Congressista luso-americano diz que relatório Mueller ignorou abusos do FBI

O congressista luso-americano Devin Nunes reagiu à divulgação do relatório do procurador-especial Robert Mueller, considerando que este “ignorou uma série ampla de abusos” que teriam sido “cometidos durante a investigação do FBI” à campanha de Donald Trump.

Num comunicado divulgado após a publicação das 448 páginas do relatório Mueller, Nunes afirmou que a maior conclusão das investigações relacionadas com a Rússia, que caracterizou como “embuste”, é que “as capacidades de contra-inteligência da nação nunca mais devem ser abusadas para atingir os oponentes políticos de uma administração”.

O congressista luso-americano nomeou como entidades coniventes nesse “esforço” de atingir a campanha de Donald Trump os meios de comunicação social, a firma de pesquisa Fusion GPS, envolvida na elaboração do dossiê Steele, os líderes do partido Democrata no Congresso, a campanha de Hillary Clinton e líderes de agências de inteligência com inclinação partidária.

Todos “devem pedir desculpa às pessoas inocentes que difamaram e ao povo americano que enganaram”, declarou Devin Nunes, que representa o 22.º distrito da Califórnia pelo partido Republicano.

O luso-descendente sustentou a sua posição afirmando que “alegações falsas do dossiê Steele” tiveram um papel importante na nomeação de um procurador-especial e no pedido de vigilância de Carter Page, ex-conselheiro estratégico para questões internacionais da campanha de Donald Trump.

Essa conclusão, disse Nunes, “é clara” devido à revelação que o procurador especial estava autorizado desde o início a investigar Carter Page por alegado conluio com operacionais russos para influenciar as eleições presidenciais de 2016.

O luso-descendente considerou que a génese da investigação foi abusiva porque o FBI induziu em erro o tribunal que autorizou a vigilância a Carter Page, algo que acusou Mueller de ignorar no relatório.

Devin Nunes liderou o Comité de inteligência da Câmara dos Representantes enquanto o partido Republicano esteve em maioria e no relatório que elaborou concluiu não haver provas de coordenação entre a campanha de Donald Trump e a Rússia.

No programa de Sean Hannity na Fox News, o luso-descendente disse que ler o relatório Mueller será “uma perda de tempo” e na sua conta da rede social Twitter direcionou os utilizadores para o relatório publicado pelo comité que então liderava.

“Leiam um relatório real feito pelos Republicanos do Comité de Inteligência da Câmara dos Representantes – terminando há mais de um ano”, escreveu o congressista na rede social.

“Custou menos 30 milhões e não parece uma novela de má qualidade sobre espiões russos”, disse.

Após a conferência de imprensa que precedeu a divulgação do relatório de Robert Mueller, o procurador geral Bill Barr foi acusado pelos Democratas de induzir em erro o Congresso e o público com um resumo das conclusões do procurador especial que não correspondem, no seu entender, ao que pode ser agora lido no relatório final.

Ler mais
Recomendadas

Sismo de magnitude de 5,1 registado no Japão

Um abalo sísmico com uma magnitude de 5,1 na escala aberta de Richter foi hoje sentido na capital do Japão, Tóquio, não havendo informação sobre vítimas ou danos materiais elevados.

Maioria parlamentar na Guiné-Bissau avisa que protesto é a “última exigência pacífica”

Os partidos da maioria parlamentar da Guiné-Bissau avisaram que a marcha hoje realizada é a última exigência pacífica para a nomeação do primeiro-ministro e formação do Governo, depois das legislativas de 10 de março.

Agências de espionagem dos EUA cedem informações a investigação sobre interferência russa

O diretor dos serviços secretos nacionais norte-americanos, Dan Coats, disse hoje que as agências de espionagem irão fornecer ao Departamento de Justiça informações para revisão das atividades de inteligência relacionadas com a alegada interferência russa nas eleições de 2016.
Comentários