções das instituições financeiras, sem que necessite de se deslocar fisicamente a uma agência.

Depois de escolher a solução que mais se adequa ao seu perfil e às suas necessidades, basta enviar a documentação necessária para que o seu processo seja analisado da melhor forma e para que o pedido de crédito seja aprovado mais rapidamente.

Posteriormente, o banco em questão irá fazer uma análise de risco ao seu perfil e determinar se o seu pedido de crédito é, ou não, aprovado. Se for aprovado, ser-lhe-á enviada uma proposta com todas as condições do seu empréstimo e, caso as aceite, o montante será então transferido para a sua conta à ordem.

4. E se o pedido de crédito for rejeitado?

Existem alguns fatores que podem levar os bancos a rejeitar o seu pedido de crédito, nomeadamente o desemprego, ter uma situação profissional precária (por exemplo, se estiver a recibos verdes), ter algum problema bancário (como atraso no pagamento de prestações ou até insolvência pessoal) ou ter uma taxa de esforço muito elevada.

Se o seu caso de rejeição for devido à taxa de esforço elevada ou ao atraso no pagamento de mensalidades, existem alternativas. Tem a opção de renegociar o crédito com a sua instituição financeira ou, caso se trate de um empréstimo para comprar casa, pode tentar transferir para outro banco. Se tem mais do que um empréstimo, pode juntar todos num só e conseguir reduzir o spread, alargar o prazo de pagamento e até pagar menos por mês.

Para evitar ver o seu pedido de crédito rejeitado, o ideal será fazer uma introspeção financeira. Perceba se terá capacidade para pagar o montante que deseja pois, caso necessite de liquidez, existem outras opções a considerar para equilibrar as suas finanças pessoais.

Ler mais
Recomendadas

Glovo celebra primeiro aniversário com entregas a 1 euro

A startup espanhola celebra o seu primeiro ano de atividade, e como recompensa, todas as entregas de restaurantes realizadas durante esse dia terão um custo de 1 euro.

Salário mínimo no Luxemburgo sobe para mais de 2 mil euros/mês

No dia após a eleição nacional, os ministros luxemburgueses concordaram em aumentar o salário mínimo em 1,1%, atingindo assim os 2 mil euros.

OE2019: Impostos ISV e IUC sobem em média 1,3%, estima Deloitte

Nos seus cálculos, a Deloitte concluiu que haverá uma redução nos valores de ISV e de IUC na compra de viaturas menos poluentes durante 2019, em comparação com 2018, e que há um aumento da tributação nos veículos mais poluentes – “por força da utilização de um fator de correção menor”.
Comentários