Conselho das Finanças Públicas revê em alta crescimento da economia nacional para 4,7% este ano

CFP está agora mais otimista do que o Governo, Bruxelas, FMI e OCDE, mas não atinge os 4,8% previstos pelo Banco de Portugal, a entidade mais otimista sobre o desempenho da economia portuguesa para este ano.

O Conselho das Finanças Públicas (CFP) reviu em alta as suas estimativas portuguesas para este ano, prevendo agora um crescimento de 4,7% para 2021 e de 5,1% em 2022, depois de uma contração de 7,6% em 2020.

“Esta revisão em alta resulta da “incorporação do contributo da aprovação do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR), dos desenvolvimentos económicos a partir do segundo trimestre de 2021 e do levantamento das restrições à atividade económica num país com uma das mais elevadas taxas de cobertura vacinal do mundo”, começa por dizer a entidade liderada por Nazaré Cabral.

Em março deste ano, o CFP previa um crescimento económico de 3,3% para a economia nacional (reduzindo a sua previsão inicial de 4,8%), subindo agora em 1,4 pontos a sua previsão para este ano. Esta entidade está assim mais otimista do que as previsões de outras instituições: FMI (3,9%), ministério das Finanças (4%), OCDE (3,7%) e a Comissão Europeia (3,9%). A única estimativa mais elevada é a do Banco de Portugal que estima um crescimento de 4,8%.

No médio prazo, o “crescimento da atividade económica deverá convergir para valores em torno do crescimento do produto potencial (2,0%)”.

No mercado de trabalho, o CFP prevê uma subida do desemprego para uma taxa de 7,3% este ano, estabilizando nos 6,4% em 2025.

O Conselho prevê uma diminuição do défice orçamental dos 4,2% do PIB em 2021 para 1,6% em 2023, e a sua “quase estabilização” em 2024 (1,4%) e em 2025 (1,3%).

Já o rácio da dívida “deverá descer ao longo de todo o horizonte de projeção, antecipando-se que atinja 114,1% do PIB em 2025, diminuindo 19,5 p.p. face ao verificado em 2020, sendo o ritmo de redução mais expressivo no primeiro biénio”.

Relacionadas

CFP avisa que Novo Banco e TAP são riscos para as contas públicas

O Conselho também considera que existe um “risco potencialmente elevado sobre o saldo orçamental e sobre o rácio da dívida pública nos próximos anos” relacionado com as garantias do Estado às moratórias bancárias.
Recomendadas

Consumo de combustíveis volta recuperar em setembro e cresce 10,46%, segundo a ENSE

O consumo de combustíveis aumentou 10,46% em setembro, num “contexto de progressiva normalização” do país e da economia, adiantou hoje, segunda-feira, a Entidade Nacional para o Setor Energético (ENSE), em comunicado.

Empresas vão receber mais de 12 mil milhões de euros do PRR e do Portugal 2030

As verbas acumuladas dos dois programas perfazem um acréscimo de 75% face ao que as empresas receberam no Portugal 2020, realçou ainda Nelson de Souza, esclarecendo que, nos próximos quadros de financiamento, vai “haver muito mais incentivos às empresas para a área das alterações climáticas”.

OE2022. Prazo para comunicação de faturas passa para dia 5 do mês seguinte ao da emissão

O prazo para as empresas remeterem à Autoridade Tributária e Aduaneira (AT) as faturas vai passar do dia 12 para o dia 5 do mês seguinte ao da emissão, segundo a proposta do Orçamento do Estado para 2022 (OE2022).
Comentários