Concorrência dá ‘luz verde’ à compra de seis parques solares em Lisboa pela Finerge

A compra pela produtora de energia renovável Finerge de seis parques solares, em Lisboa, com 17,8 megawatts (MW) de capacidade instalada, à Luxbon Solar, recebeu ‘luz verde’ da Autoridade da Concorrência (AdC), segundo um aviso publicado.

Presidente do Conselho de administração da Autoridade da Concorrência, Margarida Matos Rosa

O Conselho de Administração da AdC, na terça-feira, deliberou adotar uma decisão de não oposição à operação de concentração, considerando que a mesma não é suscetível de criar entraves significativos à concorrência efetiva no mercado nacional.

A produtora de energia renovável tinha notificado no início do mês o regulador da compra do controlo exclusivo da empresa portuguesa Rose-HS1, detida e controlada em exclusivo pela Luxbon Solar e cuja atividade principal é avaliar e desenvolver infraestruturas, serviços, projetos e estudos, designadamente de energias renováveis.

O negócio – segundo informou o grupo Finerge em comunicado uma semana antes da notificação à AdC – representa um aumento de 47% da capacidade instalada de energia solar da Finerge, que detém seis centrais fotovoltaicas em Espanha, diversificando o portefólio, onde predomina a energia eólica.

A compra à Luxbon Solar surgiu depois de, em abril, o grupo Finerge ter notificado a AdC da sua entrada no negócio da energia solar em Portugal, através da compra de quatro centrais fotovoltaicas à Glenmont Partners, uma sociedade gestora, com sede no Reino Unido, especializada em ativos de geração de energias renováveis.

A Finerge dispõe, atualmente, de 46 parques eólicos e 10 parques solares em Portugal, bem como uma capacidade instalada de 47,6 MW.

Fundada em 1996, a empresa tem 659 aerogeradores instalados nas 53 centrais eólicas que explora e nas 16 centrais solares e fotovoltaicas na Península Ibérica.

No total, a empresa tem uma capacidade instalada de 1.339 MW, produzindo cerca de 3.200 gigawatts por hora (GWh) ao ano, e emprega, direta e indiretamente, sensivelmente, 200 trabalhadores.

Ler mais
Recomendadas

“Sobreviver a Pão e Água”. “Centenas” de membros do movimento dispostos a regressar à greve de fome se Governo não aprovar medidas exigidas

Movimento diz que Governo disse que iria apresentar em breve várias das medidas por si exigidas. Se até dia 11 de dezembro, não apresentar as restantes medidas ameaçam que com o regresso à greve de fome em frente ao Parlamento e por todo o país, com “mais de uma centena de pessoas”.

Sindicato denuncia que Ryanair se prepara para despedir 23 tripulantes no Porto enquanto abre processo de recrutamento

O SNPVAC denuncia que, ao mesmo tempo que a companhia aérea avança para o despedimento coletivo, já está a realizar cursos para novos tripulantes “violando grosseiramente o Código de Trabalho”, segundo o sindicato.

Costa adia anúncio de medidas de apoio para as rendas do comércio e da restauração

A 21 de novembro, o primeiro-ministro anunciou que as medidas de apoio para as rendas de lojas e restaurantes seria anunciada nos dias seguintes. Passados 15 dias, o Governo ainda não anunciou os apoios e adiou para a próxima semana.
Comentários