Concorrência nos pólos urbanos é oportunidade para o interior

O digital está a mudar o outsourcing em diversas áreas e atualmente constitui oportunidades de diferenciação e de negócio para as empresas e para o desenvolvimento do interior do país. Portugal está no mapa na transformação digital.

Em Portugal, a ideia de que o outsourcing era um mero instrumento de suporte às atividades secundárias da cadeia de valor das empresas tem vindo a perder fulgor. A conjuntura económica do país, a qualificação do capital humano nacional e a aposta na transformação digital em diversas áreas da sociedade têm contribuído, em simultâneo, para a consolidação da externalização de serviços enquanto um fator de diferenciação das empresas contratantes.

Esta é a visão do vice-presidente da Accenture Portugal, Nuno Pignatelli, a quem seus “clientes procuram parceiros diferenciadores, que lhes tragam inovação, que os ajudem a transformar as suas operações e que se comprometam com os resultados de negócio”.

Os players de outsourcing deixaram de ser encarados como “empresas de bodyshopping”, isto é, empresas “cujo negócio se resumia à venda de recursos a preços competitivos”, explicou Pignatelli.

Aliás, o setor é um cruzamento entre a tecnologia e as pessoas. Enquanto o outsourcing é “cada vez mais um negócio de automação, robotização e inteligência artificial, o papel das pessoas está a evoluir para funções de gestão, otimização e inovação”, revelou o vice-presidente da Accenture.

A estratégia digital by default, transversal à sociedade portuguesa, desde o poder político até ao setor privado, não é alheia ao outsourcing. No entanto, apesar de não haverem “recursos suficentes com os skills necessários para acompanhar esta evolução tecnológica”, Pignatelli vê na digitalização do outsourcing uma alavancarpara a criação de emprego em Portugal. “Portugal [tem de ser] proativo e inovador na requalifiação dos recursos humanos e poderá vir a estar numa posição única de passar para vanaguarda da transformação digital na União Europeia”, revelou.

As infraestruturas, no entender do vice-presidente da Accenture, já existem, sendo apenas uma questão de as potenciar. “Temos das melhores universidades do mundo, um conhecimento enorme em idiomas. Eventos como o Web Summit e a criação da Startup Lisboa vieram colocar Portugal no mapa da comunidade tecnológica”.

Além disso, “esta realidade faz com que um grande número de empresas ligadas à tecnologia e inovação estejam interessadas em Portugal para sedear os seus centros de inovação e tecnologia”, sustentou Pignatelli.

O outsourcing tem evoluido enquanto suporte de transformação digital às empresas, incluindo as  PME portuguesas. Segundo Pignatelli, estas “já estão a fazer um esforço significativo para se modernizarem e para adoptar estratégias que levam à automação de processos gannhando assim mais vantagens competitivas”. No entanto, também confessou que ainda há coisas a fazer, sendo “necessárias mais medidas de apoio e incentivos ao investimento que levem estas empresas a confiar e abraçar as oportunidades de transformação digital”.

A concorrência intensa nos pólos urbanos leva a deslocalização para de recursos especializados para a prestação de serviços de outsourcin. “Cada vez mais se vêem empresas a deslocarem-se para o interior do país, [para] cidades como Braga, Évora, Viseu ou Covilhã, que são grandes dinamizadoras de serviços em outsourcing”, disse Pignatelli.

O outsourcing constitui assim oportunidades diversas para o mercado nacional.

Ler mais
Recomendadas

O mercado acionista de A a Z

Os mercados acionistas utilizam uma terminologia própria. Para ajudar a compreender os conceitos e apoiar os investidores, a Euronext construiu um glossário, que explica o essencial.

Pequeno guia fiscal sobre tributação de mais-valias e dividendos

A tributação de mais-valias e dividendos podem ser “um labirinto”. Se tiver ações da Apple e receber dividendos, descubra como proceder.

Imóveis acima de dois milhões de euros vão pagar mais imposto

Novo escalão de IMI foi integrado pelo Executivo no OE2019. Associação Lisbonense de Proprietários diz que terá um “impacto orçamental marginal” nas contas públicas, mas com reflexos nos preços das casas.
Comentários