Concentração de gases CO2 deverá atingir novo máximo devido aos incêndios na Austrália

A concentração de dióxido de carbono deverá atingir um pico acima de 417 partes por milhão em maio deste ano, enquanto a média do ano deverá rondar os de 414 ppm, até quase 3 ppm acima da média do ano passado, denuncia o Met Office no Reino Unido.

A concentração de dióxido de carbono (CO2) na atmosfera este ano deverá revelar um dos maiores aumentos anuais desde que as medições começaram em 1958. A maior contribuição deverá ser da autoria dos incêndios deste ano na Austrália, revela uma pesquisa do Met Office do Reino Unido, divulgada esta sexta-feira.

A concentração de CO2 deverá atingir um pico acima de 417 partes por milhão (ppm) em maio deste ano, enquanto a média do ano deverá rondar os de 414 ppm, até quase 3 ppm acima da média do ano passado.

As emissões provocadas pelo homem são o principal responsável pelo aumento a longo prazo das concentrações de CO2 na atmosfera, que é a principal causa das alterações climáticas. No entanto, somados a isso, sabe-se que os padrões climáticos relacionados às oscilações nas temperaturas do Oceano Pacífico afetam a absorção de CO2 nos ecossistemas terrestres, explica o relatório.

Numa altura em que há um Pacífico tropical mais quente, muitas regiões tornam-se mais quentes e secas, o que limita a capacidade das plantas de crescer e absorver CO2 e aumenta o risco de incêndios florestais, que libertam mais emissões. Juntamente com outros padrões climáticos e alterações climáticas induzidas pelo homem, isso contribuiu para o recente clima quente e seco na Austrália, que desempenhou um papel fundamental na gravidade dos incêndios florestais, argumenta o Met Office.

Espera-se que o impacto dos padrões climáticos nos ecossistemas aumente a concentração de CO2 em mais 10% este ano e as emissões dos incêndios florestais contribuam com até um quinto desse aumento, informou o Met Office.

“Embora a série de níveis anuais de CO2 sempre tenha visto um aumento ano a ano desde 1958, impulsionada pela queima de combustíveis fósseis e pela desflorestação, a taxa de aumento não é consistente porque existem flutuações na resposta dos sumidouros de carbono do ecossistema, especialmente florestas tropicais ”, explicou Richard Betts, do Met Office. “No geral, espera-se que sejam mais fracos do que o normal pelo segundo ano consecutivo”, acrescentou.

Ler mais
Recomendadas

Mercadona elimina sacos plásticos de uso único em todas as lojas

A cadeia de distribuição espanhola passa a disponibilizar sacos feitos de fécula de batata, que podem ser reciclados. Está previsto um investimento de 140 milhões de euros nos próximos quatro anos para reduzir a utilização de plástico.

Ministro do Ambiente participa em cimeira para debater alterações climáticas

Segundo o Ministério do Ambiente, será debatida nesta cimeira organizada pelso Países Baixos uma agenda de adaptação global com compromissos para materializar esforços e parcerias, de forma a aumentar a resiliência em relação aos efeitos das alterações climáticas.

Lipor exige reversão das medidas do Governo no sector dos resíduos sólidos

O sistema multimunicipal que reúne oito autarquias da Área Metropolitana do Porto e se dedica à recolha e tratamento de resíduos sólidos urbanos critica o Ministério do Ambiente e prevê perdas de receitas e aumento de custos na ordem dos 44 milhões de euros nos próximos cinco anos e a subida de tarifas a cobrar aos munícipes.
Comentários