Compras em segunda mão na Cash Converters permitiram aos portugueses poupar 2,3 milhões de euros

As seis lojas em Portugal lideram hoje as vendas da CashConverters na Península Ibérica. Em entrevista ao Jornal Económico, o CEO da rede afirma que o consumidor português tem impulsionado o crescimento da empresa.

Em Portugal há mais de duas décadas e com o objetivo de promover a economia circular na Península Ibérica, a Cashconverters garantiu, em 2021, uma segunda vida a mais de 180 mil produtos que permitiram que os consumidores portugueses poupassem, em média, mais de 2,3 milhões de euros por ano, colocando o mercado português a liderar toda a operação do grupo que soma mais de 82 lojas tanto em Portugal como em Espanha. Na Península Ibérica, os consumidores da Cashconverters já conseguiram poupar cerca 30 milhões de euros por ano.

“Em Portugal, comprámos cerca de 15 mil produtos por mês durante este ano, um valor inferior àquilo que registamos em 2020 e também 2019”, adiantou o CEO da Cashconverters, ao Jornal Económico, justificando que a quebra nas aquisições registada, ano após ano, está ligada ao facto da loja ter reforçado a aposta na compra de produtos com maior qualidade.

“Este ano, comprámos produtos com um valor entre 30 e 35 euros, enquanto que em 2020 e 2019 comprávamos produtos 15 e 20 euros, em média”, acrescentou o responsável. “O valor dos produtos tem estado a aumentar, tanto na compra como na venda, e para nós isso é importante: acreditamos que é mais eficiente e eficaz dar uma segunda vida a produtos mais valiosos”, frisou.

Segundo Gilbert, Portugal representa um foco “com imenso potencial” e portanto a estratégia passa por reforçar a força das seis lojas já instaladas no país, e não aumentar o número desses espaços.

“Estamos focados em duplicar o nosso volume de negócios, aumentar a nossa presença e parcerias no mercado português e converter cada vez mais famílias portuguesas ao estilo de vida que promovemos, o “Movimento Converters””, “afirmou o responsável, elucidando que o movimento engloba também um conjunto de iniciativas e atividades que têm como objetivo fomentar a economia circular.

“As nossas vendas nas lojas portuguesas são bastante elevadas. As lojas portuguesas têm tido a melhor performance no universo CashConverters. Existe o potencial para reforçar a nossa presença tanto online como presencial”, adiantou Miguel Gilbert ao JE, pintando o consumidor português como alguém “mais sensível ao consumo em segunda mão, atento à sustentabilidade e à economia circular”.

Cashconverters e Media Markt avançam com projeto-piloto

Em Espanha, o CEO afirma que já se deram os primeiros passos para reforçar a rede de parceiros, anunciado em exclusivo ao JE que a empresa já arrancou com um projeto-piloto que permite aos consumidores vender e comprar produtos em cinco lojas da MediaMarkt no país.

“Abrimos um espaço nas lojas da MediaMarkt para que cada consumidor possa trazer um produto que queira vender e a intenção é avançar com a mesma parceria em Portugal”, referiu.

Mas enquanto não se concretiza esse passo, Miguel Gilbert relembra que através da parceria com a Electrão, a empresa já reciclou mais de uma tonelada de produtos eletrónicos e pretende alongar a lista de parceiros nos próximos anos, em linha com o reforço da presença no online.

“Em Portugal queremos, acima de tudo, ajudar na transição necessária dos portugueses para a economia circular através da adesão ao #MovimentoConverters para que estes deem oportunidade aos produtos convertidos”, apelou Miguel Gilbert. “Pretendemos ser nós a abrir caminho neste sentido porque acreditamos na combinação entre qualidade, poupança e garantia que os portugueses procuram quando compram.”, atirou.

Recomendadas

Projeto Sitestar promove literacia digital dos mais novos

Esta iniciativa promove, através da criação dos sites, aprendizagens relacionadas com o planeamento de projetos, o desenvolvimento do espírito de trabalho em equipa, a criação de conteúdos escritos e audiovisuais, o respeito pelos direitos de autor, incentiva e auxilia na invenção e implementação das ideias dos alunos, a adotarem um sentido critico que lhes permita navegar em segurança e com mais confiança na internet.

Neste natal, saiba o que fazer caso a sua compra online fique interdita na alfândega

A carta ao Pai Natal pode exigir que faça encomendas de artigos vindos de um país extracomunitário. Cumprir este desejo pode ser numa prova de esforço que implica conhecer a legislação, enfrentar burocracias e custos, e ainda lidar com a encomenda ficar retida na alfândega.

Não deixe as suas compras natalícias para a véspera

Quem compra por impulso arrepende-se mais, tentando depois a troca. Trocar um bem comprado numa loja física que está em perfeitas condições é uma cortesia do comerciante. A troca só é obrigatória se houver defeito. Não se esqueça de escolher cuidadosamente, de recolher toda a informação sobre o produto, de o experimentar, se for possível, e combinar a possibilidade de troca. Evitará conflitos.
Comentários