Confederações criam Conselho Nacional das Confederações Patronais para acelerar recuperação económica

O Conselho Nacional das Confederações Patronais pretende defender os interesses em comum, nomeadamente, o da iniciativa privada, da economia de mercado, a defesa das empresas e a promoção do empreendedorismo.

Cristina Bernardo

A Confederação dos Agricultores de Portugal (CAP), a Confederação do Comércio e Serviços de Portugal (CCP), a Confederação Empresarial de Portugal (CIP), a Confederação Portuguesa da Construção e do Imobiliário (CPCI) e a Confederação do Turismo de Portugal (CTP) criaram, esta terça-feira, o Conselho Nacional das Confederações Patronais (CNCP).

Em comunicado divulgado, esta terça-feira, é explicado que o Conselho Nacional das Confederações Patronais (CNCP) pretende defender os interesses em comum, sendo estes: “o primado da iniciativa privada e da economia de mercado, a defesa das empresas, a promoção do empreendedorismo, a dignificação dos empresários e a valorização dos seus colaboradores e o crescimento da economia e a partilha da riqueza criada”.

Assim, o CNCP exige “por um lado, a preservação do tecido produtivo existente, por outro, a reorientação do nosso modelo de crescimento e de desenvolvimento económico e social, enfrentando os problemas que travam (e nalguns casos bloqueiam) a produtividade, a competitividade e o crescimento das empresas”.

“Sabemos que o crescimento depende de ganhos da produtividade total dos fatores, da tecnologia e da acumulação de capital físico e
humano. Os ganhos de produtividade dependem de melhorias na organização dos fatores de produção e da qualidade das instituições”, sublinha Eduardo Oliveira e Sousa, porta-voz do CNCP.

Para o CNCP a recuperação dos diferentes sectores só será possível se existirem “leis e regulamentos que promovam a liberdade económica”, mas também “eficácia e celeridade do sistema judicial” e desburocratização da Administração Pública.

“Portugal precisa de crescer, de unir esforços, de criar mais valor. As empresas portuguesas e a iniciativa privada são o motor da economia”, garante o CNCP.

Recomendadas

Governo recebe 300 milhões da CGD em dividendos extraordinários

Com este dividendo extraordinário, o Estado recebe ao todo em 2021, da CGD, 383,6 milhões de euros.

“Teletrabalho? Caberá ao empregador pagar o acréscimo de custos em virtude do trabalho remoto”

“Ficou claro que caberá ao empregador pagar tudo o que seja relativo à aquisição de equipamentos e de instrumentos de trabalho: computadores, tablets, telemóveis, impressoras, etc. Por outro lado, caberá ao empregador pagar o acréscimo de custos que o trabalhador comprovadamente demonstrar serem relativos ao teletrabalho”, realçou Maria João da Luz, advogada sénior da Morais Leitão.

Haitong Bank liderou a emissão de obrigações da Mota-Engil num sindicato que incluiu CaixaBI, Finantia e Novobanco

Nesta emissão, a Mota-Engil compromete-se a melhorar um indicador (KPI) de modo a alcançar a uma meta de desempenho de sustentabilidade (SPT) em 31 de dezembro de 2025; caso a emitente não cumpra esse objetivo, pagará uma remuneração adicional de 1,25 euros por obrigação Mota-Engil 2026 na data de reembolso final do empréstimo.
Comentários