“Concelho de Lisboa deverá ficar em situação de alerta”, aponta Marques Mendes

O ex-presidente do PSD assumiu que o concelho está a passar por um “pequeno problema”, dado que já atingiu 120 casos por 100 mil habitantes.

O comentador Luís Marques Mendes sustentou que é necessário ter atenção à situação epidemiológica em Lisboa, sendo que na próxima semana o concelho deve passar para “situação de alerta”.

O ex-presidente do PSD assumiu que o concelho está a passar por um “pequeno problema”, dado que já atingiu 120 casos por 100 mil habitantes, considerado o índice base do Governo para o avanço ou recuo da instauração de regras de desconfinamento.

Marques Mendes lembrou os festejos do Sporting devido à elevada concentração de pessoas no estádio durante o jogo e no caminho até ao Marquês de Pombal, por onde passou a equipa.

O comentador revelou ainda que estão a surgir novos casos nas freguesias do centro de Lisboa, onde a maioria dos infetados está entre os 20 e os 40 anos de idade.

Ainda assim, os concelhos vizinhos estão controlados e não existe contaminação de Lisboa para os arredores. Também a Câmara de Lisboa anunciou na semana passada mais testagem para os habitantes.

“Nada disto é bom”, disse Marques Mendes, assumindo que o aumento de casos em Lisboa e Vale do Tejo “tem consequências para a imagem” e que “não é bom para o turismo” da região, que com a abertura de fronteiras deverá começar a aumentar.

Na opinião do comentador, a greve do SEF, para as próximas quatro a cinco semanas, também é bastante grave. “Pode ser uma calamidade”, referiu Marques Mendes, assumindo que “quando recuperamos o turismo, o SEF faz greve”.

Recomendadas

Pressão nos hospitais pode subir com aumento de infeções entre pessoas com mais de 80 anos

A preponderância da variante Delta no território português, que se verifica já em todas as regiões de saúde do país, poderá levar a um aumento da pressão nos serviços de saúde dado o ressurgimento das infeções entre a população acima dos 80 anos, que tem maior risco de doença grave.

Total de farmácias com testes rápidos comparticipados cresce para 406

O regime excecional prevê que cada pessoa possa realizar quatro testes rápidos por mês totalmente comparticipados desde que ainda não tenham certificado de vacinação completa ou um certificado que ateste que recuperaram da doença.

Portugal já garantiu mais 24 milhões de vacinas até 2023 caso sejam precisas mais do que duas doses

As preocupações com a eficácia dos fármacos até agora aprovados na UE contra as novas variantes mais contagiosas do coronavírus levaram à possibilidade de uma terceira dose da vacina, algo que o Infarmed alerta que carece ainda de dados.
Comentários