Conheça os 37 projetos já aprovados pelo Governo no âmbito do hidrogénio verde

No documento da responsabilidade do MAAC – Ministério do Ambiente e da Ação Climática não são revelados valores de investimento para qualquer um dos projetos referenciados. 

O projeto do hidrogénio verde em Portugal, que tanta polémica tem gerado nos últimos tempos, em particular na última semana, está longe de se limitar ao consórcio mais conhecido da EDP/Galp/REN/Martifer/Vestas, estando neste momento aprovados 37 projetos que envolvem empresas públicas e privadas, universidades e institutos politécnicos, organizações autárquicas e outras instituições.

The Navigator Company, Altri, Bondalti Chemicals (Grupo José de Mello), Dourogás, Turbogás, Tejo Energia, Prio, ISQ – Instituto de Soldadura e Qualidade, MAN – Energy Solutions, Grupo José Luís Simões, CaetanoBus, CP e Grupo Águas de Portugal são apenas algumas das empresas, a maioria delas integrada em consórcios mais vastos, que já viram aprovados os seus projetos no âmbito do projeto do hidrogénio verde, conforme o Jornal Económico apurou.

Também o Instituto Politécnico de Portalegre, a FEUP – Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto, FCT – Faculdade de Ciência e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa, Associação do IST – Instituto Superior Técnico para Investigação & Desenvolvimento são instituições universitárias que apresentaram projetos já aprovados, assim como organizações autárquicas, como a CIM – Comunidade Intermunicipal do Médio Tejo.

No documento da responsabilidade do MAAC – Ministério do Ambiente e da Ação Climática não são revelados valores de investimento para qualquer um dos projetos referenciados.

A Águas de Portugal, teve luz verde para o seu projeto de hidrogénio para o grupo que lidera; a Altri também foi autorizada a avançar com o seu projeto de descarbonização do setor da produção de pasta de papel, enquanto a The Navigator Company também recebeu aval para seguir com o projeto de combustão mista com hidrogénio verde.

O consórcio formado pela AkuoEnergy e Solarbelt receberam autorização para o projeto de construção de uma unidade fabril de combustível de hidrogénio para aviões a jato, ao passo que a Bondalti Chemicals (Grupo José de Mello) foi autorizada para avançar com o projeto H2Enable – The Hydrogen Way for Our Chemical Future’, em Esgtarreja.

Por seu turno, a CP criou um consórcio com CaetanoBus , FEUP – Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto, Nomad Tech e Associação Portuguesa para a Promoção do Hidrogénio para desenvolver o seu projeto ‘H2Rail – Descarbonização do transporte ferroviário de pessoas’.

Além do mais conhecido consórcio formado pela EDP, Galp, REN Martifer e Vestas, para o desenvolvimento de um ‘cluster’ de hidrogénio verde em Portugal para apoiar a transição energética nacional e europeia, também o agrupamento formado pela EnergiePulse Systems, Lda/GIAAPP – ISEL/Laboratórios de Nanofísica/Nanotecnologia e Energia (NLE)/Centro de Tecnologia e Sistemas – Uninova, FCT – Faculdade de Ciências e Tecnologia – UNL – Universidade Nova de Lisboa recebeu aprovação para o seu projeto neste domínio, para o acompanhamento técnico da construção, operação e reconversão de infraestruturas para a produção, transporte e abastecimento de hidrogénio, usando técnicas avançadas de inspeção e monitorização.

A EQS recebeu luz verde para o desenvolvimento de uma plataforma digital de recolha de dados em tempo real de produção e consumo de hidrogénio, enquanto a FPV Holdings, Lda foi também agraciada em relação ao projeto de produção de eletricidade renovável para eletrólise através de um central solar flutuante e produção de hidrogénio verde.

A Fusion Welcome, em associação com a FUEL, tiveram ‘ok’ para avançar com o projeto de produção de combustível de fusão (‘fusion fuel’), ao mesmo tempo que o consórcio da Iberis – Gestão de Energia, SA, PRF,  CETIL, Dispensing Technology SL e Dourogás Renovável também foram autorizados a prosseguir com o projeto H2CS, Hidrogénio Verde no Corredor Ferroviário Internacional Sul.

Já o ISQ – Instituto de Soldadura e Qualidade, associado ao Centro de Recursos Naturais e Ambiente e à Associação do Instituto Superior Técnico para a Investigação & Desenvolvimento, foram autorizados a prosseguir com o projeto para desenvolvimento da ferramenta de apoio à decisão para a operação de infraestruturas de armazenamento, transporte e distribuição de hidrogénio e misturas de gás natural com hidrogénio.

O mesmo com o agrupamento da JAF Energias Renováveis e da JAF Plus, Lda, para o projeto da JAF H2 Verde, sendo que o Grupo Luís Simões também recebeu luz verde para um projeto de hidrogénio em Mangualde.

Por seu turno, a PRF – Gás, Tecnologia e Construção, SA, viu aprovado o seu projeto para novas soluções para promover a cadeia de valor do hidrogénio, assim como o consórcio da Enforce – Engenharia de Energia, SA e da Prio Energy, para um projeto de produção de hidrogénio verde por eletrólise de águas residuais; tal como um outro agrupamento formado pela Prio Energy e Akuo Renováveis Portugal, para produção de hidrogénio verde no âmbito de produtos da economia circular.

Também foi dada luz verde aos projetos do agrupamento da Semurai Waste & Energy, SA; Circlemolecule, Lda; Recivalongo, Lda e Mestricubo, e da EnergyKeme, Lda e Self Energy Ltd, para uma nova unidade de produção em Sines.

A Smartenergy Invest AG recebeu luz verde para quatro projetos de produção de hidrogénio: no Cadaval, Mogadouro, Muge e Pinhal Novo, enquanto que a Voltalia recebeu autorização para mais dois, um sozinha, e outro em associação com a Ecobie – Engenharia, Lda, em Carreira, Leiria, o mesmo acontecendo com a Hyperion II Renewables Services Unipessoal, Lda, para uma central de produção híbrida no Alandroal, e para uma central de produção pura de hidrogénio em Setúbal.

Por fim, menção ainda para mais autorizações aos projetos dos consórcios formados pela CaetanoBus – Fabricação de Carroçarias, SA, Toyota Caetano Portugal e FEUP; Hexicon AB/Wunderhexicon SL/WunderOcean/InnovaKeme, Lda, para a construção de uma central flutuante de produção); Turbogás – Produção Energética, SA/Portugen Energia, SA e Trust Wind Services, Lda, para produção de hidrogénio verde para co-combustão com gás natural na Tapada do Outeiro e fornecimento de hidrogénio para o setor industrial e de mobilidade.

Além destes 37 projetos já aprovados, foram chumbados outros planos para produção de hidrogénio em Portugal, apresentados por empresas como a Solvay Portugal, Dourogás, Sonae Capital, Efacec, MAN ou Tejo Energia, por exemplo.

 

Recomendadas

Pandemia foi “catastrófica” para sector dos casamentos mas perspetiva é de retoma plena em 2022

Se o sector pensava que em 2021 teria um descanso face ao ano pandémico enganou-se dado que em janeiro do presente ano a economia voltou a ficar suspensa. “Na verdade, entre 2020 e 2021, foram praticamente 18 meses em que esta indústria esteve quase sempre parada, não digo 100% mas 80% em que não se verificou atividade”, refere o diretor-geral da ExpoNoivos.

Brisa selecionada operadora de autoestradas mais sustentável da Europa em 2021

Concessionária escolhida pela terceira vez no “Global Real Estate Sustainability Benchmark” da holandesa GRESB.

Entra hoje em vigor: descida de dois cêntimos no ISP da gasolina e de um cêntimo no ISP do gasóleo

No total, está prevista a devolução de 90 milhões de euros de receita de IVA aos consumidores. A questão agora é saber se as petrolíferas e gasolineiras vão repercutir este alívio no preço dos combustíveis na bomba.
Comentários