Conselho Europeu de Inovação ganha oxigénio com mais 2 mil milhões de euros

Este mecanismo europeu encontra-se numa fase piloto. O valor será aplicado em iniciativas como o “Pioneiro” e o “Acelerador”, segundo a Comissão Europeia.

Cristina Bernardo

O Conselho Europeu de Inovação (EIC, na sigla inglesa) ainda se encontra em fase piloto, mas recebeu esta semana um novo estímulo para arrancar, com mais de 2 mil milhões de euros de financiamento em 2019-2020. A Comissão Europeia anunciou o reforço orçamental para este instrumento, que estará a funcionar a partir de 2021, no âmbito do próximo Programa de Investigação e Inovação Horizonte Europa, e que visa ajudar a transformar descobertas científicas em mudanças nas empresas, tornando-as escaláveis.

“Não vamos simplesmente pôr dinheiro em cima da mesa. Criámos todo um sistema de inovação para colocar a Europa na vanguarda das tecnologias e inovações estratégicas que moldarão o nosso futuro, como a inteligência artificial, as biotecnologias e a energia com emissões nulas”, afirma Carlos Moedas. O comissário europeu para a Investigação, Ciência e Inovação considera que o bloco deve concentrar atenções “nas necessidades dos inovadores, que são quem irá gerar emprego, reforçar a nossa competitividade global e melhorar a nossa vida quotidiana”, segundo as declarações divulgadas pela Comissão Europeia.

Onde será aplicado este montante?

  • Projetos «Pathfinder» (Pioneiro): apoiar tecnologias avançadas a partir da base de investigação – abriu esta terça-feira
  • Financiamento do «Accelerator» (Acelerador): ajudar empresas em fase de arranque e PME a desenvolverem e a transporem inovações para uma maior escala até que possam atrair investimento privado.

Desde 2017 que 1.276 projetos já beneficiaram de um financiamento global superior a 730 milhões de euros, alguns dos quais portugueses. Ontem, foram selecionadas mais 68 empresas europeias para um financiamento global de 120 milhões de euros no ceio do EIC. “Estão, por exemplo, a desenvolver uma tecnologia de pagamentos em linha baseada na cadeia de blocos, novos ecrãs eficientes do ponto de vista energético e uma solução para combater o ruído do tráfego (repartição dos beneficiários por país e por setor)”, explica a entidade liderada por Jean-Claude Juncker.

O Conselho Europeu vai debater inovação, indústria e competitividade entre quinta-feira e sexta-feira. Brevemente, aqueles que quiserem candidatar-se a ser um dos “gestores de programa” que a instituição está a recrutar para dar apoio a tempo inteiro também poderão fazê-lo. Além disso, a Comissão Europeia vai nomear entre 15 a 20 líderes em inovação para um conselho consultivo do EIC.

Conselho Europeu de Inovação premeia sete entidades em Portugal

Conselho Europeu de Inovação pode estar pronto a arrancar em 2021

Ler mais
Relacionadas

Carlos Moedas: “O Conselho Europeu de Inovação é o business angel do dinheiro público”

O comissário europeu para a Investigação, Ciência e Inovação, venceu esta quarta-feira o prémio de “Personalidade do Ano de Impacto Internacional” da Associação Portuguesa de Business Angels. Ao Jornal Económico, contou como, antes da política, foi ele mesmo um investidor em capital de risco: “Na altura punha 1.000 euros ou 2.000 numa empresa ou numa ideia”.

Parlamento Europeu aprova fundo de 700 mil milhões de euros para investimentos na UE até 2027

Previsto está agora que o InvestEU “mobilize mais de 698 mil milhões de euros de investimentos públicos e privados na UE entre 2021 e 2027, acima dos 650 mil milhões indicados na proposta da Comissão Europeia”, acrescenta o Parlamento Europeu.
Recomendadas

PremiumFuturo de Espanha decide-se a partir de Estremera

Hegemonia da ERC na Catalunha pode levar a maioria absoluta de esquerda liderada pelo PSOE de Pedro Sánchez, juntando também o Unidos Podemos.

Joana e Mariana Mortágua: “Leva o Bolsonaro para ao pé do Salazar”

“Ó meu rico Santo António, ó meu santo popular, leva lá o Bolsonaro, leva lá o Bolsonaro para ao pé do Salazar”. É assim a letra da música, que envolve o presidente do Brasil, cantada pelas deputadas do Bloco de Esquerda durante uma marcha do 25 de abril. A música foi cantada na presença de Catarina Martins, de Marisa Matias e de um deputado francês. O ditador António de Oliveira Salazar morreu em 1970.

Barclays passa de lucros a prejuízos e admite mais cortes de custos

Ainda segundo os resultados hoje conhecidos as receitas caíram 2% para 5,25 mil milhões de euros de libras (6,1 mil milhões de euros à taxa de câmbio atual), o que levou o banco a admitir que terá de reforçar o cortar custos se a queda de receitas persistirem no resto do ano.
Comentários