Condomínios não podem proibir alojamento local, diz Supremo Tribunal

A decisão do Supremo Tribunal vai contra a do Tribunal da Relação de Lisboa, que considerou legítima a proibição, em sede de condóminos, da exploração da atividade de alojamento local num prédio em Lisboa.

O Supremo Tribunal de Justiça aprovou esta quarta-feira o arrendamento de prédios de habitação para alojamento local por parte de proprietários de frações autónomas. A decisão vai contra o que já havia sido decidido pelo Tribunal da Relação de Lisboa e opõem-se à vontade manifestada por vários condóminos, que querem terminar com o alojamento de prédios destinados a habitação permanente para turistas.

Segundo avança o jornal ‘Público’, a decisão do Supremo Tribunal aparece na sequência de um recurso da decisão do Tribunal da Relação de Lisboa, que considerou legítima a proibição, em sede de condóminos, da exploração da atividade de alojamento local num prédio em Lisboa.

Contrariamente ao decidido pelo Tribunal da Relação, o acórdão do Supremo dá agora conta de que o condomínio não tem autoridade para impedir o alojamento local, uma vez que, à luz da legislação em vigor, a atividade não viola o título constitutivo da propriedade horizontal (prédio com várias frações autónomas que são propriedade de vários proprietários).

A Associação do Alojamento Local em Portugal, ALEP, aprova a decisão do Supremo Tribunal, considerando que “é fundamental promover o espírito de boa vizinhança e de cooperação entre os proprietários que desempenham a atividade do alojamento local e as assembleiasde condomínios”, com o objetivo de “garantir o respeito pelos interesses de todos: proprietários, condomínios, inquilinos e turistas”.

A oferta de alojamento local tem vindo a aumentar exponencialmente nos últimos dois anos, especialmente nos grandes centros urbanos de Lisboa e Porto. A tendência está a motivar inúmeras queixas de condomínios devido ao barulho e à falta de privacidade nas áreas comuns.

Recomendadas

Vítor Bento diz que o crescimento económico vai desacelerar na próxima década

O economista lembrou a instabilidade fiscal e os impostos especiais sobre lucros que “estão a desincentivar a acumulação de capital e o investimento e nós precisamos de aumentar o capital para aumentar a produtividade, logo essa política não favorece o aumento de salários. Essa hostilidade ao capital é a promoção da política de salários baixos”.

Turismo: dormidas de residentes crescem 24,4% no Algarve

O crescimento expressivo do mercado interno faz com que em dez meses de 2018 já se tenham realizado mais dormidas de turistas nacionais (mais de 4,1 milhões) do que em todo o ano 2017 (perto de 4 milhões).

Associação de Gestão de Resíduos apoia projetos de economia circular com 18 mil euros

Destinada a instituições de ensino superior e de investigação – alunos ou investigadores –, ao sector empresarial, a associações de desenvolvimento, a instituições sociais, à comunidade artística e a outras entidades e particulares, as candidaturas à Academia Electrão decorrem até 12 de abril.
Comentários