Concentração de gases CO2 deverá atingir novo máximo devido aos incêndios na Austrália

A concentração de dióxido de carbono deverá atingir um pico acima de 417 partes por milhão em maio deste ano, enquanto a média do ano deverá rondar os de 414 ppm, até quase 3 ppm acima da média do ano passado, denuncia o Met Office no Reino Unido.

A concentração de dióxido de carbono (CO2) na atmosfera este ano deverá revelar um dos maiores aumentos anuais desde que as medições começaram em 1958. A maior contribuição deverá ser da autoria dos incêndios deste ano na Austrália, revela uma pesquisa do Met Office do Reino Unido, divulgada esta sexta-feira.

A concentração de CO2 deverá atingir um pico acima de 417 partes por milhão (ppm) em maio deste ano, enquanto a média do ano deverá rondar os de 414 ppm, até quase 3 ppm acima da média do ano passado.

As emissões provocadas pelo homem são o principal responsável pelo aumento a longo prazo das concentrações de CO2 na atmosfera, que é a principal causa das alterações climáticas. No entanto, somados a isso, sabe-se que os padrões climáticos relacionados às oscilações nas temperaturas do Oceano Pacífico afetam a absorção de CO2 nos ecossistemas terrestres, explica o relatório.

Numa altura em que há um Pacífico tropical mais quente, muitas regiões tornam-se mais quentes e secas, o que limita a capacidade das plantas de crescer e absorver CO2 e aumenta o risco de incêndios florestais, que libertam mais emissões. Juntamente com outros padrões climáticos e alterações climáticas induzidas pelo homem, isso contribuiu para o recente clima quente e seco na Austrália, que desempenhou um papel fundamental na gravidade dos incêndios florestais, argumenta o Met Office.

Espera-se que o impacto dos padrões climáticos nos ecossistemas aumente a concentração de CO2 em mais 10% este ano e as emissões dos incêndios florestais contribuam com até um quinto desse aumento, informou o Met Office.

“Embora a série de níveis anuais de CO2 sempre tenha visto um aumento ano a ano desde 1958, impulsionada pela queima de combustíveis fósseis e pela desflorestação, a taxa de aumento não é consistente porque existem flutuações na resposta dos sumidouros de carbono do ecossistema, especialmente florestas tropicais ”, explicou Richard Betts, do Met Office. “No geral, espera-se que sejam mais fracos do que o normal pelo segundo ano consecutivo”, acrescentou.

Ler mais
Recomendadas

Fundação Gulbenkian e LoopCo vão premiar comportamentos sustentáveis

Reciclar um saco de resíduos pode significar uma recompensa de 0,50 cêntimos e recolher beatas na Latada pode desbloquear uma viagem de 5 euros na Bolt. Além de promover uma vida cada vez mais saudável e incentivar os mais jovens a proteger o ambiente, a UniLoop vai também permitir avaliar a reação das novas gerações a programas de incentivo, como alternativa às abordagens mais clássicas como a proibição, sanção ou tributação.

Excesso de azoto ameaça 14% dos locais da Rede Natura 2020 na Península Ibérica ocidental

A rede Natura 2000 é uma rede de áreas protegidas composta por cerca de 26 mil locais que representam um quinto do território europeu, oferecendo proteção a espécies e ‘habitats’ ameaçados da Europa.

Cinco movimentos cívicos do Minho manifestam-se em Viana do Castelo contra lítio

O Governo quer criar em 2020 um ‘cluster’ do lítio e da indústria das baterias e vai lançar um concurso público para atribuição de direitos de prospeção de lítio em nove áreas do país. Movimentos fazem manifestação “pacífica” de contestação.
Comentários