Conheça as vantagens de um carro a hidrogénio

O conjunto de células instaladas em série no automóvel juntam o hidrogénio presente no tanque de abastecimento do veículo ao oxigênio retirado do ambiente exterior. Esta junção produz uma reação que por sua vez é aproveitada para gerar energia elétrica. É esta energia gerada através da reação que alimenta o motor elétrico e carrega a bateria do automóvel.

Como funciona um automóvel a hidrogénio e quais são as suas vantagens?

Os automóveis a hidrogénio são veículos elétricos que utilizam o hidrogénio como fonte de energia. A principal diferença entre este automóvel e os restantes veículos elétricos é a seguinte: os automóveis a hidrogénio produzem a sua eletricidade no próprio veículo, não sendo necessária uma ligação à rede elétrica.

O conjunto de células instaladas em série no automóvel juntam o hidrogénio presente no tanque de abastecimento do veículo ao oxigênio retirado do ambiente exterior. Esta junção produz uma reação que por sua vez é aproveitada para gerar energia elétrica. É esta energia gerada através da reação que alimenta o motor elétrico e carrega a bateria do automóvel.

Os automóveis a hidrogénio também possuem uma bateria, mas mais pequena que a dos restantes veículos elétricos sendo utilizada somente na fase de arranque e nos momentos em que é exigido ao automóvel atingir certos picos elevados de potência.

Se o oxigénio utilizado no processo de geração de energia é extraído do meio ambiente, o mesmo não acontece com o hidrogénio. Assim, é necessário abastecer o veículo com este elemento químico que é o hidrogénio. Outra vantagem perante os restantes veículos elétricos prende-se com o seguinte facto: um abastecimento de 6 quilos de hidrogénio pode demorar apenas cerca de cinco minutos e é o suficiente para atingir a autonomia total da maioria destes veículos.

A tecnologia denominada por “fuel cell” não emite gases poluentes e é mais amiga do ambiente porque permite filtrar e purificar o ar durante a condução, já que estes veículos emitem vapor de água e oxigénio. O facto de não serem carregados através de ligação à rede de energia elétrica pode ser tido como outro benefício face aos automóveis convencionais.

Em caso de acidente, o hidrogénio evapora, sendo mais seguro que os veículos que utilizam combustíveis fósseis.

Os maiores obstáculos atuais consistem na inexistente rede de produção e abastecimento de hidrogénio nacional, bem como no facto das matérias-primas utilizadas para produzir as baterias destes veículos serem caras, fazendo com que os próprios veículos tenham preços mais elevados.

No entanto, espera-se que a evolução da tecnologia seja possível a utilização de outros materiais, resultando numa diminuição do preço de venda destes automóveis, beneficiando de uma forma geral, o meio ambiente.

Conte com o apoio da DECO MADEIRA através do número de telefone 968 800 489/291 146 520, do endereço eletrónico deco.madeira@deco.pt. Pode também marcar atendimento via Skype. Siga-nos nas redes sociais Facebook, Twitter, Instagram, Linkedin e Youtube!

Ler mais
Recomendadas

Deco alerta para “abusos” na cobrança da taxa de entrega de garrafas de gás

Pela segunda vez, em menos de um ano, o Governo volta a fixar preços máximos para o gás engarrafado, mas “há que ter atenção a abusos na cobrança da taxa de entrega”, alerta a Associação Portuguesa para a Defesa do Consumidor (Deco). Associação revela que alguns distribuidores passaram a cobrar montantes superiores a quatro euros para entregar as garrafas em casa dos consumidores confinados.

Saiba que seguros deve contratar num crédito à habitação

Para além do seguro vida, existe ainda outro seguro exigido pelos bancos. Referimo-nos ao seguro multirrisco, que visa, sobretudo, contratar a proteção da casa. Este tipo de seguro apresenta cobertura contra incêndios e fenómenos sísmicos. Também neste caso, o consumidor pode contratar noutra instituição que não a do banco onde conseguiu o crédito habitação.

Supermercados impedidos de vender livros, roupa ou brinquedos a partir de hoje

Este tipo de produtos pode ser vendido através de comércio eletrónico com entrega ao domicílio, ou pelos estabelecimentos que mantenham as portas fechadas, mas que vendam ao postigo ou através de sistemas tipo ‘click and collect’. A CIP já veio a público criticar esta decisão por considerar que “vem causar maiores danos económicos às empresas portuguesas”.
Comentários