PremiumComo será o futuro do emprego pós-Covid?

As empresas vão continuar a recorrer a profissionais mais qualificados e o número de trabalhadores a recibos verdes vai aumentar. “Na formação de nível superior, a licenciatura de Bolonha é claramente insuficiente para grande parte das empresas”, afirma o professor António Almeida.

O futuro do emprego promete ser mais tecnológico e ter mais pessoas a trabalhar por conta própria, sempre com o teletrabalho por perto, como referiu a consultora Reditus, mas também o professor de Recursos Humanos do Instituto Politécnico de Setúbal António Almeida ao Jornal Económico (JE). “Haverá um número mais alargado de organizações a recorrer ao teletrabalho, quando até aqui existia um certo preconceito”, sublinhou António Almeida ao JE.

As barreiras ao trabalho remoto foram ultrapassadas “por via administrativa, por decisão política, em que foi necessário colocar milhares de pessoas em regime de teletrabalho”, que veio para ficar, garante o professor de Recursos Humanos.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Orçamento de Natal: Não perca as contas às compras

São muitos os consumidores que na azáfama das compras acabam por perder a perceção ao que efetivamente podem gastar, só percebendo mais tarde, do verdadeiro impacto destes gastos no orçamento familiar.

Devo utilizar crédito para fazer compras de natal?

É fácil comprar usando o cartão de crédito ou contratando um crédito. No caso do empréstimo pessoal, este crédito é chamado de fácil aprovação, mas não é barato. As letras miudinhas, pouco claras, desincentivam a leitura dos contratos e dificultam (muito!) a explicação dos encargos elevados que terá de pagar. As palavras “custos” e “juros” estão sempre presentes, pelo que o consumidor deve pensar duas vezes antes de usar o cartão ou o crédito pessoal para fazer as compras de Natal.

Salários até aos 686 euros ficam isentos de IRS em 2021

Retenção de IRS começa para quem ganha mais de 686 euros. Alívio no imposto do próximo ano que reflete a redução as taxas de retenção na fonte do IRS no início de 2021. Medida abrange dois milhões de contribuintes e contempla uma redução média (e progressiva) de 2% nas retenções. Trabalhadores dependentes já podem calcular quanto irão descontar todos os meses.
Comentários