Conselho das Ordens Profissionais aponta “tentativa de governamentalização” a projeto de lei do PS

Antecipando a aprovação da iniciativa legislativa socialista, representantes das ordens profissionais pedem aos grupos parlamentares que “ponderem devidamente as consequências” das mudanças no regime de acesso.

O Conselho Geral do Conselho Nacional das Ordens Profissionais (CNOP) aprovaram uma deliberação que aponta “tentativa de governamentalização” ao projeto de lei do PS que será votado em plenário nesta quarta-feira e visa alterar as atuais regras de acesso à profissão, retirando poderes às diversas ordens profissionais existentes em Portugal.

Na reunião que decorreu nesta segunda-feira, nas instalações da Ordem dos Advogados, foi considerado que a iniciativa legislativa do grupo parlamentar socialista “tem normas prejudiciais ao serviço público que prestam à sociedade”, na medida em que “atentam contra o seu funcionamento eficaz, democrático e independente”.

Antecipando o cenário de aprovação do projeto de lei, tendo em conta a provável abstenção do PSD, o CNOP apelou aos deputados com assento na Assembleia da República que “ponderem devidamente as consequências” para os direitos dos destinatários dos serviços que essas ordens asseguram atualmente. Se assim acontecer serão solicitadas audiências aos grupos parlamentares, ao Governo e ao Presidente da República.

O projeto de lei do PS, apresentado como visando o “reforço do interesse público, da autonomia e independência da regulação e promoção do acesso a atividades profissionais”, tem sido extremamente criticada pelas principais ordens profissionais.

 

Relacionadas
Iniciativa Liberal 25 de Abril

Iniciativa Liberal propõe extinção de 11 ordens profissionais

Ordem dos Economistas, Ordem dos Revisores Oficiais de Contas e Ordem dos Contabilistas Certificados encontram-se entre aqueles que os liberais pretendem ver desaparecer. Mas mesmo as ordens profissionais consideradas justificadas é apontado o defeito de se terem transformado em “corporações de defesa dos interesses instalados”.

Costa quer pacto salarial com as empresas e fim dos “entraves” nas profissões reguladas

António Costa começou por assinalar que as ordens profissionais cumprem a sua função de garantir a probidade no exercício da profissão e de assegurar o respeito pelas normas éticas e deontológicas, mas adiantou logo depois que “não podem ser entraves à liberdade no acesso à profissão”.

Proposta para limitar poder das ordens profissionais parte do “princípio de desconfiança”, diz bastonário dos psicólogos

Francisco Miranda Rodrigues admite que existem aspetos a melhorar nas ordens mas caracteriza-as “um bom exemplo” daquilo que pode ser regulado e afiança que esta mudança não deveria ser agora o foco do Governo e dos partidos. “
Recomendadas

“Falar Direito”. “Portugal não precisa de uma crise política”, analisa managing partner da Vieira de Almeida

“Gostaria que houvesse bom senso, ninguém precisa de uma crise político e muito menos de uma crise constitucional. Em relação aos nossos clientes, há uma expectativa de que o bom senso prevaleça. O nosso foco tem que ser a recuperação da economia”, realçou Paula Gomes Freire, em entrevista ao programa da plataforma multimédia JE TV.

“Falar Direito”. Programa de advocacia da JE TV já está disponível como podcast no Spotify

O mundo da advocacia está em destaque no programa “Falar Direito”, é o novo programa semanal da JE TV, que conta também com uma versão em podcast, com apresentação de Filipe Alves e Mariana Bandeira.

KPMG investe 3 milhões de euros na parceria com a Nova SBE

Além deste programa de bolsas, “a KPMG atribuiu um donativo à Fundação Alfredo de Sousa no valor de 1,5 milhões, estando em causa um investimento total na educação no valor de cerca de 3 milhões a realizar durante um período de dez anos”, avança a Nova SBE.
Comentários