PremiumConselho Geral da Mutualista aprova por unanimidade os oito novos administradores do Montepio

A nova administração do banco liderada por Nuno Mota Pinto foi hoje debatida em Conselho Geral da Associação Mutualista Montepio Geral e foi aprovada por unanimidade, segundo disseram fontes ao Jornal Económico.

Cristina Bernardo

A reunião do Conselho Geral da Associação Mutualista acaba de terminar e os oito novos administradores da Caixa Económica Montepio Geral foram eleitos por unanimidade.

Ao todo são 23 os membros que compõem os órgãos sociais da Associação Mutualista Montepio Geral: 12 membros do Conselho Geral, cinco administradores; três membros do Conselho Fiscal e três membros da Mesa da Assembleia Geral.

Os órgãos associativos da Associação Mutualista, eleitos pelos associados a cada três anos, em Assembleia Geral, são compostos, pelo Conselho de Administração liderado por António Tomás Correia; e tendo como vogais Carlos Morais Beato; Fernando Ribeiro Mendes; Virgílio Lima e Miguel Teixeira Coelho – e pelo Conselho Geral que tem como presidente António Gonçalves Ribeiro e é composto ao todo por 12 elementos.

Por seu turno o Conselho Fiscal é composto por três elementos e é liderado por Manuel dos Santos Caseirão; e a Mesa da Assembleia Geral é liderada pelo Padre Vítor Melícias.

O Conselho Geral é também o órgão social onde são discutidas as contas da Associação. As contas individuais de 2017 deverão também ter sido debatidas.

A Associação Mutualista Montepio tem de publicar até março as contas consolidadas de 2016, tal como disse recentemente o Ministro do Trabalho, da Solidariedade e Segurança Social, Vieira da Silva.

A lista de novos administradores é composta por: Francisco Fonseca da Silva (chairman); Nuno Mota Pinto (CEO); Carlos Leiria Pinto; Helena Soares Moura; Pedro Alves; Pedro Ventaneira (ex-BESI); José Carlos Mateus; e José Rozete. Esta foi a lista que unanimemente foi aprovada pelos órgãos sociais.

A nova administração da Caixa Económica ainda está, no entanto, com o processo de avaliação em curso no Banco de Portugal, soube o Jornal Económico. Isto é, ainda não está concluído o processo de fit & proper (adequação e avaliação da idoneidade).

A Caixa Económica terá de adoptar um novo modelo de governo composto por um Conselho de Administração e uma Comissão Executiva.

A substituição de José Félix Morgado antes do fim do mandato custa à associação Mutualista 400 mil euros. Todos os atuais administradores saem e recebem os salários até ao fim do mandato.

Relacionadas

Santa Casa avalia Montepio e fica abaixo dos 2.000 milhões

O Haitong Bank já tem um valor para a Caixa Económica. A avaliação está prestes a ser entregue à Santa Casa. Valor desce: 10% são 160 milhões.

Associação Mutualista tem até março para apresentar contas consolidadas, diz ministro

O banco vende produtos da mutualista, como a Montepio Capital Certo, em que são os ativos da Associação Mutualista Montepio Geral que respondem pelo dinheiro aplicado, mas até ao momento não há contas consolidadas aprovadas.

Carlos Costa diz que a substituição da administração do Montepio é uma decisão do acionista

Não há promiscuidade nas relações entre a Associação Mutualista e a Caixa Económica Montepio Geral disse o governador que argumenta que desde 2015 os conselhos de administração são distintos. “Há uma relação normal entre acionista e participada“, garante. Sobre a saída de José Félix Morgado remete para o acionista.
Recomendadas

Caixa não pode “descurar o rigor” nem cometer “erros” após boas notícias, diz Paulo Macedo

“Se a Caixa se mantiver competitiva, se a Caixa assegurar uma boa ‘governance’, se a Caixa mantiver um rigor de crédito e melhorar as suas práticas e cada vez tiver mais próxima do cliente, se não fizer o oposto disto, eu acho que apesar do negócio bancário estar muito difícil, e dos proveitos ‘core’ bancários preverem-se estar estagnados, a Caixa tem uma boa base para prosseguir o seu caminho”, disse o CEO da CGD.

Impacto do fim das moratórias na banca será menor que esperado, diz CEO da CGD

“O final das moratórias afetará muitas empresas e muitos particulares – por exemplo no caso da CGD houve mais de 2.000 pessoas que nos pediram para restruturar os seus créditos e, portanto, restruturámo-los -, mas em termos macroeconómicos diria não se espera que o fim das moratórias cause um problema nos bancos, como estava dito, ou cause um problema enorme”, disse Paulo Macedo.

Moody’s melhora rating de seis bancos portugueses

A Moody’s realizou hoje ações de rating em seis grupos bancários portugueses – CGD, BCP, Santander, Novo Banco, BPI e Crédito Agrícola. A agência elevou as classificações de depósito de longo prazo de quatro bancos e a classificação de dívida sénior sem garantia (unsecured) de um banco. Também mudou a perspectiva dos ratings de depósito de longo prazo de três bancos e dos ratings de dívida sénior não garantida de um banco.
Comentários