Concurso da primeira fase de escavação do novo hospital da Madeira teve seis propostas

De entre as seis propostas os valores variam entre os 18,8 milhões de euros e os 27,9 milhões.

O concurso da primeira fase de escavação e contenções periféricas do novo Hospital Central da Madeira, lançado a 24 de setembro, com o valor base de 28 milhões de euros, teve seis propostas, anunciou esta quarta-feira o Governo Regional.

As seis propostas foram apresentadas por Socicorreia, Alexandre Barbosa Borges S.A., Sacyr Somague S.A., Afavias, um consórcio entre ETERMAR, Constructora San José, HCI Construções e Alves Ribeiro S.A, e outro consórcio entre Tecnovia Madeira e Teixeira Duarte, totalizando assim dez empresas de construção civil e obras públicas.

De entre as seis propostas os valores variam entre os 18,8 milhões de euros e os 27,9 milhões. A salientar ainda que duas empresas referiram que, embora estivessem interessadas no concurso, não entregaram propostas pois não conseguiram enquadrar no preço base do procedimento, nomeadamente a Ramalho Rosa Cobetar e a Lena Engenharia e Construções.

Conforme previsto no programa do procedimento, terminou na passada terça-feira, 27 de outubro, o prazo dado aos interessados para a apresentação de propostas a este concurso público.

O júri do procedimento inicia hoje a análise das propostas submetidas à concorrência, com finalidade a apresentação, ao Governo Regional, de uma proposta de ordenação das mesmas, tendo por base o critério de adjudicação previamente definido, o de melhor preço/qualidade.

Recomendadas

O que devo fazer se emigrar e tiver um contrato de telecomunicações

Se o contrato previr este caso, basta referi-las à operadora, mas se tal não está expresso, pode tentar apelar à compreensão da empresa: exponha a situação por escrito e inclua comprovativos de que vai mudar de país, sendo uma alteração de circunstância em causa. Poderá ainda avançar para um julgado de paz ou centro de arbitragem de conflitos de consumo. Mas primeiro faça as contas ao que falta pagar do período de fidelização e aos custos do processo.

Madeira: eurodeputada do PS critica falta de transparência nos contratos com farmacêuticas para a vacina contra covid-19

A eurodeputada Sara Cerdas pediu ainda um ponto de situação sobre a capacidade de produção da vacina na União Europeia e sugeriu a criação de um dashboard europeu de monitorização do processo de distribuição de vacinas.

Cancelar carnaval acrescenta segurança ao destino Madeira, afirma secretário regional do Turismo

O governante esclareceu que “a opção tomada pelo Governo Regional em cancelar o Carnaval [em 31 de dezembro 2020] vem salvaguardar o interesse que se atribui à saúde pública”. Eduardo Jesus afirma que, “neste momento, impõem-se todas as decisões que contribuam para o restabelecer da normalidade”, salientando que o cancelamento do Carnaval “constitui, sem qualquer dúvida, um grande contributo nesse sentido”.
Comentários